Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Marianne Peretti

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.09.2021
1927 França / Ile de France / Paris
Marie Anne Antoinette Hélène Peretti (Paris, França, 1927). Vitralista, escultora e ilustradora. Ingressa, aos 15 anos, na École Nationale Superieure des Arts Décoratifs (Ensad), França, onde estuda desenho e pintura. Depois, realiza cursos livres na Académie de la Grande Chaumière. Em 1952, apresenta exposição individual, com desenhos e guaches...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Marie Anne Antoinette Hélène Peretti (Paris, França, 1927). Vitralista, escultora e ilustradora. Ingressa, aos 15 anos, na École Nationale Superieure des Arts Décoratifs (Ensad), França, onde estuda desenho e pintura. Depois, realiza cursos livres na Académie de la Grande Chaumière. Em 1952, apresenta exposição individual, com desenhos e guaches, na Galerie Mirador, Paris. No Brasil desde 1953, participa da 5ª Bienal de São Paulo (1959) e é premiada na 8ª Bienal (1965) pela capa do livro As Palavras (1964), do filósofo francês Jean-Paul Sartre (1905-1980). Em 1965, conhece a arquiteta Janete Costa (1932-2008), que a incentiva a trabalhar com o vidro, matéria até então desconsiderada pela artista. Em 1971, conhece o arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012) com quem inicia longa parceria. São mais de 20 trabalhos com o arquiteto, dentre eles, a elaboração do painel de vidro do Palácio do Jaburu, a reforma da Catedral Metropolitana de Brasília, na qual Marianne projeta os vitrais que recobrem a Sé, o painel na fachada do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e o vitral no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, todos em Brasília. Marianne também executa esculturas e vitrais em residências e instituições privadas, principalmente em Recife, onde reside entre as décadas de 1960 e 1980. Seus trabalhos encontram-se no Ceará, Alagoas, Rio de Janeiro, Itália e França. Com os vitrais, a artista confronta os preceitos da arquitetura modernista do século XX que zelam pela autonomia estética dos meios construtivos. Segundo tais preceitos, a integração de esculturas, pinturas ou murais com as obras arquitetônicas não tem resultados convincentes. Marianne prova que matéria-prima inovadora, formas e cores podem conviver em harmonia. 

Exposições 13

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • AQUINO, Yara. Brasília recebe exposição de Marianne Peretti, criadora dos vitrais da Catedral. EBC. Agência Brasil, Brasília, 03 abr. 2016. Disponível em: < http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2016-04/brasilia-recebe-exposicao-de-marianne-peretti-criadora-dos-vitrais-da >. Acesso em: 03 out. 2016.
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 5., 1959, São Paulo, SP. Catálogo geral. São Paulo: MAM, 1959.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • KLINTOWITZ, Jacob et al. Marianne Peretti: a ousadia da invenção. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2015.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: