Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Bajado

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.04.2017
09.12.1912 Brasil / Pernambuco / Maraial
15.11.1996 Brasil / Pernambuco / Olinda
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

É Carnaval Vamos Brincar, 1972
Bajado
73,00 cm x 59,00 cm

Euclides Francisco Amâncio (Maraial, PE, 1912 - Olinda, PE, 1996). Pintor, desenhista e cartazista. Aos 13 anos, muda-se para Catende, Pernambuco, onde trabalha no cinema da cidade e cria histórias em quadrinho após assistir filmes sobre o velho oeste. Em 1930, mora um ano em Recife, produzindo cartazes e fachadas para diversas lojas. Dois anos ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Euclides Francisco Amâncio (Maraial, PE, 1912 - Olinda, PE, 1996). Pintor, desenhista e cartazista. Aos 13 anos, muda-se para Catende, Pernambuco, onde trabalha no cinema da cidade e cria histórias em quadrinho após assistir filmes sobre o velho oeste. Em 1930, mora um ano em Recife, produzindo cartazes e fachadas para diversas lojas. Dois anos mais tarde, emprega-se em uma gráfica como linotipista.

Muda-se para Olinda em 1933, trabalhando como cartazista até 1950 no Cine Olinda. Participa dos carnavais da cidade, fundando diversos blocos e criando bonecos e estandartes. Nos anos 1950, desenha com os cartunistas Péricles (1924-1961) e Félix de Albuquerque (1911-?) a personagem Amigo da Onça, cujas histórias são publicadas na revista O Cruzeiro. Em 1964, inaugura com outros artistas de Olinda o Movimento da Arte da Ribeira. Com recursos escassos para viver e sustentar a família, ganha do marchand e leiloeiro italiano Giuseppe Baccaro (1930) uma casa, em que passa a viver a partir de 1972.

Em 1975, os diretores Fernando Spencer (1927-2014) e Celso Marconi (1930) realizam o documentário Bajado – Um Artista de Olinda. Em 1980, é realizada a exposição 50 Anos de Bajado, sediada no Recife e, depois, em Olinda, onde, no mesmo ano, é inaugurada na Casa Bajado. Em 1985, Juliana Cuentro e José Ataíde lançam o livro Bajado Artista de Olinda. No mesmo ano é inaugurado o Cine Bajado na mesma cidade. Em 1994, é homenageado pela Unesco em exposição na França e expõe seus quadros em Portugal.

Análise

A obra de Bajado é referência da chamada arte popular brasileira. Figura importante para as gerações que o sucedem em Pernambuco, pinta temas da cultura de seu estado, como, por exemplo o Carnaval de Olinda. Os comentários sobre sua obra, no entanto, problematizam o rótulo de artista popular, sobretudo quando esta definição trata da arte que revela um olhar ingênuo de artista do povo.

Pintor e cartazista de estabelecimentos comerciais, Bajado pinta as festas de rua e a população frequentemente sobre borrachas, paralamas de carros e pedaços de PVC. Suas personagens ganham traços fortes, semelhantes aos das histórias em quadrinhos, que conferem às cenas tom irônico e gozador, o que faz de Bajado testemunha crítica da realidade, como observa o artista plástico João Câmara (1944).

Em boa parte de seus quadros, a perspectiva do pintor é a janela, de forma que o observador toma o lugar de quem assiste ao movimento da rua. Andando ou dançando, suas personagens têm pouca diversidade de cores, que costumam ser vibrantes como os cartazes de cinema e as propagandas políticas da época. A variedade de materiais, os elementos de cartazes publicitários e a rua movimentada como palco da maioria das cenas faz de sua obra união de diversas linguagens da arte do século XX. Para a socióloga Laura Buarque Gadelha, Bajado “sintetizou os princípios do que mundialmente se falava, que era a pop art”.1

Nota

1 PRADO, Graça. Bajado. Recife: Cepe, 1997. p.60.

Obras 2

Abrir módulo

Espetáculos 1

Abrir módulo

Exposições 16

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • Diário de Pernambuco. Recife, 08/05/1991. Não catalogado
  • Diário de Pernambuco. Recife, 10/07/1994. Não catalogado
  • Diário de Pernambuco. Recife, 11/12/1992. Não catalogado
  • Diário de Pernambuco. Recife, 27/01/1990. Não catalogado
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • PAÇO das Artes: 10 anos: 1970 - 1980. Texto de Lourdes Cedran. São Paulo: Paço das Artes, 1980, il. p&b color.
  • PAÇO das Artes: 10 anos: 1970 - 1980. Texto de Lourdes Cedran. São Paulo: Paço das Artes, 1980, il. p&b color. SPpa 1980
  • PERIGOS da fama: Bajado. Veja, São Paulo, p. 110. 23 mar. 1977. Não catalogado
  • PRADO, Graça. Bajado. Recife: Cepe, 1997.
  • TRADIÇÃO e ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1984. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: