Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Auguste Petit

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.03.2017
12.06.1844 França / Borgonha / Châtillon-sur-Seine
1927 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Dona Teresa Cristina
Auguste Petit
Óleo sobre tela
60,00 cm x 73,00 cm

Auguste Petit (Chatillon-Sur-Seine, França 1844 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1927). Pintor, professor. Chega ao Brasil em 1864 trazendo o conhecimento artístico adquirido em seu país de origem como aluno do pintor de paisagens Eugène Nesle (1819 - 1871). Fixa-se no Rio de Janeiro, onde realiza paisagens, naturezas-mortas, cenas históricas e...

Texto

Abrir módulo

Biografia 

Auguste Petit (Chatillon-Sur-Seine, França 1844 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1927). Pintor, professor. Chega ao Brasil em 1864 trazendo o conhecimento artístico adquirido em seu país de origem como aluno do pintor de paisagens Eugène Nesle (1819 - 1871). Fixa-se no Rio de Janeiro, onde realiza paisagens, naturezas-mortas, cenas históricas e, principalmente, retratos, em que se destacam aqueles do casal imperial dom Pedro II (1825 - 1891) e dona Teresa Cristina (1822 - 1889), dos políticos Quintino Bocaiúva (1836 - 1912) e Nilo Peçanha (1867 - 1924), e do maestro Carlos Gomes (1836 - 1896). É premiado em diversas Exposições Gerais de Belas Artes, com destaque para a menção honrosa que recebe em 1882, e as medalhas de prata e de ouro que lhe são concedidas nos anos de 1884 e 1888, respectivamente. Entre 1890 e 1918, o pintor se apresenta regularmente em coletivas promovidas pela Escola Nacional de Belas Artes - Enba, deixando de participar de poucas dessas exposições. Como professor, Petit dá aulas de pintura. Entre os anos de 1880 e 1901 recebe os alunos em seu ateliê, que se localiza em diferentes endereços do Rio de Janeiro ao longo desse período.

Análise

A obra de Auguste Petit, no Brasil, começa a se estabelecer nas duas últimas décadas do Império. Abrange os principais gêneros pictóricos do século XIX, como a paisagem, a natureza-morta, a pintura histórica e o retrato. Petit destaca-se como retratista, realizando pinturas de personalidades da época, como José Teles da Silva, 1880, d. Pedro II, ca.1882, e d. Teresa Cristina, ca.1882, que trazem características semelhantes: os retratados são mostrados levemente de perfil e de meio corpo (rosto, ombros e antebraços) sobre um fundo escuro, dentro de uma forma oval. O artista destaca o rosto e detalhes do traje, como a miniatura da "Ordem da Rosa" e do "Tosão de Ouro", nas lapelas esquerdas de José Teles da Silva e d. Pedro II, respectivamente, e o broche na gola do vestido de d. Teresa Cristina, e revela a importância social do retratado.

Nos anos 1890, Petit mantém algumas características dos retratos que realiza na década anterior, como apresentar o busto do retratado e detalhes da vestimenta, ao mesmo tempo em que pratica mudanças na maneira de representação. Entre elas, aproveitar o espaço retangular da tela (elimina as formas ovais), mostrar o retratado quase de corpo inteiro (retrato de d. Francisca Rosa de Morais, 1894), totalmente frontal (retrato de Charles Morel, 1898), ou sobre fundo claro (Árabe, 1898). A produção de retratos de Auguste Petit mostra a crescente importância do gênero no Brasil oitocentista para a representação da hierarquia social que vai da corte imperial à burguesia.

Obras 3

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Cena de Atelier

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Pedro II

Óleo sobre tela

Exposições 25

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • ACQUARONE, Francisco. Mestres da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Francisco Alves, s.d. 253 p., 15 il. p&b., color.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • BUENO, Alexei. O Brasil do século XIX na Coleção Fadel. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Sergio Fadel, 2004.
  • DUQUE, Gonzaga. A Arte brasileira: pintura e esculptura. Rio de Janeiro: H. Lombaerts & C., 1888. 254 p.
  • DUQUE, Gonzaga. Contemporâneos: pintores e esculptores. Rio de Janeiro: Tipografia Benedicto de Souza, 1929.
  • EXPOSIÇÃO de mestres do retrato no Brasil. Apresentação José Roberto Teixeira Leite. São Paulo: VASP Galeria de Arte, 1979.
  • FREIRE, Laudelino. Pedro II e a arte no Brasil Histórico: discurso de recepção no Instituto Histórico. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1917.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • PALACIO Itamaraty - Brasília / Rio de Janeiro. Texto Silvia Escorel, André Aranha Corrêa do Lago, João Hermes Pereira de Araújo. São Paulo: Banco Safra, 1993. 319p. il. color. (Banco Safra).
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: