Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Lila Ripoll

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.04.2017
12.08.1905 Brasil / Rio Grande do Sul / Quaraí
07.02.1967 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre
Lila Ripoll (Quaraí RS 1905 - Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1967). Forma-se em Piano no Conservatório de Música, atual Instituto de Artes da UFRGS, em Porto Alegre. Na década de 1930 é diretora do Departamento Cultural do Sindicato dos Metalúrgicos, onde milita pelo Partido Comunista, além de integrante do gabinete do Secretário da Educação C...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Lila Ripoll (Quaraí RS 1905 - Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1967). Forma-se em Piano no Conservatório de Música, atual Instituto de Artes da UFRGS, em Porto Alegre. Na década de 1930 é diretora do Departamento Cultural do Sindicato dos Metalúrgicos, onde milita pelo Partido Comunista, além de integrante do gabinete do Secretário da Educação Coelho de Souza. Em 1938 ocorre a publicação de De Mãos Postas, seu primeiro livro de poesia. Entre 1945 e 1955 colabora na revista literária A Província de São Pedro e no jornal A Tribuna, órgão do PC. Faz parte como membro do comitê editorial da Revista Horizonte. Em 1950, é candidata a deputada estadual pelo Partido Comunista. Participa, em 1951, no grupo Partidários da Paz, vinculado ao Conselho Mundial da Paz, com Graciliano Ramos (1892 - 1953), Dyonélio Machado (1895 - 1985) e Laci Osório (1896-1959). Ainda em 1951, recebe o prêmio Pablo Neruda da Paz, pelo livro Novos Poemas, em Praga (Checoslováquia). É presa após o golpe militar de 1964, e libertada em seguida por motivo de doença. Sua obra poética inclui os livros Por quê? (1947), Primeiro de Maio (1954), O Coração Descoberto (1961) e Águas Móveis (1967), entre outros. A poesia de Lila Ripoll vincula-se à segunda geração do modernismo e é profundamente marcada pelo engajamento político. No entanto, segundo o crítico Cyro Martins, ela "soube preservar o seu lirismo, as suas cismas de poeta autêntico, mesmo quando seu estro serviu a motivos de civismo heróico como no longo poema 'Primeiro de Maio', em que chama pelos nomes os operários que caíram chacinados durante uma passeata dissolvida a bala".

Espetáculos 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BORDINI, Maria da Glória. Lila Ripoll. Porto Alegre: IEL, 1987.
  • CAMPOS, Arnaldo. Lila Ripoll: poesia e luta. Quintanares: Jornal da Associação dos Amigos da Casa de Cultura Mario Quintana, Porto Alegre, ano 1, n.4, 4 out. 1991. p.11
  • MARTINS, Cyro. Lila Ripoll: mil vidros partidos. In: ___. Rodeio: estampas e perfis. Porto Alegre: Movimento, 1976. p.106-117.
  • SCHULER, Donaldo. Evasionismo: a perda da transcendência: Lila Ripoll. In: ___. A poesia no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Mercado Aberto: IEL, 1987. p.223-229.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: