Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Angelina Agostini

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.06.2021
1888 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
1973 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Registro fotográfico Sérgio Guerini

Vaidade, 1913
Angelina Agostini
Óleo sobre tela
78,50 cm x 73,50 cm

Angelina Agostini (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1888 - Idem 1973). Pintora. Inicia seus estudos de arte com o pai, o ilustrador e caricaturista Angelo Agostini (1843-1910). Entre 1906 e 1911, é aluna de Zeferino da Costa (1840-1915), Baptista da Costa (1865-1926) e Eliseu Visconti (1866-1944), na Escola Nacional de Belas Artes (Enba). A parti...

Texto

Abrir módulo

Angelina Agostini (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1888 - Idem 1973). Pintora. Inicia seus estudos de arte com o pai, o ilustrador e caricaturista Angelo Agostini (1843-1910). Entre 1906 e 1911, é aluna de Zeferino da Costa (1840-1915), Baptista da Costa (1865-1926) e Eliseu Visconti (1866-1944), na Escola Nacional de Belas Artes (Enba). A partir de 1911, estuda no ateliê de Henrique Bernardelli (1858-1936). No mesmo ano, recebe menção honrosa na 18ª Exposição Geral de Belas Artes. Nos dois anos seguintes, participa da 19ª e 20ª edições da mostra e ganha, respectivamente, a pequena medalha de prata e o prêmio de viagem à Europa, com a tela Vaidade. Viaja para a Europa em 1914, estabelecendo-se em Londres. Durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), presta serviços assistenciais como voluntária da Cruz Vermelha, o que lhe vale o reconhecimento do governo britânico. Expõe na Royal Academy of Arts [Real Academia de Artes], na Society of Women Artists [Sociedade de Mulheres Artistas], no Imperial War Museum [Museu Imperial de Guerra] e na Huddersfield Gallery, todos em Londres. Também apresenta trabalhos no salão da Société Nationale des Beaux Arts [Sociedade Nacional das Belas Artes], no Salon des Tuileries e no Salon de l'Amérique Latine [Salão da América Latina], em Paris. De volta ao Brasil, ganha a medalha de ouro no Salão Nacional de Belas Artes (SNBA) de 1953 e é membro do júri da mostra em 1957. Nesse mesmo ano, figura na exposição O Nu na Arte, do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), Rio de Janeiro.

Análise

Há três quadros de Angelina Agostini na coleção do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA). Um retrato, um auto-retrato e a tela Vaidade, de 1913. Esta, que lhe vale o prêmio de viagem à Europa e é tida como sua obra mais importante, mostra uma mulher sentada de costas, diante do espelho, de camisola, com a alça esquerda caída sobre o braço. O penteado ainda está feito, com um laço vermelho. À sua esquerda, no primeiro plano, um espartilho jogado é o ponto mais luminoso da tela. O olhar expressa o que poderia ser uma melancolia sorridente, ou cansaço depois de uma noite agradável. A tela é bastante escura, mas o desenho e a fatura são corretos.

O auto-retrato é igualmente escuro. O desenho continua sem defeitos, embora a pincelada não seja uniforme. A pintora usa um chapéu preto de aba larga e redonda. Seu rosto está inclinado e só metade dele está na luz. Ela não olha diretamente para frente, mas seu olhar é vivo e seu rosto expressa um vago sorriso.

Como diz o crítico José Roberto Teixeira Leite, na obra da artista, em geral o desenho é exato e o colorido sóbrio, mas suas composições pecam pelo conservadorismo.1 No entanto, se não recebe muita atenção da crítica, é porque seus contemporâneos estão pouco acostumados à presença feminina na arte. Quando a mencionam, se atêm ao fato de ser mulher pintora.

Assim faz o crítico Carlos Rubens, que trata da premiação da pintora sem abordar objetivamente os quadros. Em seguida, explica que com o desenvolvimento da sociedade e a diminuição dos preconceitos, a mulher pôde evoluir na arte, tornando-se mais atual e mais humana, saindo para pintar e não mais se restringindo à cópia de outros quadros.2

Esta última observação realmente se aplica ao caso de Angelina, que produz retratos e, segundo consta, também composições inspiradas na Primeira Guerra Mundial, o que resulta em comentários simpáticos da crítica londrina e parisiense.3

No entanto, hoje, e apesar da presença no MNBA, a artista continua a ser lembrada pelo fato de ser mulher e pela temática feminina. Na exposição de 2004, O preço da sedução: do espartilho ao silicone, a tela Vaidade é ressaltada por retratar um momento de intimidade, em que a mulher aparece confortável, sem as vestes impostas pelas convenções sociais.

Notas
1. LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário Crítico da Pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988, p. 14
2. RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Nacional, 1941, p. 238.
3. AYALA, Walmir; CAVALCANTI, Carlos. Dicionário brasileiro de artistas plásticos. Brasília: MDC/INL, 1973-1980, p. 38.

Obras 1

Abrir módulo
Registro fotográfico Sérgio Guerini

Vaidade

Óleo sobre tela

Exposições 25

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Rio de Janeiro: Spala, 1992. 2v.
  • CREEDY, Jean (org.). O Contexto social da arte. Tradução Yvonne Alves Velho, Sérgio Flaksman. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • O MUSEU Nacional de Belas Artes. São Paulo: Banco Safra, 1985.
  • O PREÇO da sedução: do espartilho ao silicone. Curadoria Denise Mattar. São Paulo: Itaú Cultural, 2004.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).
  • SALÃO de Maio, 6. , 1971, Rio de Janeiro. 6º Salão de Maio. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Belas Artes, 1971.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: