Artigo da seção pessoas Antônio Dias

Antônio Dias

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
| Local de nascimento: (Brasil / Minas Gerais)
Imagem representativa do artigo

Alegoria da Igreja (detalhe do forro da nave) , ca. 1785 , Antônio Dias

Antônio Dias (Minas Gerais, c.17??-s.l. c.18??). Pintor, decorador e professor. Inicia sua formação em Salvador como discípulo dos pintores José Joaquim da Rocha (1737-1807) e Antônio Pinto (c.17??-c.17??). No final do século XVIII, na mesma cidade, realiza em coautoria com Antônio Pinto, de quem é afilhado, a pintura do forro da nave da Igreja do Santíssimo Sacramento da Rua do Passo, bem como outras pinturas na Igreja de Nossa Senhora da Saúde e Glória, na capela de Nossa Senhora da Ajuda e na Igreja da Nossa Senhora da Conceição do Boqueirão. Trabalha como auxiliar do amigo e pintor baiano José Teófilo de Jesus, com quem se aperfeiçoa no desenho de figura humana. Retira-se com Antônio Pinto para Sergipe, atuando na cidade de Maruim, onde realiza obras de decoração em capelas e vivendas, além do retrato do oficial corneteiro-mor Joaquim Ferreira de Sant’Anna. De volta a Salvador, mantém, em 1845, um estabelecimento de ensino de desenho ao natural.

 

Comentário Crítico

Antônio Dias é considerado pelo historiador Carlos Ott (1908-1997) como pertencente à Escola Baiana de pintura, surgida entre o fim do século XVIII e a primeira metade do XIX. Aprendeu seu ofício com o mestre dessa escola, José Joaquim da Rocha, e o padrinho Antônio Pinto. Sabe-se muito pouco sobre a produção do pintor. Além da escassez de dados documentais, é possível que suas obras tenham sido realizadas em conjunto com outros artífices, dificultando assim a identificação de um estilo pessoal. O trabalho mais conhecido do qual participou, ao lado de Antônio Pinto, é o teto da igreja matriz do Passo, em Salvador. Nele, segundo Ott, é possível identificar a filiação dos pintores ao ensino de José Joaquim da Rocha pelo modo como constroem a ambientação ilusionista das pinturas baseando-se em colunas e não arcos, diferentemente do que fazia outro mestre da época, Domingos da Costa Filgueira (17??-1797). A decoração de igrejas com pinturas em trompe l’oeil, simulando uma expansão do forro, era comum no barroco baiano, prática herdada e aprendida de mestres portugueses. 

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Antônio Dias:

Obras de Antônio Dias: (1) obras disponíveis:

Fontes de pesquisa (7)

  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 759.981034 C198hi
  • FRANÇA, Acácio. Pintura na Bahia. Salvador: Secretaria de Educação e Saúde, 1944. Não catalogado
  • GULLAR, Ferreira; FARIA, Rogério. 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • OTT, Carlos. A Escola bahiana de pintura: 1764-1850. Edição Emanoel Araújo. São Paulo: MWM-IFK, 1982. 153 p., il. p&b. color. (Coleçao MWM-IFK).   759.981046 O89e
  • QUERINO, Manoel Raymundo. Artistas bahianos. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1909. Não catalogado
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198). 709.81 R895p
  • ZANINI, Walter (Org). História geral da arte no Brasil. Apresentação de Walther Moreira Salles. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles: Fundação Djalma Guimarães, 1983. 709.81 H673

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • ANTÔNIO Dias. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa22392/antonio-dias>. Acesso em: 25 de Nov. 2020. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7