Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Moysés Baumstein

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.08.2018
13.06.1931 Brasil / São Paulo / São Paulo
04.12.1991 Brasil / São Paulo / São Paulo
Registro fotográfico Sérgio Guerini/Itaú Cultural

O Arco-íris no Ar Curvo
Julio Plaza, Moysés Baumstein
Holografia
Acervo Instituto Itaú Cultural (São Paulo, SP)

Moysés Baumstein (São Paulo, São Paulo, 1931 – idem, 1991). Artista visual, videomaker, escritor, editor, economista, sociólogo e dramaturgo. Graduado em economia e pós-graduado em sociologia, frequenta no início da década de 1960 a Escola de Arte Dramática da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (EAD/ECA/USP). Inicia sua ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Moysés Baumstein (São Paulo, São Paulo, 1931 – idem, 1991). Artista visual, videomaker, escritor, editor, economista, sociólogo e dramaturgo. Graduado em economia e pós-graduado em sociologia, frequenta no início da década de 1960 a Escola de Arte Dramática da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (EAD/ECA/USP). Inicia sua carreira artística em 1957, quando estuda com o pintor catalão Joan Ponç (1927-1984). Três anos mais tarde, em 1960, fundam juntos o grupo L'Espai [O Espaço]. Em 1966, realiza a sua primeira exposição individual de pinturas, desenhos e gravuras na Galeria Seta, em São Paulo, e participa de duas exposições: o 15° Salão Paulista de Artes Plásticas e a 1ª Bienal da Bahia. Um ano mais tarde, em 1967, estreia na 9ª Bienal Internacional de São Paulo. Funda, juntamente com Jacó Guinsburg (1921), a editora Perspectiva, mas permanece por apenas dois anos. Logo depois, cria a Símbolo S/A Indústrias Gráficas, que se torna um espaço de pesquisa sobre a imagem.

Na década de 1970, Baumstein estreita sua relação com o cinema ao realizar diversos filmes em Super-8, trabalho pelo qual se torna reconhecido dentro e fora do Brasil ao receber prêmios no Super Festival Nacional do Filme Super-8 (Grife); International Super8 Film Festival, em Toronto, Canadá; e no Festival da Unión de Cineastas de Paso Reducido (Uncipar), em Buenos Aires, Argentina. Em 1976, lança o livro de contos de humor e ficção científica As Máquinas, pela sua própria editora.

Na década de 1980, dedica-se às artes visuais. Cria a produtora cinematográfica VIDECOM, produzindo diversos trabalhos institucionais, além de continuar sua produção experimental. No final de 1982, fascinado com o estudo de imagens em três dimensões, de forma autodidata e com equipamentos improvisados inicia vasta pesquisa sobre estereoscopia e holografia. Em 1983, realiza workshop com o artista e hológrafo alemão Dieter Jung (1941), passando a aprimorar sua técnica.

Sua primeira exposição de holografias ocorre em 1983, no Museu da Imagem e do Som (MIS), em São Paulo. Participa então das exposições Arte - Novos Meios/Multimeios Brasil 70/80, na Faculdade Armando Alvares Penteado (Faap), São Paulo, em 1985; 18ª Bienal Internacional de São Paulo (1985); Brasil High Tech, no Centro Empresarial do Rio de Janeiro (1986); e de diversas mostras coletivas de holografia na Alemanha, na Suíça e no Canadá. Forma um grupo com os artistas Augusto de Campos (1931), Décio Pignatari (1927-2012), José Wagner Garcia (1956) e Julio Plaza (1938-2003). Com eles, participa dos eventos holográficos Triluz, no MIS/SP, em 1986, e Idehologia, no Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP), no ano seguinte.

Um ano após sua morte, em 1992, é homenageado pela 9a edição do Festival VideoBrasil/ Sesc, com uma exposição de hologramas e uma mostra de seu trabalho em Super-8.

Análise

A pluralidade dos interesses de Baumstein faz-se notória nas áreas de seu percurso acadêmico: estuda economia, matemática e física, realiza pós-graduação em sociologia e dramaturgia. O arco de sua atuação, a partir dos anos 1960, tem início com as artes visuais. Teve gravuras, pinturas e desenhos expostos em diversas exposições.

Seu interesse no campo literário e na dramaturgia expande-se para além de roteiros e peças teledramáticas para TV quando participa da fundação  da editora Perspectiva, especializada na publicação de estudos sobre teatro. Seu projeto gráfico modernista ainda é utilizado nas capas da coleção Debates, que apresentam um fundo branco com economia de traços geométricos e o uso de apenas duas cores.

O grande talento de Baumstein consiste em aliar sua verve empreendedora com seus interesses, a exemplo de seu aprofundamento em pesquisas gráficas no final dos anos 1960, quando dirige uma indústria gráfica. Nesse período, desenvolve métodos de fotografia e impressão em 3D (anáglifos com óculos e película plástica), ao mesmo tempo em que organiza um projeto editorial voltado à publicação de autores nacionais. Dessa forma, As Máquinas, seu livro publicado nos anos 1970, é emblemático para a compreensão do genuíno interesse pelos aspectos da ciência e tecnologia ligados à subjetividade humana, no qual, fazendo prevalecer o espírito non-sense e absurdo, revela um humor sagaz e satírico.

Com premiados trabalhos experimentais em sua prolífica produção em Super-8, seus curtíssimas-metragens evidenciam o humor recorrente de sua produção, com temas banais utilizados para provocar os padrões sociais existentes e os conceitos pré-estabelecidos. Sob tal abordagem crítica, são exemplares O Asno Coroado (1977) e Ginástica Latina (1980), animação em que dois bonecos fazem ginástica, mas comportam-se mal.

Ao fundar, na década de 1980, o primeiro videoclube brasileiro especializado em filmes de arte, oferece subsídios para a pesquisa sobre o cinema, evidenciando uma importante contribuição para o fomento da área. É nesse contexto que funda a VIDECOM, produtora cinematográfica na qual dá prosseguimento a sua produção audiovisual roteirizando, produzindo e dirigindo além de trabalhos comerciais, vídeos experimentais para festivais.

Ao examinar a trajetória de Baumstein, é no campo da holografia que sua atuação se torna mais abrangente. Inventada em 1948 pelo cientista húngaro Dennis Gabor (1900-1979), pode-se entender a holografia como uma técnica correlata ao cinema, pois trata-se de um método de registro de imagens em três dimensões que utiliza o fenômeno da interferência luminosa, aproveitando uma altíssima resolução com a vantagem de não necessitar de óculos especiais, lentes ou 
acessórios para visualização, o que amplia suas possibilidade de aplicação. Desta maneira, Baumstein propõe uma abordagem técnica/poética para o uso do material como um desenvolvimento natural a partir de seu interesse cinético.

Ao desenvolver novos sistemas de controle cromático para os hologramas de reflexão, cria um parâmetro inédito para a técnica no mundo todo. Sua empresa Holobrás passa a ser referência de inovação, realizando uma produção comercial holográfica em massa, utilizando como suporte o poliéster metalizado.

Baumstein também desenvolveu pesquisas na área do cinema holográfico, numa parceria com o arquiteto paulistano José Wagner Garcia. Juntos constróem um protótipo de um kinetoscópio holográfico – uma máquina similar às do início do cinema, em que eram colocadas placas holográficas com imagens em sequência, visualizadas através de um sistema sincronizado de luz estroboscópica acoplado a lentes plásticas de grandes dimensões. O resultado torna possível a visualização da animação destes "frames tridimensionais" no espaço.

A obra Voyeur, realizada em 1987, mostra com espírito cômico as possibilidades da holografia exploradas por Baumstein: em uma fechadura projetada, uma caverna com caveiras é visualizada pelo espectador que, ao se aproximar – ato necessário para a visualização do holograma na placa holográfica – a imagem desaparece numa poeira de luz, deixando o espectador/voyeur preso à fechadura.

A partir de 1985, Baumstein alia-se aos escritores Augusto de Campos e Décio Pignatari, ao artista espanhol Julio Plaza e a José Wagner Garcia para desenvolver uma sintaxe holográfica na arte. E, em uma bem-sucedida colaboração com Campos, faz uso da holografia para criar os chamados poemas-objetos, oferecendo à qualidade gráfica da poesia uma dimensão espacial com o uso de novas tecnologias, permitindo novas experiências estéticas ao libertar-se dos suportes tradicionais. O Poema Bomba (1983-1997) consiste nas palavras “poema” e “bomba” amplificadas num giro centrífugo, como se explodissem. Esse trabalho foi adquirido pelo Centre d’Art Contemporain de Basse Normandie, na França, em 2002. No entanto, se o resultado estético-subjetivo desses hologramas é sobrepujado pela qualidade técnica e impacto visual, é este mesmo aspecto que irá fundar as premissas para a pesquisa das gerações posteriores, pois seu laboratório, em atividade até 2007, foi doado para o setor de ótica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 16

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: