Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

José Lino Grunewald

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
13.02.1931 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
26.07.2000 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
José Lino Grünewald (Rio de Janeiro RJ 1931 - idem 2000). Poeta, tradutor, ensaísta e crítico de cinema. Forma-se em direito na Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, em 1953. Não segue a advocacia, mas trabalha como procurador da Superintendência Nacional da Marinha Mercante. Na segunda metade da década de ...

Texto

Abrir módulo

Biografia
José Lino Grünewald (Rio de Janeiro RJ 1931 - idem 2000). Poeta, tradutor, ensaísta e crítico de cinema. Forma-se em direito na Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, em 1953. Não segue a advocacia, mas trabalha como procurador da Superintendência Nacional da Marinha Mercante. Na segunda metade da década de 1950, integra o movimento de poesia concreta iniciado em 1952 pelos poetas Haroldo de Campos (1929 - 2003), Augusto de Campos (1931) e Décio Pignatari (1927), com a publicação da revista Noigandres. E passa a colaborar no Jornal do Brasil, em 1956, escrevendo para o Suplemento Dominical na página Poesia-Experiência, criado pelo crítico Mario Faustino (1930 - 1962), os seus primeiros poemas, além de artigos sobre cinema e literatura. Dois anos depois lança seu primeiro livro, Um e Dois, um conjunto de poemas concretos. A partir de 1960, junto com os poetas da Noigandres, ocupa a página semanal Invenção, do jornal Correio Paulistano, com poemas concretos e traduções de poetas estrangeiros que os influenciam, como o norte-americano Ezra Pound (1885 - 1972). Em 1962, torna-se editor político do jornal Correio da Manhã e tem seus poemas publicados no quinto e último número da revista Noigandres. Nesse ano, o grupo lança a revista Invenção, desdobramento da página publicada no Correio Paulistano nos anos anteriores. Grünewald segue escrevendo sobre cinema, arte e música popular, da qual se mostra grande conhecedor, em jornais como O Globo, Última Hora, Folha de S.Paulo e O Estado de S. Paulo e no próprio Correio da Manhã, em que permanece até 1970. Nessa seleção é possível perceber a influência que autores como os críticos de arte Walter Benjamin (1892 - 1940), Suzanne Langer (1895 - 1985) e o filósofo Maurice Merleau-Ponty (1908 - 1961) exercem na formação de sua crítica cinematográfica, embasada por conceitos filosóficos. No início da década de 1980, desiludido com o que se produz no cinema mundial, dedica-se à publicação de antologias de poesia brasileira, francesa e inglesa como Igitur, do francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), de 1984, e Os Cantos, de Ezra Pound, de 1986, que lhe rende o Prêmio Jabuti de tradução em 1987, ano em que reúne seus poemas, escritos de 1956 a 1985, na obra Escreviver. Morre no Rio de Janeiro, em 2000.

Exposições 3

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: