Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Augustus Earle

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
01.06.1793 Reino Unido / Inglaterra / Londres
10.12.1838 Reino Unido / Inglaterra / Londres
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Mercado de Escravos no Rio de Janeiro
Augustus Earle

BiografiaAugustus Earle (Londres, Inglaterra 1793 - Idem 1838). Pintor, aquarelista e desenhista. É sobrinho do famoso retratista americano Ralph Earl (1751 - 1801) e filho do pintor James Earle. Ingressa na Royal Academy of Arts [Academia Real de Artes] de Londres, em 1807. Em 1815, viaja para Malta, onde registra as paisagens. Conhece toda a c...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Augustus Earle (Londres, Inglaterra 1793 - Idem 1838). Pintor, aquarelista e desenhista. É sobrinho do famoso retratista americano Ralph Earl (1751 - 1801) e filho do pintor James Earle. Ingressa na Royal Academy of Arts [Academia Real de Artes] de Londres, em 1807. Em 1815, viaja para Malta, onde registra as paisagens. Conhece toda a costa do Mediterrâneo e, depois, vai a Gibraltar. Volta à Inglaterra em 1817 e, já em 1818, percorre os Estados Unidos durante dois anos. De lá, aporta no Rio de Janeiro, em 1820. Afora dois meses que passa no Chile e no Peru, permanece no Brasil até o início de 1824, sempre exercendo atividade artística. Tenta embarcar para a Índia. Seu navio aporta, devido a uma tempestade, em Tristão da Cunha, no Atlântico Sul. Após três dias ancorada, a embarcação parte, deixando o artista e um tripulante na ilha. Earle espera pela passagem de outro barco durante cerca de oito meses. Consegue ser recolhido e chega à Austrália, onde vive por três anos. Entre 1827 e 1830, vai à Nova Zelândia e à Índia, e, por fim, retorna a Londres. Em 1832, é engajado como desenhista na expedição do navio Beagle, da qual participa o naturalista Charles Darwin (1809 - 1882). Nesse mesmo ano Darwin e Earle passam tempos juntos no Rio de Janeiro, mas o artista deixa a expedição por motivos de saúde. Reside em Montevidéu durante cerca de dois anos e volta à Inglaterra provavelmente em 1834, onde se supõe que permaneça até a morte, cujo local e data são desconhecidos. Sabe-se que em 1838 expõe Um bivaque de viajantes na Austrália, na Royal Academy. 

Comentário crítico
Augustus Earle é um típico artista viajante do século XIX. Aventureiro, conhece diversas partes do mundo e registra as paisagens e costumes locais. Em 1830 e 1832 respectivamente, publica, na Inglaterra, um livro de esboços sobre a Austrália e um diário de suas estadas na Nova Zelândia e em Tristão da Cunha.

No Brasil, reproduz paisagens, cenas populares, retratos e espécimes de história natural. A maior parte dessas obras encontra-se na Austrália. Duas foram incluídas no livro Viagem ao Brasil, da pintora e escritora Maria Graham (1785 - 1842), de 1824. Da época da participação na expedição Beagle, restam três gravuras de paisagens urbanas e naturais do Rio de Janeiro e Salvador.

Segundo David James, seus desenhos e aquarelas podem ser comparados em qualidade aos de outros viajantes famosos, como Debret (1768 - 1848) e Rugendas (1802 - 1858) 1. Possui evidente domínio técnico: o desenho é correto nas proporções e perspectiva, como se vê em Largo do Paço por Volta de 1824, em que mostra a atividade cotidiana e a paisagem urbana da região do antigo cais do Rio de Janeiro. Em Entrudo, apresenta uma cena de Carnaval em um prostíbulo carioca, à qual consegue imprimir movimento por meio de linhas diagonais e representação de objetos dispersos. O comentador David James destaca, em sua obra, um caráter especificamente inglês, em função da liberdade com que trata os temas e na tendência à intensificação2, um certo exagero que ultrapassa o meramente documental. Ele compara Entrudo a pinturas da série A Rake´s Progress, do inglês William Hogarth (1697 - 1764).


Notas

1 JAMES, David. Um pintor inglês no Brasil do primeiro reinado. Revista do patrimônio histórico e artístico nacional, Rio de Janeiro, nº 12, 1955, p. 151.

2 Idem, p. 162.

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 2

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • Annuaire international des ventes. Paris: Mayer, 1981-.
  • BÉNÉZIT, Emmanuel-Charles. Dictionnaire critique et documentaire des peintres, sculpteurs dessinateurs et qraveurs: de tous les temps et de tous les pays par un groupe d´écrivains spécialistes français et étrangers. Nova edição revista e corrigida. Paris: Grund, 1976. 10 v.
  • Disponível em:[http://www.dnzb.govt.nz/dnzb/default.asp?Find_Quick.asp?PersonEssay=1E1]. Acesso em: 14/01/2005. Dictionary of New Zealand Biography
  • FERREZ, Gilberto. A muito leal e heróica cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro: quatro séculos de expansão e evolução. Rio de Janeiro: Raymundo de Castro Maya: Candido Guinle de Paula Machado: Fernando Machado Portella: Banco boavista, 1965. 259 p. Il color.
  • JAMES, David. Um pintor inglês no Brasil do primeiro reinado. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 12, p. 151-169, 1955.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MARIA, Carlos Eugênio Marcondes de. A travessia da Calunga Grande. São Paulo: Edusp, 2000. 691 p. Il color.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: