Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Féjer

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.01.2019
1923 Hungria / a definir / Pécs
1989 Portugal / Setúbal / Sesimbra
Registro fotográfico Eduardo Castanho/Itaú Cultural

Cristal, 1956
Féjer
Lâminas de vidro
Colección Patricia Phelps de Cisneros (Caracas, Venezuela)

Kazmer Féjer (Pécs, Hungria 1923 - Sesimbra, Portugal 1989). Pintor e escultor. Em Budapeste, freqüenta a Academia de Belas Artes e forma-se, paralelamente, em química industrial. Em 1945, é um dos fundadores do Artclub de Budapeste, onde conhece Waldemar Cordeiro (1925 - 1973), por quem é convidado a expor em São Paulo. Participa do Salon Reali...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Kazmer Féjer (Pécs, Hungria 1923 - Sesimbra, Portugal 1989). Pintor e escultor. Em Budapeste, freqüenta a Academia de Belas Artes e forma-se, paralelamente, em química industrial. Em 1945, é um dos fundadores do Artclub de Budapeste, onde conhece Waldemar Cordeiro (1925 - 1973), por quem é convidado a expor em São Paulo. Participa do Salon Realités Nouvelles, Paris, em 1946. Em 1949, vem para o Brasil, fixa residência em São Paulo e expõe na 1ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1951. No ano seguinte, com outros artistas, funda o Grupo Ruptura, e organiza sua primeira exposição, no Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP. É um dos signatários do Manifesto Ruptura. Participa da Exposição Nacional de Arte Concreta em 1956 e 1957, em São Paulo e no Rio de Janeiro, fruto do contato entre o Grupo Ruptura e o Grupo Frente. Expõe na Konkrete Kunst de Zurique, em 1960. Em 1963 é um dos fundadores da Associação de Artes Visuais e Novas Tendências. Como químico industrial, em 1970, transfere-se para Paris, e trabalha em uma fábrica de pigmentos. Patenteia um sistema de coloração de plástico. Na década de 1980, vai para Portugal e organiza uma empresa de extração de produtos marítimos. Como pintor, leva sua obra a mais de 11 países da Europa e da América Latina.

Análise

Para compreender a arte de Féjer, é imprescindível rememorar o cenário histórico que a contextualiza. Depois da década de 1940, o Brasil passa por um surto de modernização, assumindo uma feição gradualmente mais urbana. Em todas as artes há setores comprometidos em radicalizar, em inventar uma forma que comporte esse mundo dinâmico. Outras respostas haviam sido dadas a essa necessidade, como o movimento construtivista na Rússia, para o qual a pintura e a escultura são pensadas como construções, aproximando-se da arquitetura em materiais, procedimentos e objetivos. Esse princípio de unir formas plásticas, porém utilitárias, influencia as tentativas posteriores de construir uma nova arte e, no Brasil, resulta no concretismo. No movimento concreto, reaparecem firmemente o cálculo, o controle, a clareza e a mecânica. Os concretistas abandonam a representação da natureza e a expressão de sentimentos. É nesse movimento que Féjer desponta como escultor. Mas suas experiências iniciam-se na pintura abstrata, sem nenhuma característica figurativa.

Féjer usa como matéria-prima essencial de suas obras o acrílico e o vidro. Cristal, 1956, é toda de lâminas de vidro. Sua disposição passa a idéia de uma maquete, uma montagem calculada, planejada. Apropriando elementos arquitetônicos, essa obra explicita as diferenças entre o concretismo paulista e o carioca. As obras de Féjer, coincidindo com as premissas do grupo paulista, primam pela precisão, relacionam ciência e tecnologia. Nessa construção de Féjer, não há nenhuma tentativa de retratar algo exterior, não há nenhum sentimento expresso. É uma arte cujas relações se justificam a si mesmas. O volume desaparece dessa obra que, por seu material transparente, potencializa a sensação de não preenchimento, obtém uma síntese ordenada do espaço e da matéria. Cálculo, precisão e ruptura com os preceitos da escultura tradicional definem essa peça e, em grande parte, toda a arte madura de Féjer.

Obras 1

Abrir módulo
Registro fotográfico Eduardo Castanho/Itaú Cultural

Cristal

Lâminas de vidro

Exposições 51

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ARTE suporte computador. Organização Solange Lisboa e Antonio Ruete. São Paulo: Casa das Rosas, 1997.
  • ASSOCIAÇÃO de Arte Visuais Novas Tendências: coletiva inaugural I. São Paulo: Galeria NT, 1963. , il. p&b.
  • CANONGIA, Ligia (Coord.). Abstração geométrica 1: concretismo e neoconcretismo. Curadoria Ligia Canongia. Rio de Janeiro: Funarte, 1987.
  • DESEXPLOSIGNIÇÃO: homenagem à exposição nacional de arte concreta. Texto José Roberto Aguilar; texto crítico Haroldo de Campos. São Paulo: Casa das Rosas, 1996. 1 folha dobrada, il. color.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). IC R703.0981 C376d v.2 pt. 1
  • GRUPO Ruptura: revisitando a exposição inaugural. Texto Rejane Cintrão, Ana Paula Nascimento; versão em inglês Anthony Doyle, David Warwick. São Paulo: Cosac & Naify : Centro Universitário Maria Antônia, 2002. 80 p., il. color. (Arte concreta paulista).
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • SEIS pesquisadores da arte visual. Campinas: MACC, 1966.
  • WILDER, Gabriela Suzana. Waldemar Cordeiro: pintor vanguardista, difusor, critico de arte, teórico e líder do movimento concretista nas artes plásticas em São Paulo, na década de 50. 1982. 294f. - Dissertação (Mestrado) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, 1982.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: