Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Murilo Mendes

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.04.2021
13.05.1901 Brasil / Minas Gerais / Juiz de Fora
13.08.1975 Portugal / Distrito de Lisboa / Lisboa
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú<br> Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Poesias (1925-1955), 1959
Murilo Mendes

Murilo Monteiro Mendes (Juiz de Fora, Minas Gerais, 1901 - Lisboa, Portugal, 1975). Poeta, prosador e crítico de artes plásticas. Filho do funcionário público Onofre Mendes e da dona-de-casa Elisa Valentina Monteiro de Barros Mendes. Com a morte da mãe em 1902, o pai casa-se novamente com Maria José Monteiro, considerada pelo poeta sua segunda m...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Murilo Monteiro Mendes (Juiz de Fora, Minas Gerais, 1901 - Lisboa, Portugal, 1975). Poeta, prosador e crítico de artes plásticas. Filho do funcionário público Onofre Mendes e da dona-de-casa Elisa Valentina Monteiro de Barros Mendes. Com a morte da mãe em 1902, o pai casa-se novamente com Maria José Monteiro, considerada pelo poeta sua segunda mãe. Aos 16 anos foge do colégio para assistir, no Rio de Janeiro, à apresentação do bailarino e coreógrafo russo Vaslav Nijinski (1890-1950). Nessa mesma época, recusa-se a continuar os estudos. Após várias tentativas da família de fixá-lo num emprego, vai, com o irmão mais velho, para o Rio de Janeiro, em 1920. Entre 1924 e 1929, escreve para as primeiras publicações modernistas, como a Revista de Antropofagia, de São Paulo, e a Verde, de Cataguases, Minas Gerais. Com apoio financeiro do pai, edita, em 1930, o primeiro livro, Poemas, pelo qual recebe o Prêmio Graça Aranha. Após a morte do amigo pintor, filósofo e poeta Ismael Nery (1900-1934), converte-se ao catolicismo. Conhece, em 1940, e casa-se sete anos depois com a poeta Maria da Saudade Cortesão, filha do historiador e poeta português Jaime Cortesão (1884-1960), exilado no Brasil por se opor à ditadura de Antonio Oliveira Salazar (1889-1970). Ao fim de sua estada na Europa, entre 1952 e 1956, cumprindo missão cultural, fixa-se na Itália e leciona cultura brasileira na Universidade de Roma. Seu apartamento na via del Consolato 6, no centro da capital italiana, torna-se ponto de referência para escritores e artistas plásticos europeus, que o ajudam a formar um importante acervo de arte contemporânea, hoje pertencente ao Museu de Arte Murilo Mendes (MAMM), em Juiz de Fora, Minas Gerais. Em 1972, recebe o prêmio internacional de poesia Etna-Taormina, na Itália.

Comentário Crítico
A primeira poesia de Murilo Mendes revela sua dívida com os principais temas e procedimentos típicos do modernismo brasileiro dos anos 1920: o nacionalismo, o folclore, o coloquialismo, o humor, o poema-piada e a paródia. Fica, assim, evidente o diálogo com a poesia de Mário de Andrade (1893-1945) e a de Oswald de Andrade (1890-1954) nos três primeiros livros: Poemas, Bumba-Meu-Poeta e História do Brasil, este renegado e não incluído pelo poeta mineiro na edição de 1959, que reúne toda sua poesia publicada até então.

A partir de O Visionário, evidencia-se outra influência ainda mais decisiva para a poesia de Murilo Mendes: a do surrealismo. Desse movimento de vanguarda, o poeta incorpora sobretudo a técnica da montagem ou, como ele mesmo diz, da "acoplagem de elementos díspares". A liberdade com que ele funde, por meio dessa técnica, o imaginário e o cotidiano, o onírico e o intramundano, assim como o eterno e o contingente, leva Manuel Bandeira (1886-1968) a saudá-lo como o grande conciliador de contrários. O mesmo Bandeira, aliás, que ressalta a originalidade ingênita de Murilo Mendes, comparando-o a um bicho-da-seda, que tira tudo de si. O choque resultante da livre aproximação de elementos tão díspares da realidade e da imaginação responde pela impressão de fragmentação e estilhaçamento do verso, deliberadamente desarmônico e não-melódico. O anarcoerotismo dessa poesia pode também ser tomado como herança surrealista, como se vê na cosmologia representada pela figura hiperbólica de sua musa sensual: o mundo começava nos seios de Jandira.

A plasticidade e o predomínio da imagem sobre a mensagem são traços marcantes da poesia de Murilo Mendes, como nota João Cabral de Melo Neto (1920-1999) que atesta, assim, a influência exercida pelo primeiro sobre sua própria obra: "a poesia de Murilo me foi sempre mestra, pela plasticidade e a novidade da imagem. Sobretudo foi ela que me ensinou a dar precedência à imagem sobre a mensagem, ao plástico sobre o discursivo".

A influência das ideias do pintor e poeta Ismael Nery responde por outra faceta da poesia de Murilo Mendes, a essencialista, relacionada à busca de verdades transcendentes, metafísicas, que definem a natureza dos seres e das coisas independente do tempo e do lugar. Além da influência intelectual, a morte prematura de Nery leva Murilo a uma grave crise, responsável por sua conversão ao catolicismo. Publica, assim, Tempo e Eternidade, livro escrito em parceria com Jorge de Lima (1895-1953) sob o lema: Restauremos a poesia em Cristo. A poesia católica de Murilo Mendes, intimamente ligada à essencialista, é o contraponto universalista à preocupação com as particularidades nacionais de sua primeira poesia, modernista.

A conversão católica do poeta mineiro é característica dos anos 1930, que assiste, no Brasil, a uma renovação da literatura cristã, como se pode verificar nas obras de Vinicius de Moraes (1913-1980), Augusto Frederico Schmidt (1906-1965), Otávio de Faria (1908-1980), Lucio Cardoso (1913-1968) e Cornélio Pena (1896-1958). Para essa renovação, seguem de perto o exemplo de pensadores, poetas e escritores católicos franceses, que aliam a ortodoxia católica a formas modernas de pensamento e militância, levando, em alguns casos, à adoção de uma postura católica de esquerda. É nessa linha que se pode entender a adesão de Murilo Mendes à religião, não como forma de alheamento, mas de resposta à realidade de seu tempo.

Em livros como As Metamorfoses e Poesia Liberdade, são vários os poemas de franca vocação crítico-social, incluindo-se aí sua lírica de guerra. Como nota José Guilherme Merquior (1941-1991), sua poesia católica é uma poesia da esperança, mais do que da crença. O poeta extrai do cristianismo uma dupla concepção de poesia: a poesia como martírio, que busca dar testemunho do sofrimento do eu irmanado ao do mundo: "Mundo público / Eu te conservo pela poesia pessoal", diz num dos poemas do período. A segunda concepção é a de poesia como salvação, como agente messiânico e noiva da revolução: "Todos ajuntando-se formarão um dia uma coluna / altíssima tocante as nuvens / e decifrarão o enigma", afirma em outro poema. O poeta assume aí o papel do visionário que antevê o apocalipse e anuncia a redenção. O catolicismo, entretanto, não amaina o sensualismo e o ímpeto transfigurador do real, que se mantêm como traços distintivos da poesia muriliana. Exemplo disso é o conhecido poema de A Poesia em Pânico, em que ele personifica a Igreja como uma mulher, toda em curvas. Essa atitude desenvolta para com a religião chega mesmo a assumir uma dimensão irreverente, quando não francamente sacrílega, como nos seguintes versos de O Poeta Nocaute: "Intimaremos Deus / a não repetir a piada da Criação..."

Na lírica muriliana do pós-guerra até fins dos anos 1950, percebe-se a mesma tendência neoclássica que marca a poesia de outros grandes líricos modernos, como Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) e Jorge de Lima. É o caso de Sonetos Brancos, em que retoma a forma fixa, clássica por excelência, mas com a liberdade métrica e rítmica e a ousadia de imagens tipicamente modernas. Dentro do mesmo espírito do período, inscreve-se a austeridade da poesia meditativa, resultante da contemplação da arquitetura e da paisagem tanto mineira, em Contemplação de Ouro Preto, quanto europeia, em Siciliana e Tempo Espanhol. Não se pode esquecer que esses livros, assim como as obras seguintes, são produzidos pelo poeta já vivendo na Europa, sob impacto dos países que visita e em que vive.

Na produção literária de Murilo Mendes dos anos 1960 e 1970, é possível reconhecer outras facetas de sua extensa obra. O traço mais significativo da produção desse período é o abandono da poesia em favor da prosa, que mescla formas literárias distintas, como o diário, o retrato, o livro de viagens e as memórias. A face experimental desse período leva também à heterogeneidade de registros, que funde recordações pessoais, citações de obras, perfis de artistas, flagrantes de países e cidades, visível em Poliedro, Carta Geográfica, Espaço Espanhol e Retratos-Relâmpago, entre outros livros. Em termos estilísticos, destacam-se a obsessão pelo concreto, o rigor e o léxico reduzido, evidenciados por Haroldo de Campos (1929-2003). Como nota Augusto Massi, o poeta consegue, a essa altura de sua produção, atingir uma forma literária tão particular, que parte dos títulos dos poemas de Convergência, aparece plasmada a seu nome: Murilogramas. Por último, vale mencionar a tendência memorialística da obra de Murilo Mendes, representada por A Idade do Serrote. Trata-se de uma: autobiografia insólita, em que, segundo Antonio Candido (1918), o dado comum é visto como extraordinário; o extraordinário é visto como se fosse comum. A Idade do Serrote ocupa um lugar de destaque na literatura memorialística e autobiográfica brasileira, ao lado das obras no gênero, em prosa e verso, de outros de seus contemporâneos mineiros: Drummond e Pedro Nava (1903-1984).

Obras 3

Abrir módulo
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú<br> Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Espetáculos 2

Abrir módulo

Exposições 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • ANDRADE, Mário de. A poesia em 1930. In:_______. Aspectos da literatura brasileira. São Paulo: Martins, 1943.
  • ANDRADE, Mário de. A poesia em pânico. In: _____. O empalhador de passarinho. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2002. .(Coleção Obras de Mário de Andrade, vol. 21).
  • BANDEIRA, Manuel. Murilo Mendes. In: ______. Apresentação da poesia brasileira. Rio de Janeiro: CEB, 1954.
  • CAMPOS, Haroldo de. Murilo e mundo substantivo. In:_______. Metalinguagem. Rio de Janeiro: Vozes, 1967.
  • CANDIDO, Antonio. Poesia e ficção na autobiografia. In: _______. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1987.
  • LEITE, Sebastião U. Murilo Mendes. In: ______. Participação da palavra poética. Petrópolis: Vozes, 1966.
  • MASSI, Augusto. Murilo Mendes: a poética do poliedro. In: PIZARRO, A. (org.). América Latina: Palavra, Literatura e Cultura. São Paulo: Memorial; Campinas: Ed. Unicamp, 1995, v.3.
  • MERQUIOR, José Guilherme. A pulga parabólica. In:______. A astúcia da mímese: ensaios sobre lírica. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.
  • MERQUIOR, José Guilherme. Murilo Mendes ou a poética do visionário. In: _____. Razão do poema. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.
  • MERQUIOR, José Guilherme. Notas para uma muriloscopia. In: MENDES, Murilo. Poesia completa e prosa. Organização Luciana S. Picchio. Rio de Janeiro: Ed. Nova Aguilar, 1995.
  • MERQUIOR, José Guilherme. À beira do antiuniverso debruçado, ou introdução livre à poesia de Murilo Mendes. In: ______. O fantasma romântico e outros ensaios. Petrópolis: Vozes, 1980.
  • ÁVILA, Affonso. O poeta e a consciência crítica. Petrópolis: Vozes, 1969.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: