Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Marcos Flaksman

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.09.2021
20.05.1944 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Registro fotográfico autoria desconhecida

Marcos Flaksman
Marcos Flaksman
Acervo Cedoc/FUNARTE

Marcos Flaksman (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1944). Cenógrafo, ator, figurinista. Destacado arquiteto cênico e cenógrafo carioca, presente em grandes espetáculos desde a década de 60.

Texto

Abrir módulo

Biografia

Marcos Flaksman (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1944). Cenógrafo, ator, figurinista. Destacado arquiteto cênico e cenógrafo carioca, presente em grandes espetáculos desde a década de 60.

Formado em arquitetura em 1966 pela Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, viaja à França para estudar cenografia e arquitetura cênica nos dois anos seguintes. Com essa formação, Marcos segue a vereda pioneiramente aberta pelo paulista Flávio Império (1935-1985), integrando nossa primeira geração de arquitetos-cenógrafos. Nos primeiros trabalhos, liga-se aos diretores Tite de Lemos (1942-1989) em A Tempestade, 1964, Paulo Afonso Grisolli (1934-2004) em Mortos sem Sepultura, 1964, e Luiz Carlos Maciel (1938) em O Labirinto, 1965, jovens e inquietos artistas que promovem uma renovação de idéias no Rio de Janeiro. Ainda em 1965, leva o Prêmio Molière de melhor cenografia com A Vida Impressa em Dólar, de Clifford Odetts (1906-1963), direção de Paulo Afonso Grisolli.

Volta a chamar atenção com O Sr. Puntilla e Seu Criado Matti, de Bertolt Brecht (1898-1956), encenada por Flávio Rangel em 1966, na qual as soluções arquitetônicas de linhas retas desenham a cena com geométrica precisão. Em 1967, cenografa a primeira montagem carioca do texto de estréia de Plínio Marcos (1935-1999)Dois Perdidos Numa Noite Suja, com direção de Fauzi Arap (1938-2013).

Para a montagem de Fernando Peixoto (1937-2012) de O Poder Negro, de LeRoi Jones (1934), em 1968, contrói um vagão de metrô sobre o palco giratório do Teatro Oficina, obtendo grande rendimento no envolvimento do público. Também em 1968, leva novamente o Molière (1622-1673) como melhor cenógrafo, com Hipólito, de Eurípides, encenação de Tite de Lemos.

No ano seguinte, cria com sugestivo impacto o desolado interior de uma agência bancária, ambiente onde se dá O Assalto, texto de José Vicente (1945-2007) dirigido por Fauzi Arap, com produção do Teatro Ipanema. Em 1970, solta sua imaginação no espetáculo Alice no País Divino-Maravilhoso, montagem tropicalista cheia de verve que Paulo Afonso Grisolli adapta do original de Lewis Carrol.

Cenografa Seria Cômico...Se Não Fosse Sério, de Dürrenmatt, para a encenação de Celso Nunes (1941), em 1973, alcançando com precisão os climas cênicos da austera sala de estar do general, solicitada pelo original; bem como o pomposo e vaudevillesco salão onde transcorre O Amante de Madame Vidal, de Louis Verneuill, um grande momento de Fernanda Montenegro (1929). Emprega uma visualidade rústica e fornece a ambientação adequada à encenação ríspida e soturna de Celso Nunes para Coriolano, de William Shakespeare (1564-1616), 1974.

Dois outros bons momentos da sua criatividade manifestam-se em Equus, de Peter Shaffer, direção também de Celso Nunes, 1976, para a qual emprega apenas um grande praticável circular e uns poucos objetos cênicos, facilitando com essa limpeza visual o alcance imaginário do drama; e, num formato oposto, o abarrotado mas desolado interior de um teatro semi-abandonado, onde transcorre a ação de Pano de Boca, de Fauzi Arap, em sensível montagem de Antônio Pedro (1940), que lhe rende o Prêmio Molière em 1975. 

Dois cenários de base arquitetônica complexa e grandes movimentos de maquinaria foram construídos em 1975: para Absurda Pessoa, de Alan Ayckbourn, encenada por Renato Borghi (1937), três cozinhas se apóiam num palco giratório, permitindo, em cada ato, o uso de uma delas; e a neoclássica e austera sala principal de uma propriedade rural norte-americana onde transcorre a ação de A Mais Sólida Mansão, texto de Eugene O'Neill (1888-1953) que exige bem marcados recortes de ambiente, espetáculo dirigido por Fernando Torres (1927-2008)

Um interior miserável é desenhado por Flaksman para Trivial Simples, agudo drama de Nelson Xavier (1941), em 1976; e uma sala classe média um pouco cafona, para a deliciosa comédia de Millôr Fernandes (1923-2012), É..., ponte para o talento de Fernanda Montenegro, em 1977.

Faz sua estréia como diretor em 1978, com Nó Cego, drama alegórico de autoria e interpretação de Carlos Vereza (1939), no qual sua soturna cenografia quase medieval rende bem mais que sua condução de cena.

A ambientação para Rasga Coração, de Oduvaldo Vianna Filho (1936-1974), em 1980, mostra-se grandiosa, grandes praticáveis interligados por escadas que permitem as múltiplas passagens entre os tempos e espaços requeridos pela ação.

A partir da década de 80, Marcos passa a dedicar-se com afinco à arquitetura de edifícios cênicos, sejam teatros ou auditórios, alcançando resultados expressivos e contribuindo para dotar o país de melhores condições técnicas nas casas de espetáculos. Para o Serviço Social do Comércio, Sesc, desenvolve muitos projetos de teatros, em diversos Estados do país. Em São Paulo, cria projetos para a casa de shows Palace e empreende grande reforma das salas de cinema do Cine Belas Artes. No Rio de Janeiro, o Teatro Maison de France é restaurado em 1991 sob sua supervisão. Em 1992, é o responsável pelo projeto cenotécnico da sala azul do Itaú Cultural. Em 1993 constrói dois amplos teatros para o Centro de Comunicação Anhembi.

No cinema, participa de diversas produções nacionais e internacionais como diretor de arte, com destaque para os filmes Moon Over Parador (Luar sobre Parador), de Paul Mazursky; Os Sete Gatinhos, de Neville D'Almeida; O Que É Isso Companheiro?, de Bruno Barreto (1955); Villa-Lobos, uma vida de paixão, de Zelito Viana (1938); e O Xangô de Baker Street, de Miguel Faria.

Ao fazer um balanço das atividades e estética de Flaksman no teatro, o crítico Yan Michalski (1932-1990) conclui: "A sólida visão arquitetônica é decisiva na definição do estilo cenográfico pessoal de Marcos Flaksman. Suas ambientações tendem a jogar com amplos espaços vazios, composições geométricas e formas retilíneas. Depois de mergulhar fundo na vanguarda dos anos 60/70, evoluiu para linha mais clean e elegante; e, em alguns casos, para uma certa monumentalidade. Em muitos dos seus espetáculos foi também o figurinista; mas é sobretudo como cenógrafo que marcou o teatro brasileiro das últimas três décadas"1.

Nota

1 MICHALSKI, Yan. Marcos Flaksman. In: ______. Pequena enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro, 1989. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 67

Abrir módulo

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • ALBUQUERQUE, Johana. Celso Nunes. In: ______. Enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. São Paulo, 2000. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação Vitae. Ficha curricular.
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994
  • AS TRÊS Irmãs. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1972]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • MICHALSKI, Yan. Marcos Flaksman. In: ______. Pequena enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro, 1989. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq.
  • O Baile. [Rio de Janeiro]: Companhia do Gesto, [1993]. Programa do Espetáculo. Não catalogado
  • Orfeu. Disponível em: http://www.showbras.com.br/orfeu Acessado em: 22/08/2012. Não Catalogado
  • PODER Negro. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1968]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • Programa do Espetáculo - Absurda Pessoa - 1975. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - Classe Média Televisão Quebrada - 1978. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Equus - 1975. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - O Homem Inesperado - 2008. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Rasga Coração - 1980. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - É... - 1977. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo- Ensina-me A Viver - 1981. Não catalogado
  • SERIA cômico se não fosse sério. Sâo Paulo, 1976-1977. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Sesc Anchieta.
  • SERIA cômico se não fosse sério. Sâo Paulo, 1976-1977. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Sesc Anchieta. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: