Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Corrêa Lima

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
17.07.1878 Brasil / Rio de Janeiro / São João Marcos
26.08.1974 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução Fotográfica César Barreto

Monumento ao Almirante Barroso
Corrêa Lima
Bronze patinado

José Otávio Corrêa Lima (São João Marcos RJ 1878 - Rio de Janeiro RJ 1974). Escultor, professor. Inicia sua formação entre 1892 e 1898, freqüentando como aluno livre as aulas de Belmiro de Almeida (1858 - 1935), Modesto Brocos (1852 - 1936), Zeferino da Costa (1840 - 1915) e Rodolfo Bernardelli (1852 - 1931), na Escola Nacional de Belas Artes - ...

Texto

Abrir módulo

Biografia
José Otávio Corrêa Lima (São João Marcos RJ 1878 - Rio de Janeiro RJ 1974). Escultor, professor. Inicia sua formação entre 1892 e 1898, freqüentando como aluno livre as aulas de Belmiro de Almeida (1858 - 1935), Modesto Brocos (1852 - 1936), Zeferino da Costa (1840 - 1915) e Rodolfo Bernardelli (1852 - 1931), na Escola Nacional de Belas Artes - Enba. Em 1888, participa da Exposição Geral de Belas Artes. No ano seguinte, é contemplado com o prêmio de viagem ao exterior, pela obra O Remorso. De 1899 a 1902, permanece em Roma, onde se dedica ao estudo da estatuária. Monta um ateliê e mantém sessões de modelo-vivo, das quais participam artistas italianos. Em 1907, de volta ao Brasil, classifica-se em primeiro lugar no concurso do Ministério da Justiça para a execução do monumento ao almirante Barroso, hoje localizado na praça Paris, no Rio de Janeiro. Entre 1910 e 1930, ministra aulas de escultura na Enba e atua como membro do Conselho Superior de Belas Artes. Em 1930, é nomeado presidente de honra da Sociedade Brasileira de Belas Artes do Rio de Janeiro, cargo que ocupa até 1974. Nesse período, torna-se membro da Academia Fluminense de Letras e professor emérito da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro - EBA/UFRJ. 

Comentário Crítico
Com base em um legado neoclássico, divulgado no Brasil pela Missão Artística Francesa, as esculturas de Corrêa Lima buscam equilíbrio, proporção e clareza nas formas e correção nos detalhes. Os contornos são trabalhados de maneira a alcançar a harmonia na completude do conjunto. Em sua produção, a temática alegórica é recorrente, como no conjunto escultórico Da Inteligência e do Estudo, instalado na entrada da Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro.

As obras Pagé e O Prisioneiro, de bronze, e Caim, de gesso, apresentadas na 8ª Exposição Geral de Belas Artes, em 1901, marcam o reconhecimento do artista diante da crítica de arte do período. Como analisa o crítico de arte Gonzaga Duque (1863 - 1911), Pagé é a figura de um caboclo feiticeiro que, pelo realismo, "se diria apanhado em flagrante pela objectiva das Kodaks". O Prisioneiro, personagem indígena presente na obra poética de Gonçalves Dias (1823 - 1864), é esculpido como um "Apollo taurino, de músculos rígidos e proporções admiráveis". E em Caim, posteriormente passada para bronze, "não há movimento físico, o que nele ressalta é o fisionômico, as expressões faciais".

Mater Dolorosa, apresentada na 9ª Exposição Geral de Belas Artes, 1902, marca o amadurecimento artístico de Corrêa Lima. A figura da mãe, debruçada sobre o corpo do filho morto, apresenta pequenas inovações nos cânones clássicos, como a atitude curvada da cabeça da mulher, que rompe com a forma piramidal dos modelos acadêmicos. A composição linear do grupo, no entanto, ainda mantém a suavidade nas formas, as proporções harmoniosas e a referência de beleza greco-romana, como a da  deusa mitológica Vênus.

Em sua trajetória, Corrêa Lima mantém-se fiel a uma escultura pautada por princípios conservadores, evitando iniciativas renovadoras.

Obras 3

Abrir módulo
Reprodução Fotográfica César Barreto

Eterna Luta

Bronze
Reprodução Fotográfica César Barreto

Visionária

Mármore

Exposições 20

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • ACQUARONE, Francisco. História das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Americana, 1980.
  • COSTA, Angyone. A inquietação das abelhas. Rio de Janeiro: Pimenta de Mello, 1927. p. 207-213.
  • DEL NEGRO, Carlos. Um escultor fluminense: Corrêa Lima. Rio de Janeiro: Serviço Industrial Gráfico - UFRJ, s.d.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DUQUE, Gonzaga. Contemporâneos: pintores e esculptores. Rio de Janeiro: Tipografia Benedicto de Souza, 1929. 255 p. p.69-76.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • MORALES DE LOS RIOS FILHO, Adolfo. Subsídios para a história da escultura, gravura e desenho do Rio de Janeiro: 1889-1930. Rio de Janeiro: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, s.d.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: