Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Fernando Paixão

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.06.2020
07.12.1955 Portugal / Beira Alta / Beselga
Fernando Augusto Magalhães Paixão (Beselga, Portugal 1955). Poeta, editor e ensaísta. Além da dedicação ao trabalho editorial, Fernando Paixão produz uma poesia reflexiva, seja sobre as ausências e memórias da terra natal até a própria língua portuguesa.

Texto

Abrir módulo

Fernando Augusto Magalhães Paixão (Beselga, Portugal 1955). Poeta, editor e ensaísta. Além da dedicação ao trabalho editorial, Fernando Paixão produz uma poesia reflexiva, seja sobre as ausências e memórias da terra natal até a própria língua portuguesa.

Muda-se com a família para o Brasil em 1961. Forma-se em jornalismo, em 1979, pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP) e passa a se dedicar a literatura, publicando seu livro de estreia, Rosa dos Tempos, em 1980 - renegado posteriormente pelo autor. Considera seu primeiro livro Fogo dos Rios, de 1989. No ano seguinte gradua-se mestre teoria e história literatura, também pela Universidade de São Paulo, com tese que se debruça na poética do escritor português Mario de Sá-Carneiro (1890-1916).

Em 1994, publica 25 Ajulezos e em 2001, Poeira, livro de poemas que resgatam elementos de sua terra natal e acontecimentos de sua biografia sem, no entanto, tentar recontruir sua vida na aldeia portuguesa de origem, mas mostrar sua perda na mudança para o Brasil e como essas vivências se tranformaram ao longo do tempo. Em Poeira, Fernando Paixão revisita não apenas sua origem, mas suas produções anteriores. Fernano Paixão transita também pela literatura infanto-juvenil ao publicar Poesia a gente inventa (1996).

Sua poesia é marcadamente lírica, apresentando imagens de conteúdo essencial, associadas com freqüência à natureza.

Sua origem traz ainda a influência de escritores como Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro, analisado em sua tese de mestrado, publicada em 2003, com o título Narciso em Sacríficio. Dois anos depois, publica A parte da Tarde.

Escreve artigos em jornais e revistas sobre temas relacionados à literatura e mercado editorial. Em 2004, defende doutorado sobre o gênero do poema em prosa, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e, no ano seguinte, é visiting writer [escritor visitante] da Universidade de Berkeley, Estados Unidos. Atua como editor, por mais de três décadas na Editora Ática, até 2007.

Volta a escrever para o público infanto juvenil com Dia Brinquedo (2009), ano em que torna-se professor da Universidade de São Paulo, vinculado ao Intituto de Estudos Brasileiros (IEB), além lecionar como professor visitante em universidades internacionais como University of California, Los Angeles (UCLA), em 2009 e 2019 e na Universidade de Lisboa, em 2014.

Em 2017, publica O manual do estilo desconfiado: em 25 lições, no qual Fernando Paixão analisa de forma bem humorada as possibilidades da língua e da escrita. Publica ainda os livros de ensaios Arte da pequena reflexão (2014) e Acontecimento da poesia (2019).

Com grande experiência no mercado editorial, Fernando Paixão não apenas escreve poesia como colabora para a análise da produção poética, seja através de suas análises acadêmicas da obra de seus contemporâneos, como na contribuição para períodos sobre a produção e publicação de obras brasileiras.

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: