Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Carlo De Servi

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 17.11.2017
1871 Itália / Toscana / Lucca
1947 Itália / Lazio / Roma
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Estância Mineira
Carlo De Servi
Óleo sobre tela
22,00 cm x 14,00 cm

Carlo de Servi (Lucca, Itália, 1871 – Idem, 1947). Pintor e professor. De família de artistas, inicia os estudos em sua cidade natal. Possivelmente em 1883, viaja com o irmão, o pintor Luigi de Servi (1863-1945) para Buenos Aires, Argentina. Entre 1886 e 1890, retorna à Itália e ganha bolsa de estudos de quatro anos em Roma.

Texto

Abrir módulo

Biografia

Carlo de Servi (Lucca, Itália, 1871 – Idem, 1947). Pintor e professor. De família de artistas, inicia os estudos em sua cidade natal. Possivelmente em 1883, viaja com o irmão, o pintor Luigi de Servi (1863-1945) para Buenos Aires, Argentina. Entre 1886 e 1890, retorna à Itália e ganha bolsa de estudos de quatro anos em Roma.

Chega ao Brasil em 1895. Expõe no Salão Nacional de Belas Artes (SNBA) em 1899, obtendo a medalha de ouro de terceira classe. Produz o Retrato de Veridiana Prado. Em 1900, produz Ateliê. Decora a Igreja N. S. Da Assunção, em Piracicaba. Participa do Salão Nacional de Belas Artes de 1901, 1905, 1912 (medalha de prata) e 1920. Em 1913, é jurado do Salão. Em 1908, publica o livro Lições de Desenho, adotado em escolas na época. Faz retratos de presidentes do Governo do Estado de São Paulo, incluindo os de Prudente de Morais (1841-1902), Jorge Tibiriçá (1855-1928), Cerqueira César (1835-1911), Campos Salles (1841-1913) e Washington Luís (1869-1957). 

Entre 1909 e 1915 decora igrejas, pinta e dá aulas de desenho em Belém, Manaus e Recife. Em 1911, participa da 1° Exposição Brasileira de Belas Artes, e em 1912/1913, da 2°. Nesta, o Governo do Estado de São Paulo compra o quadro Descanso do Tropeiro. Produz os retratos do sr. e da sra. Dantas Barreto (1915) no Recife. Em 1920, expõe 86 telas na Associação de Empregados do Comércio, em São Paulo, entre elas, quadros de paisagem inspirados em versos do poeta Casimiro de Abreu (1839-1860). A partir de 1925, não há mais notícias de Servi no Brasil. Supostamente, por motivos de doença, retorna à Itália.

Análise

De Servi é um dos artistas estrangeiros que chegam ao Brasil em fins do século XIX. Pinta retratos, paisagens, naturezas-mortas e decorações alegóricas em igrejas. Adquire destaque no meio artístico paulistano, com encomendas da oligarquia cafeeira e política do estado. Seu bom relacionamento nesse meio lhe rende obras feitas para o Barão do Rio Branco (1845-1912) e Armando Alvares Penteado (1844-1947) e a produção de retratos oficiais de dez governadores até 1908, entre eles, alguns que se tornam presidentes da República.

Nas instituições, também é bem recebido. O quadro Descanso do Tropeiro, por exemplo, é comprado pelo Governo de São Paulo, na 2° Exposição Brasileira de Belas Artes, para figurar na recém-inaugurada Pinacoteca do Estado de São Paulo (Pina_). A tela, com vastas pinceladas, representa um velho tropeiro sentado à mesa de bar, fumando charuto e bebendo aguardente. Esse motivo vai ao encontro dos anseios de uma elite intelectual que, por meio da formação de acervos como a Pinacoteca e o Museu do Ipiranga, elege o tropeiro, o bandeirante e o jesuíta como os fundadores de uma brasilidade iniciada em São Paulo.

Segundo um crítico da época, em 1907, a nota predominante no trabalho de Servi é a serenidade na execução do trabalho1, talvez herdada de sua predileção por temas religiosos, como os que executa em igrejas de Manaus, Belém, Recife e São Paulo.

Nota

1 Correio Paulistano, São Paulo, 12 maio 1907. p. 3.

Obras 3

Abrir módulo

Exposições 24

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 25

Abrir módulo
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Rio de Janeiro: Spala, 1992. 2v. R759.981 A973d v.1
  • BRAGA, Teodoro José da Silva. Artista pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora,1942.
  • CAMARGO, Armando de Arruda; LÔBO, Hélio de Sá; AZEVEDO, João da Cruz Vicente de (Orgs.). A paisagem brasileira: 1650-1976. São Paulo: Sociarte: Paço das Artes, 1980.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • CARLO DE SERVI. Pasta do Artista. Setor de Documentação Artística da Pinacoteca do Estado de São Paulo.
  • COSTA, Cristina. A imagem da mulher: um estudo de arte brasileira. Rio de Janeiro: Senac/Rio, 2002.
  • DEZENOVEVINTE: uma virada no século. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1986.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d
  • DUQUE-ESTRADA, Gonzaga. Graves e frívolos (por assuntos de arte). Lisboa: Livraria Classica Editora, 1910.
  • DUQUE-ESTRADA, Gonzaga. Impressões de um amador: textos esparsos de crítica (1882-1909). Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2001.
  • DUTZMANN, Maria Olimpia Mendes (Coord.). Acervo artístico-cultural do Palácio do Governo do Estado de São Paulo. São Paulo, 1989. SPpg 1989/a
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEILÕES de Arte (venda n. 15). São Paulo: Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte, 1985. SPrmg 1985 n.15
  • LEILÕES de Arte (venda n. 17). São Paulo: Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte, 1986. SPrmg 1986 n.17
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • LOUZADA, Júlio. Artes plásticas Brasil 1985: seu mercado, seus leilões. São Paulo: J. Louzada, 1984. v. 1. R702.9 L895a v. 1 - 5
  • MUSEU da Cidade de Belém. Belém: Museu da Cidade de Belém, 1988.
  • O MUSEU de Arte Sacra de São Paulo. Editado por Padre Antonio de Oliveria Godinho. Textos de Carlos A. C. Lemos, João Marino e José Geraldo Nogueira Moutinho. São Paulo: Banco Safra, 1983.
  • O OLHAR italiano sobre São Paulo. São Paulo : Pinacoteca do Estado, 1993. il. p&b. color.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • SÃO PAULO (ESTADO). SECRETARIA DA CULTURA. Pintores Italianos no Brasil. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo. Secretaria de Estado da Cultura/Sociarte, 1982.
  • TARASANTCHI, Ruth Sprung. Pintores Paisagistas: São Paulo 1890 a 1920. São Paulo: Universidade de São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2002.
  • TEMPO passado/tempo presente: acervo do Museu de Arte de Belém. Belém: MABE, 1997. Pamabe 1997/t
  • VIEIRA, Angela Maria Coelho (Coord.). Pinacoteca: Museu do Estado de Pernambuco. Pesquisa Angela Maria Coelho Vieira. Recife: Museu do Estado de Pernambuco, 1991. Pemep 1991/p

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: