Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Alcides da Rocha Miranda

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.11.2020
06.07.1909 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
22.10.2001 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Alcides da Rocha Miranda (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1909 - idem 2001). Arquiteto, pintor, desenhista, professor, pesquisador e conservador do patrimônio. Em 1925, inscreve-se no curso livre da Escola Nacional de Belas Artes - Enba, e se forma em arquitetura em 1932. Inicia sua carreira profissional no escritório Costa & Warchavchik, 1931-1...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Alcides da Rocha Miranda (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1909 - idem 2001). Arquiteto, pintor, desenhista, professor, pesquisador e conservador do patrimônio. Em 1925, inscreve-se no curso livre da Escola Nacional de Belas Artes - Enba, e se forma em arquitetura em 1932. Inicia sua carreira profissional no escritório Costa & Warchavchik, 1931-1933, e transfere-se, em 1933, para o escritório do engenheiro Emílio Baumgart, onde permanece até os anos 1950. Organiza o 1º Salão de Arquitetura Tropical, em 1933, ao lado dos estagiários João Lourenço da Silva e Adhemar Portugal, do escritório Costa & Warchavchik, e do arquiteto alemão Alexandre Altberg. Concomitantemente, investe na carreira de pintor, tem aulas com Candido Portinari, no Instituto de Artes da Universidade do Distrito Federal, 1935-1937, com Guignard e André Lhote. Participa do 2º Salão de Maio de São Paulo, em 1938, da exposição do Grupo Guignard, 1943, e da mostra itinerante 20 Artistas Brasileños, em 1945. Ingressa no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Sphan, como chefe da seção de arte da Divisão de Estudos e Tombamentos, em 1940, e aposenta-se em 1978. Em 1950, pede transferência para a delegacia paulista do Sphan em virtude do convite de Luiz Ignácio Romeiro de Anhaia Mello para integrar o quadro de professores da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP, e assume a cadeira de plástica até 1955, quando retorna ao Rio de Janeiro. Cinco anos depois, em 1960, transfere-se para Brasília, a nova capital, participa do conselho diretor da fundação da Universidade de Brasília - UnB, da criação do Instituto Central de Artes - ICA, do qual é coordenador e professor titular entre 1963 e 1967, e da fundação do núcleo regional do Sphan. Entre as décadas de 1940 e 1980, desenvolve projetos com o escultor italiano Lélio Landucci e os arquitetos José de Sousa Reis, Fernando Cabral, Elvin Mackay Dubugras e Ana Luisa Dias Leite. Integra o 4º Congresso Pan-Americano de Arquitetos, em 1949 como membro da comissão organizadora da participação brasileira, e do Congresso de Museus, em 1956, em Ouro Preto, Minas Gerais, onde organiza com Acácio Gil Borsoi uma exposição sobre o tema. Em 1973, recebe o título de notório saber da USP e é condecorado pela organização do Museu Santos Dumont com a Medalha Mérito Santos Dumont do Ministério da Aeronáutica e a Medalha Santos Dumont do governo do estado de Minas Gerais. Em 1987 é homenageado com a medalha comemorativa dos 50 anos do Sphan.

Comentário crítico
Definido como um arquiteto discreto e avesso à celebração, Alcides da Rocha Miranda realiza uma obra de qualidade, coerente com sua trajetória e seu discurso. Formado num período de grande efervescência cultural, em que se realizam as conferências de Le Corbusier, a reforma de ensino de Lucio Costa, o Salão Revolucionário, 1931, e a exposição da Casa Modernista, 1930/1931, Rocha Miranda inicia sua carreira já convertido ao moderno.

Os anos 1930 e o início dos anos 1940 são ainda um período de formação, em que se dedica principalmente à pintura. Por isso, suas obras de destaque são Moça em Dia de Chuva, ca.1930, Camponeses e Fazendeiro, 1938, e Tiradentes, 1942, as primeiras realizadas sob inspiração de Candido Portinari e a última inspirada em Guignard, seus professores na época.

O trabalho como arquiteto só ganha corpo no fim da década de 1940. Colabora para isso o aprendizado com o engenheiro Emílio Baumgart, Le Corbusier, Frank Lloyd Wright, Gregori Warchavchik, mas, sobretudo, com Lucio Costa, no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - Sphan. Antes de sua transferência para São Paulo, os projetos que mais se destacam são o Centro Educativo de Arte Teatral, 1947 (não construído), a Fábrica de Relógios, 1948, e o Museu das Moldagens, 1954 (não construído). Em todos eles existe o domínio da técnica do concreto armado e o interesse por suas possibilidades plásticas, o que se evidencia no desenho da cobertura de concreto armado maciço em forma de parábola do centro educativo - calculada com o auxílio do engenheiro e poeta Joaquim Cardozo -, da marquise em abóbadas da fábrica e dos pilares esculturais do museu. Encomendado por Anísio Teixeira, o centro educativo aprofunda o diálogo entre o educador e o arquiteto iniciado nos anos 1930 no Instituto de Artes da Universidade do Distrito Federal, no Rio de Janeiro. Inspirado pelas propostas de Teixeira, assim que assume o posto de professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP, Rocha Miranda propõe um ensino integrando todas as artes. Frustrada sua proposta, dedica-se à cadeira de plástica, apontando a importância do desenho - para ele não só um meio de expressão, mas de conhecimento e proposição -, e da construção de modelos na formação do arquiteto. Para isso conta com o apoio de Zanine Caldas, diretor da oficina de maquetes. No Instituto Central de Artes da Universidade de Brasília - ICA/UnB, o arquiteto aprofunda a proposta realizada na FAU/USP e cria um curso integrado de arquitetura, cinema, música e artes gráficas, que prevê a confluência entre artesanato e indústria, tal como é proposto anos antes na Bauhaus.

Em Brasília, projeta a Faculdade de Educação da Universidade e o Auditório Dois Candangos, em 1962, trabalho em que assimila elementos tradicionais da arquitetura brasileira, como o azulejo, o pátio e a treliça, de maneira muito distinta da realizada no Grupo Escolar do Serro, ca.1940, e em suas últimas obras. Longe do aspecto nativista que confere a esses projetos, os elementos são utilizados segundo um raciocínio eminentemente funcional que dá aos edifícios um caráter abstrato e internacionalista. A horizontalidade, contudo, é uma constante na obra do arquiteto, ganhando dramaticidade em projetos em que discute a relação entre arquitetura e natureza, como o altar do 36º Congresso Eucarístico Internacional, 1955 (demolido), cujo risco original de Lucio Costa é desenvolvido por Rocha Miranda, em colaboração com os arquitetos Elvin Mackay Dubugras e Fernando Cabral. Se na Residência Celso da Rocha Miranda, 1942/1959, e na Igreja-Abrigo e Restaurante na Serra da Piedade, 1956/1976, em Petrópolis, no Rio de Janeiro, e Caeté, em Minas Gerais, respectivamente, essa discussão aparece na integração do edifício à paisagem natural, que no último caso serve de inspiração para o desenho pontiagudo da cobertura de concreto armado, na Capela da Residência Maria do Carmo e José Nabuco, 1957/1958, assim como no altar de 1955, a natureza é enquadrada funcionando como um retábulo.

Outro tema recorrente em sua trajetória é a relação entre tradição e modernidade. Presente na elaboração da história da arquitetura do Brasil, que valoriza o passado colonial e afirma a arquitetura moderna como uma renovação conectada simultaneamente com esse passado e as vanguardas internacionais levada a cabo por Lucio Costa com a colaboração de Rocha Miranda no Sphan, esse tema é bem desenvolvido em seus últimos projetos. Na Companhia Internacional de Seguros, 1976, Rocha Miranda reforma uma antiga residência neogótica, revelando e valorizando o sistema construtivo com a retirada da ornamentação e dos revestimentos das paredes. Na Fundação Universitária José Bonifácio, 1981, no Rio de Janeiro, ele investe na adaptação do antigo Hospício Pedro II, inserindo equipamentos de infraestrutura modernos, como o sistema de ar condicionado, e uma construção de estrutura metálica, destacada da antiga, que com divisórias baixas abrigam o novo programa, garantindo a leitura do espaço original e seu sistema construtivo, revelado como no projeto anterior. A Residência Sylvia Nabuco, 1987/1989, por sua vez, é a expressão máxima de sua leitura aguda da morfologia das cidades históricas mineiras e da capacidade de integrar o novo ao antigo. Identificando a definição da rua pelo conjunto das edificações e a alternância entre renques de telhados e quintais arborizados, como características principais dessas cidades, Rocha Miranda recupera a fachada e o telhado da residência original, adotando uma cobertura de laje ajardinada para a nova construção, que se integra perfeitamente à paisagem urbana.

Exposições 34

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • A NOVA flor de abacate / Os dissidentes: Grupo Guignard - 1943 / 1942. Rio de Janeiro: Galeria de Arte Banerj, 1986. (Ciclo de exposições sobre arte no Rio de Janeiro).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • FROTA, Lélia Coelho. Alcides Rocha Miranda: caminho de um arquiteto. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1993. 232p. il p&b.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • NOBRE, Ana Luisa. Alcides Rocha Miranda, educador. Caramelo. São Paulo, n.10, p.128-137, 1998.
  • SANTOS, Luciene Ribeiro dos. Os professores de projeto da FAU-USP (1948-2018): esboços para a construção de um centro de memória. 478f. 2018. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, 2018. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16134/tde-18092018-163855/publico/MElucieneribeirodossantos_rev.pdf. Acesso em: 21 nov. 2020.
  • _______. Alcides Rocha Miranda. Documento. Arquitetura e Urbanismo. São Paulo, n.71, pp.69-76, abr./maio, 1997.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: