Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Alex Viany

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.07.2021
04.11.1918 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
16.11.1992 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Almiro Viviani Fialho (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1918 - idem, 1992). Diretor, roteirista, crítico, jornalista, historiador. Cresce no bairro carioca Cascadura, subúrbio carioca. Aos 15 anos, sob o pseudônimo Alex Viany, escreve sobre cinema para o Diário da Noite, órgão dos Diários Associados. Em 1942, transfere-se para a revista O Cruzeir...

Texto

Abrir módulo

Almiro Viviani Fialho (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1918 - idem, 1992). Diretor, roteirista, crítico, jornalista, historiador. Cresce no bairro carioca Cascadura, subúrbio carioca. Aos 15 anos, sob o pseudônimo Alex Viany, escreve sobre cinema para o Diário da Noite, órgão dos Diários Associados. Em 1942, transfere-se para a revista O Cruzeiro e torna-se correspondente em Hollywood de 1945 a 1948. De volta ao Brasil, edita, com Vinícius de Moraes (1913-1980), a revista Filme, que não passa da segunda edição. Em 1948, funda o Círculo de Estudos Cinematográficos do Rio de Janeiro.

A partir de 1949, exerce a atividade de crítico cinematográfico em diversas publicações, como A Cena MudaJornal do Brasil e Correio da Manhã. Em 1950, faz assistência de direção no filme Aglaia, sob direção de Ruy Santos (1916-1989), que permanece inacabado. Contratado pela Companhia Cinematográfica Maristela, trabalha como roteirista em São Paulo.

Em 1951, ao lado de Nelson Pereira dos Santos (1928), funda a Associação Paulista de Cinema e envolve-se na formulação de teses e nas discussões apresentadas no 1Congresso Paulista do Cinema Brasileiro. Em 1952 e 1953, organiza respectivamente o 1 e 2 Congresso Nacional do Cinema Brasileiro. Essa atividade político-profissional coincide com a militância de Viany no Partido Comunista Brasileiro.

Estreia como diretor em 1953, no longa-metragem Agulha no Palheiro. Em 1954, dirige Rua sem Sol, que recebe o Prêmio Governador do Estado de São Paulo de melhor diretor, melhor ator para Carlos Alberto e melhor atriz para Glauce Rocha (1930-1971). Em 1955, dirige “Ana”, episódio do longa-metragem A Rosa dos Ventos (1954-1957), produzido pelo Partido Comunista da Alemanha Oriental, sob organização do cineasta holandês Joris Ivens (1898-1989).

O trabalho como historiador é marcado pela publicação do livro Introdução ao Cinema Brasileiro (1959). Durante a década de 1960, trabalha como editor na Civilização Brasileira, responsável pela coleção Biblioteca Básica de Cinema. Em 1963, dirige Sol sobre a Lama, rodado na Bahia e sob  influência do cinema novo. Realiza o último longa-metragem da carreira, apenas em 1978, com A Noiva da Cidade.

Dirige os curtas-metragens A Máquina e o Sonho (1974), Humberto Mauro: eu Coração Dou Bom (1979) e Maxixe, a Dança Perdida (1980). Falece aos 74 anos de idade, vítima de derrame cerebral.

Análise

A estética e o modo de produção industrial do cinema estadunidense são os grandes modelos de Alex Vany, desde o inicio da carreira. Durante sua estadia em Hollywood, descobre e começa a interessar-se pelo cinema brasileiro. O crítico afirma que é nos Estados Unidos que organiza as ideias, aprende a teoria e sai em defesa do cinema nacional. Desde seu primeiro filme, Agulha no Palheiro , a crítica reconhece em Viany um realizador com domínio da gramática cinematográfica. O filme, uma crônica sobre aspectos da vida carioca, de inspiração nitidamente neorrealista, também apresenta influências da chanchada, ao inserir cenas cômicas e apresentações musicais, reelaboradas com ponto de vista mais crítico e sociológico.

Na passagem do plano teórico para a prática cinematográfica, é possível perceber o esforço de Viany para aplicar em seus filmes as discussões sobre realidade brasileira dos congressos organizados na década de 1950. Essa questão encontra-se retratada em filmes de outros diretores que participaram desses debates, como Rio 40 Graus (1955) e Rio Zona Norte (1957), do diretor Nelson Pereira dos Santos, e O Grande Momento (1958), de Roberto Santos (1928-1987).

Rua sem Sol, um policial filmado à base de improvisação, sobre cenas inicialmente dirigidas por Mário del Río, destaca o talento de Viany para a direção de atores e revela o gênio dramático da atriz Glauce Rocha para o cinema. O filme conta com a criatividade do diretor para lidar com o baixo orçamento: na falta de dinheiro para o aluguel do estúdio, filma uma sequência de sombras projetadas na parede que substituem o tradicional flashback.  

Sol sobre a Lamaé produzido segundo as premissas estéticas e políticas do cinema novo. A luta de classes e o ponto de vista do povo regem a narrativa sobre a resistência dos trabalhadores da Feira de Água dos Meninos contra os interesses da elite de Salvador. A fotografia revela a preocupação de deixar a câmera mais móvel, mas problemas de produção refletem-se na montagem final, com a narrativa lenta em várias sequências.

A noiva da cidade – segundo Viany, sua realização mais pessoal – parte de argumento escrito por Humberto Mauro (1897-1983) em 1947 e nunca filmado por ele. No longa-metragem, uma declarada homenagem ao cineasta de Cataguases, Viany apropria-se de cenas e imagens originalmente concebidas por Mauro, com menções a filmes como A Velha a Fiar (1964). Incorpora, também, ao personagem Beto frases costumeiramente ditas pelo cineasta. A película apropria-se do universo maureano, absorvendo o clima de ingenuidade em contraponto ao poder das personagens femininas: em uma das principais cenas, uma mulher é possuída pelo vento.

O crítico Luís Alberto Rocha Melo afirma que, em seu último filme, Maxixe, a Dança Perdida, Alex Viany preserva a espontaneidade do documentário que não se limita a linguagens únicas e nem se fixa em esquematismos na composição das cenas. Elas apresentam uma delicadeza ímpar, que contrasta com o rigor de sua pesquisa, valor que marca toda a obra do cineasta.    

Na produção histórica, o livro Introdução ao Cinema Brasileiro é o primeiro trabalho de fôlego sobre a trajetória da produção nacional. Na visão do crítico Charles F. Altman, a obra recompõe a primeira fase da historiografia sobre cinema no país, marcada pela busca por estabelecer os fatos. Para o pesquisador Arthur Autran, com essa publicação, Viany assume importância decisiva como formador intelectual para a geração do cinema novo.

Obras 2

Abrir módulo

Exposições 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • AUTRAN, Arthur. Alex Viany: crítico e historiador. São Paulo: Perspectiva, 2003.
  • AUTRAN, Arthur. Alex e a Introdução ao cinema brasileiro. Cinemais, Rio de Janeiro, n. 26, p. 161-203, nov.-dez. 2000.
  • LIMA, Antonio; PEREIRA, José Haroldo. Alex Viany. Filme Cultura, [s.l.], n. 32, p. 20-38, fev. 1979.
  • MELO, Luís Alberto Rocha. Maxixe, cinema cultural. Cine Imaginário, Rio de Janeiro, v. 5, n. 50, p. 5, fev. 1990.
  • SHON, Cláudia Moretz; SANTO, Jorge Espírito. Alex Viany. Cine Imaginário, Rio de Janeiro, v.1, n.9, p.6-7, ago. 1986.
  • VIANY, Alex. Introdução ao cinema brasileiro. Rio de Janeiro: MEC: Instituto Nacional do Livro, 1959.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: