Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

August Muller

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.01.2017
1815 Alemanha / Niedersachsen / Baden
1883 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica auutoria desconhecida

Jugurta, 1842
August Muller
Óleo sobre tela
161,00 cm x 210,50 cm

August Muller (Baden, Alemanha 1815 - Rio de Janeiro RJ ca.1883). Pintor e professor. Irmão do pintor Guilherme Muller, vem para o Rio de Janeiro por volta de 1820, em companhia de seu pai. Ingressa na Academia Imperial de Belas Artes (Aiba), em 1829, e estuda com Debret (1768 - 1848). Em 1835, é nomeado professor substituto de pintura de paisag...

Texto

Abrir módulo

Biografia
August Muller (Baden, Alemanha 1815 - Rio de Janeiro RJ ca.1883). Pintor e professor. Irmão do pintor Guilherme Muller, vem para o Rio de Janeiro por volta de 1820, em companhia de seu pai. Ingressa na Academia Imperial de Belas Artes (Aiba), em 1829, e estuda com Debret (1768 - 1848). Em 1835, é nomeado professor substituto de pintura de paisagem da instituição. Em sua produção de 1835 a 1840, destacam-se as vistas do Rio de Janeiro, realizadas para o cônsul norte-americano William Wright. É nomeado professor titular da cadeira de pintura de paisagem, em virtude da aposentadoria de Félix Taunay (1795 - 1881), cargo que exerce entre 1851 e 1860. Recebe a medalha de ouro pelas obras apresentadas nos Exposições Gerais de Belas Artes da Aiba em 1834, 1840 e 1864.  Dedicando-se à pintura de paisagem e histórica e, sobretudo, à retratística, é considerado pela crítica como um dos melhores nesse gênero em sua época. Entre os retratos mais conhecidos estão o da baronesa de Vassouras, o do Mestre de uma Sumaca, ca.1850 - encomendado pelo governo imperial - e o do arquiteto Grandjean de Montigny (1776 - 1850), incluído na Exposição de História do Brasil, realizada em 1881, no Rio de Janeiro. Esse retrato e o do gravador Zepherin Ferrez (1797 - 1851) são os únicos conhecidos desses membros da Missão Artística Francesa.

Análise
August Muller é considerado pela crítica como um dos melhores retratistas de sua época. Para o historiador da arte Luciano Migliaccio, estão entre as pinturas mais representativas desse gênero, realizadas pelo artista, o retrato do arquiteto Grandjean de Montigny (1776 - 1850) e o da baronesa de Vassouras, obras que demonstram acuidade de observação e forte capacidade comunicativa. No retrato do marinheiro Manuel Correia dos Santos, nota-se a dignidade conferida ao retratado, um homem do povo, por meio de uma pintura que o interpreta primitivamente, realçando suas qualidades físicas e psicológicas.

Muller executa ainda o retrato do gravador Zepherin Ferrez e de sua esposa. Em suas paisagens, como A Baía do Rio de Janeiro Vista da Ilha de Villegaignon (ca.1840), não apresenta aspectos tão inovadores como os da retratística, revelando porém a influência de obras da grande tradição francesa de pintura de paisagem.

Obras 13

Abrir módulo
Reprodução fotográfica auutoria desconhecida

Jugurta

Óleo sobre tela

Exposições 28

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • BOGHICI, Jean (org.). Missão Artística Francesa e pintores viajantes: França-Brasil no século XIX. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Brasil-França, 1990.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.3 pt. 2
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte do século XIX. Curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • PEIXOTO, Maria Elizabete Santos. Pintores alemães no Brasil durante o século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1989.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: