Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Albert Richard Dietze

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.02.2016
1838 Alemanha
1906 Brasil / Espírito Santo / Santa Leopoldina

Vista Geral de Guaraparim, atual Guarapari, Espírito Santo, 1872
Albert Richard Dietze
Albúmen

Albert Richard Dietze (Kaja, Alemanha, 1838 - Santa Leopoldina, ES, 1906) Fotógrafo, agricultor e comerciante. Nos anos 1850, forma-se em agronomia. Chega ao Brasil em 1862, primeiro em Santa Catarina. Posteriormente, muda-se para o Rio de Janeiro, onde permanece até 1869. Trabalha durante 14 meses no Jardim Botânico. No início dos anos 1860, ab...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Albert Richard Dietze (Kaja, Alemanha, 1838 - Santa Leopoldina, ES, 1906) Fotógrafo, agricultor e comerciante. Nos anos 1850, forma-se em agronomia. Chega ao Brasil em 1862, primeiro em Santa Catarina. Posteriormente, muda-se para o Rio de Janeiro, onde permanece até 1869. Trabalha durante 14 meses no Jardim Botânico. No início dos anos 1860, abre a Photographia Allemã. Entre 1863 e 1869, viaja muito ao Espírito Santo como agente consular da Alemanha. Muito provavelmente, atua também como fotógrafo. Em 1869, fixa-se definitivamente nessa província, ainda mantendo o estúdio carioca. Em 1870, vai rapidamente à Europa. Trabalha com fotografia em diversas cidades do Espírito Santo, mudando seu estúdio para Vitória em 1873. Vende também fotografias estereoscópicas e faz espetáculos de projeção de imagens. Em 1876, muda-se para Santa Leopoldina, colônia onde mora sua esposa. Adquire um lote de terra e torna-se agricultor, mantendo contudo o ofício de fotógrafo. Em 1877, pede ajuda (sem êxito) ao governo imperial para a produção de álbuns fotográficos para promoção da imigração para o Brasil e da paisagem capixaba.

Na década de 1880, já não possui mais estúdio fotográfico, mas continua a produzir imagens para fins pessoais e comerciais. Nos anos 1880 e 1890, tem loja de importação de brinquedos e instrumentos musicais. Nesses anos, vende o Álbum Pitoresco da Província, contendo suas fotografias de paisagem. Em 1882, agencia produtos para a Exposição da Indústria de Berlim, onde participa com um álbum fotográfico, obtendo diploma de mérito. Em 1886 e 1889, agencia e participa das Exposições Provinciais, preparatórias para as exposições universais de Berlim (1886) e Paris (1889), das quais também participa. Em 1899, começa a produzir cartões-postais de cidades capixabas e de "tipos" humanos.

Comentário crítico
A fotografia é uma entre as várias atividades que Albert Dietze realiza desde a sua chegada ao Brasil, em 1862. Se no Rio de Janeiro, após um breve período de trabalho no Jardim Botânico, pode dedicar-se integralmente à fotografia em um mercado ativo, no Espírito Santo, lugar para onde se muda em 1869, o panorama é outro.

Nessa província, a falta de uma demanda interna constante faz com que Dietze percorra inicialmente diversas cidades oferecendo seus serviços. Anos depois, após casar-se e mudar para Santa Leopoldina (uma das recém-fundadas colônias de imigração da província), a fotografia torna-se comercialmente cada vez menos importante diante de suas outras ocupações: é agente consular da Alemanha para assuntos da imigração, comerciante e agricultor.

De todo modo, Dietze nunca interrompe a produção de fotografias e nunca deixa de se apresentar como fotógrafo. As imagens que produz tornam-se o conjunto iconográfico mais importante do Espírito Santo da segunda metade do século XIX, e estão de fato em acordo com as suas outras atividades. Enquanto imigrante e proprietário de terras, Dietze tem grande interesse na captação da paisagem, gênero no qual é muito mais sensível do que no retrato. Seu interesse, contudo, não é qualquer paisagem, mas a propriedade, a terra ocupada e modificada pelo colono, bem como os elementos que a integram: a plantação de café, a casa, a igreja, as pontes.

Obras 10

Abrir módulo

Exposições 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 13

Abrir módulo
  • BIBLIOTECA NACIONAL DIGITAL BRASIL: acervo digital. Disponível em: <http://bndigital.bn.gov.br/>. Acesso em: 5 jul. 2017.
  • KOSSOY, Boris. Dicionário histórico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício da fotografia no Brasil (1833-1910). São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2002.
  • KOSSOY, Boris. Origens e expansão da fotografia no Brasil: século XIX. Prefácio Boris Kossoy. Rio de Janeiro: Funarte, 1980. 128 p.
  • LAGO, Bia Corrêa do; LAGO, Pedro Corrêa do. Os fotógrafos do Império: a fotografia brasileira no século XIX. Tradução Lúcia Jahn. Rio de Janeiro: Capivara, 2005.
  • LOPES, Almerinda Silva. Alberto Richard Dietze: um artista-fotógrafo alemão no Brasil do século XIX. Vitória: Gráfica e Editoria A1.
  • LOPES, Almerinda Silva. Memória aprisionada: a visualidade fotográfica capixaba: 1850-1950. Vitória: Edufes, 2002.
  • MARÇAL, Joaquim (org.). A coleção do imperador: fotografia brasileira e estrangeira no século XIX. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1997. 71 p.
  • O ESTANDARTE, Cachoeiro do Itapemirim, Espírito Santo, 20 mar. 1870.
  • O ESTANDARTE, Cachoeiro do Itapemirim, Espírito Santo, 24 abr. 1870.
  • O ESTANDARTE, Cachoeiro do Itapemirim, Espírito Santo, 3 abr. 1870.
  • ROCHA LEVY. Viagem de D. Pedro II ao Espírito Santo. Rio de Janeiro: Continente: Brasília: INL/MEC, 1980.
  • TURAZZI, Maria Inez. Poses e trejeitos: a fotografia e as exposições na era do espetáculo: 1839/1889. Rio de Janeiro: Funarte. Rocco, 1995. 309 p. (Coleção Luz & Reflexão, 4).
  • VASQUEZ, Pedro Karp. Fotógrafos Alemães no Brasil do Século XIX: Deutsche Fotografen des 19. Jahrhunderts in Brasilien. São Paulo: Metalivros, 2000. 203 p., il. p&b.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: