Artigo da seção pessoas Pedro Xisto

Pedro Xisto

Artigo da seção pessoas
Literatura / artes visuais  
Data de nascimento dePedro Xisto: 06-08-1901 Local de nascimento: (Brasil / Pernambuco / Limoeiro) | Data de morte 17-07-1987 Local de morte: (Brasil / São Paulo / São Paulo)

Pedro Xisto Pereira de Carvalho (Limoeiro, Pernambuco, 1901– São Paulo, São Paulo, 1987). Poeta e ensaísta. Na infância, muda-se com a família para Recife. Formado em direito em 1922, transfere-se para São Paulo onde trabalha como procurador do Estado. Em 1949, começa a publicar seus primeiros haicais1 no Diário Nippak, veículo impresso da comunidade nipo-brasileira. Na década de 1950, entra em contato com a produção poética do grupo Noigandres, formado por Augusto de Campos (1931), Haroldo de Campos (1929-2003) e Décio Pignatari (1927-2012) e interessa-se pela poesia concreta. Em 1960, publica seu primeiro livro intitulado Haikais e Concretos, ganhador do Prêmio Pen Club, e integra o grupo dos poetas concretos com os quais contribui na página “Invenção”, publicada no Correio Paulistano. Sua obra 8 haikais, publicada no Japão em 1960, é musicada pelo compositor alemão Hans Joachim Koellreutter (1915-2005) para o 3º Festival Música Nova de 1964. Reside nos Estados Unidos e Canadá, onde são produzidos espetáculos multimídias baseados em seus poemas, como “Vogaláxias”, na Universidade de Buffalo, e “(B) ABEL”, na Universidade de Toronto. Publica, em parceria com Augusto e Haroldo de Campos, o estudo Guimarães Rosa em Três Dimensões (1970). No mesmo ano, transfere-se para o Japão onde se torna adido cultural da missão diplomática brasileira. Alguns de seus haicais são apresentados à Imperatriz e ao Imperador do Japão durante o Festival Poético do Ano Novo no Palácio Imperial em 1974. Seus principais poemas estão reunidos nas antologias As Águas Glaucas, concretos, e Lumes, haicais.

Análise

Desde os primeiros poemas, publicados no Diário Nippak em 1949, Pedro Xisto demonstra interesse pela cultura oriental. A dedicação do poeta ao haicai alinha-se às primeiras manifestações desta forma no Brasil, divulgada na década de 1940 por poetas como Guilherme de Almeida (1890-1969). Os haicais de Xisto, embora obedeçam aos preceitos da forma japonesa – com reconhecida perfeição formal –, refletem sentimentos, pontos-de-vista, ou percepções ocidentais, como a relação com a religião ou com o sagrado – “uma flor de ameixa / amei: cheira a beatitude / (nunca o fogo a mexa)”.

Na década de 1950, Pedro Xisto interessa-se também pela poesia concreta de tal modo que, em 1960, passa a integrar o grupo Invenção com os poetas Augusto de Campos, Haroldo de Campos, Décio Pignatari, Cassiano Ricardo (1895-1974), Edgar Braga (1897-1985), José Lino Grunewald (1931-2000), entre outros. No mesmo ano, Xisto publica seu primeiro livro com o sugestivo nome de Haikais e Concretos. Apesar das diferenças entre o haicai e o poema concreto, pode-se perceber ao menos uma característica que norteia os dois lados da obra de Pedro Xisto: a concisão verbal.

Da década de 1960 em diante, além da produção dos haicais, Xisto elabora uma poesia experimental que ultrapassa os preceitos da poesia concreta dos anos anteriores, criando uma forma própria, à qual dá o nome de logograma. O mais conhecido logograma chama-se “Zen”. Publicado em 1966, o poema é composto por figuras geométricas que imitam a fachada de um templo oriental e, ao mesmo tempo, formam as letras da palavra “zen” – aproximando harmonicamente os dois grandes interesses do poeta, a cultura japonesa e a experimentação visual.

 

Notas

1. O haicai é um tipo de poema de origem japonesa. Suas características são: versos de 5, 7 e 5 sílabas, temas relacionados à natureza no tempo presente.

Outras informações de Pedro Xisto:

  • Outros nomes
    • Pedro Xisto Pereira de Carvalho
  • Habilidades
    • Poeta
    • ensaísta
    • jornalista

Obras de Pedro Xisto: (1) obras disponíveis:

Exposições (6)

Artigo sobre Palavra Imágica

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioPalavra Imágica: 10-1987  |  Data de término | 11-1987
Resumo do artigo Palavra Imágica:

Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP)

Fontes de pesquisa (4)

  • DOLHNIKOFF, Luis. As águas opacas de Pedro Xisto. In: Portal Cronópios, 2007. Disponível em: http://www.cronopios.com.br/content.php?artigo=8710&portal=cronopios. Acesso em: 24 set. 2011.
  • FRANCHETTI, Paulo. Alguns aspectos da teoria da poesia concreta. Campinas: Ed. Unicamp, 1992.
  • MNEMOZINE – revista de literatura, Campo Grande, n. 2, julho de 2005. Disponível em: http://www.cronopios.com.br/mnemozine2/home.html. Acesso em: 24 set. 2011.
  • TOLEDO, Paulo de. A elegante ironia de Pedro Xisto. In: Portal Cronópios, 2008. Disponível em: http://cronopios.com.br/content.php?artigo=9574&portal=cronopios. Acesso em: 24 set. 2011.

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • PEDRO Xisto. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa22194/pedro-xisto>. Acesso em: 19 de Out. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7