Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Antônio Dias

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.10.2020
Brasil / Minas Gerais

Alegoria da Igreja (detalhe do forro da nave), 1785
Antônio Dias
Pintura sobre madeira

Antônio Dias (Minas Gerais, c.17??-s.l. c.18??). Pintor, decorador e professor. Inicia sua formação em Salvador como discípulo dos pintores José Joaquim da Rocha (1737-1807) e Antônio Pinto (c.17??-c.17??). No final do século XVIII, na mesma cidade, realiza em coautoria com Antônio Pinto, de quem é afilhado, a pintura do forro da nave da Igreja ...

Texto

Abrir módulo

Antônio Dias (Minas Gerais, c.17??-s.l. c.18??). Pintor, decorador e professor. Inicia sua formação em Salvador como discípulo dos pintores José Joaquim da Rocha (1737-1807) e Antônio Pinto (c.17??-c.17??). No final do século XVIII, na mesma cidade, realiza em coautoria com Antônio Pinto, de quem é afilhado, a pintura do forro da nave da Igreja do Santíssimo Sacramento da Rua do Passo, bem como outras pinturas na Igreja de Nossa Senhora da Saúde e Glória, na capela de Nossa Senhora da Ajuda e na Igreja da Nossa Senhora da Conceição do Boqueirão. Trabalha como auxiliar do amigo e pintor baiano José Teófilo de Jesus, com quem se aperfeiçoa no desenho de figura humana. Retira-se com Antônio Pinto para Sergipe, atuando na cidade de Maruim, onde realiza obras de decoração em capelas e vivendas, além do retrato do oficial corneteiro-mor Joaquim Ferreira de Sant’Anna. De volta a Salvador, mantém, em 1845, um estabelecimento de ensino de desenho ao natural.

 

Comentário Crítico

Antônio Dias é considerado pelo historiador Carlos Ott (1908-1997) como pertencente à Escola Baiana de pintura, surgida entre o fim do século XVIII e a primeira metade do XIX. Aprendeu seu ofício com o mestre dessa escola, José Joaquim da Rocha, e o padrinho Antônio Pinto. Sabe-se muito pouco sobre a produção do pintor. Além da escassez de dados documentais, é possível que suas obras tenham sido realizadas em conjunto com outros artífices, dificultando assim a identificação de um estilo pessoal. O trabalho mais conhecido do qual participou, ao lado de Antônio Pinto, é o teto da igreja matriz do Passo, em Salvador. Nele, segundo Ott, é possível identificar a filiação dos pintores ao ensino de José Joaquim da Rocha pelo modo como constroem a ambientação ilusionista das pinturas baseando-se em colunas e não arcos, diferentemente do que fazia outro mestre da época, Domingos da Costa Filgueira (17??-1797). A decoração de igrejas com pinturas em trompe l’oeil, simulando uma expansão do forro, era comum no barroco baiano, prática herdada e aprendida de mestres portugueses. 

A carência do exercício e do aprendizado em uma Academia de Belas Artes, que só se consolidaria no país em 1826, no Rio de Janeiro, pode ser a responsável pelas falhas na construção da perspectiva no espaço tridimensional, assim como pela ausência da representação de anjos e santos em escorço, elemento que reforçava a ilusão de tridimensionalidade nas pinturas do barroco italiano. Isso, porém, não retira – até aumenta – o mérito da composição extremamente elaborada e do colorido vivo das pinturas de Dias e seu padrinho. Ambos foram artistas respeitados no campo da pintura de decoração arquitetônica na Bahia.

Obras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 759.981034 C198hi
  • FRANÇA, Acácio. Pintura na Bahia. Salvador: Secretaria de Educação e Saúde, 1944. Não catalogado
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • OTT, Carlos. A Escola bahiana de pintura: 1764-1850. Edição Emanoel Araújo. São Paulo: MWM-IFK, 1982. 153 p., il. p&b. color. (Coleçao MWM-IFK). 759.981046 O89e
  • QUERINO, Manoel Raymundo. Artistas bahianos. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1909. Não catalogado
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198). 709.81 R895p
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1. 709.81 H673

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: