Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Bia Medeiros

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 15.01.2020
1955 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Maria Beatriz Medeiros (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1955). Artista plástica, performer, pesquisadora e professora. Gradua-se em educação artística na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ). Durante o fim dos anos 1970 e começo dos 1980, vive na França onde faz o mestrado em estética e o doutorado em artes na Sorbonne. Em...

Texto

Abrir módulo

Maria Beatriz Medeiros (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1955). Artista plástica, performer, pesquisadora e professora. Gradua-se em educação artística na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ). Durante o fim dos anos 1970 e começo dos 1980, vive na França onde faz o mestrado em estética e o doutorado em artes na Sorbonne. Em Paris, leciona no ADAC Galerie Atelier, de 1984 a 1988. Retorna ao Brasil e torna-se professora do Instituto de Artes da Universidade de Brasília (UnB), onde desenvolve atividades que dão origem ao Coletivo Corpos Informáticos, 

Pesquisa a convergência arte e tecnologia, no campo da telemática, sendo uma das pioneiras brasileiras em teleperformance. O grupo Corpos Informáticos, com o passar dos anos, adquire identidade artística própria, tornando-se um coletivo, independente da Universidade de Brasília. Volta-se, principalmente, para performances, ou seja, ações ao vivo. 

O grupo decide investir no uso de objetos obsoletos (low-tech – baixa tecnologia) e na tradução antropofágica de termos-conceito como performance, intervenção urbana, efêmero etc. Adota postura favorável à abordagem brasileira das questões relacionadas ao binômio arte e tecnologia. Desse empenho, emerge a ressignificação de  termos como “fuleragem”, C.U. (composição urbana), “mixuruca” e outros. A artista atua na defesa desses termos em eventos acadêmicos, o que provoca situações de estranhamento.

Em 2001, faz o pós-doutorado em filosofia no Collège de Philosophie de Paris e, entre 2003 e 2005, preside a Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (Anpap). Publica livros dedicados às relações entre arte e tecnologia e à performance. Dentre eles, Corpos Informáticos. Arte, Corpo, Tecnologia (2006), Corpos Informáticos: Arte, Cidade, Composição (2009) e Corpos informáticos – Performance, Corpo, Política (2009/2011). Este último em parceria com Fernando de Aquino. Com Mariana Monteiro e Roberta Matsumoto produz os volumes Espaço e Performance e Tempo e Performance (2007), coletâneas de textos que atualizam a bibliografia sobre o tema no Brasil.

Dentre os momentos de atuação com o Corpos Informáticos destacam-se a participação do grupo no Circuito Centro da Terra de Artes Cênicas (2002), com patrocínio da Petrobrás e curadoria de Renato Cohen (1956-2003) e Ricardo Karman (1957) e a sala na 5ª Bienal do Mercosul (2005). Em 2009, recebe o Prêmio Artes Cênicas na Rua, da Fundação Nacional de Artes (Funarte).

Ainda com o Corpos Informáticos produz, a partir de 2010, eventos relacionados com o edital Cultura e Pensamento (Ministério da Cultura) com ações como o Festival Performance: corpo, política e tecnologia. Participam em eventos e congressos, além de intervenções urbanas, como na rampa do Palácio do Planalto em Brasília. 

Em 2011, ganha o edital de ocupação da Funarte de São Paulo, onde apresenta o trabalho e com carcaças de carros, principalmente kombis. 

Análise

Na coletânea de textos do filósofo francês Bernard Stigler (1952), traduzidos por Bia Medeiros, pode-se perceber uma crítica ao “tempo real”. Tempo esse que nos é trazido pelo vídeo e que resulta no voyeurismo dos programas de televisão que acompanham o cotidiano de celebridades.

O coletivo Corpos Informáticos trabalha com esse mesmo tempo do vídeo na teleperformance. Atua em  canais abertos simultâneos, muitas vezes com o software I Visit , permitindo que outros usos, como o exibicionismo e a pornografia, disputem a atenção do espectador. 

Tais procedimentos determinam a ambiguidade semântica do trabalho de Bia Medeiros. A confusão entre criança e adulto, falso e verdadeiro, brincadeira e compromisso, crítica social e chacota caracteriza as performances das “unhas defeitas”, na alegoria do enterrar de dejetos da indústria da informática e de veículos de desmanche inteiros, na distribuição de “chococristos”, nos jogos de amarelinha, pula-corda, bambolê e corridas s com velhas enceradeiras. 

Desses limites fazem parte as formulações como “fuleragem” e “mixuruca”. Os termos seguem a lógica inaugurada por Hélio Oiticica (1937-1980), no uso de deslocar palavras que, pertencendo a um vocabulário fora do circuito oficial de arte, desafiam-no pela simples menção. Por exemplo, o termo “maria-sem-vergonha”, que designa o conceito de rizoma, segundo a filosofia dos franceses Gilles Deleuze (1925-1995) e Félix Guattari (1930-1992), acaba desdobrando-se em dois outros: o “ia-sem-ver”, espécie de defesa da ação que usa todos os sentidos e a “margonha”, palavra construída com os restos do trocadilho anterior. 

Sempre na tônica palavra e conceito, os textos de Bia Medeiros insistem nas ideias de traição, mentira, e trapaça. O próprio termo “fuleragem” é a síntese disso. Critica as etiquetas oficiais, revelando as contradições sob as aparências da legitimidade da arte convencional.

Espetáculos 5

Abrir módulo

Exposições 20

Abrir módulo

Festivais 1

Abrir módulo

Mostras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo
  • AQUINO, Fernando ; MEDEIROS, Maria Beatriz de (Orgs.). Corpos informáticos: performance, corpo, política. Brasília: Programa de Pós-Graduação em Arte da Universidade de Brasília, 2011. Acompanha 1 DVD.
  • CORPOS informáticos. Disponível em: http://corpos.blogspot.com.br/. Acesso em: 15 out. 2019
  • MEDEIROS, Maria Beatriz de; AQUINO, Fernando ; AZAMBUJA, Diego. Corpos informáticos. Arte, cidade, composição. 1. ed. Brasília: Programa de Pós-Graduação em Arte da Universidade de Brasília (PPG-Arte-UnB), 2009.
  • MEDEIROS, Maria Beatriz de; MONTEIRO, Marianna F. M. (Orgs.). Espaço e performance. Brasília: Universidade de Brasília, 2007.
  • MEDEIROS, Maria Beatriz de; MONTEIRO, Marianna F. M.; MATSUMOTO, Roberta K. (Orgs.). Tempo e performance. Apresentação Marianna Francisca Martins Monteiro. Brasília: Universidade de Brasília, 2007.
  • MEDEIROS, Maria Beatriz de; STIEGLER, Bernard. Bernard Stiegler. Reflexões (não) contemporâneas. Tradução e organização. Chapecó: Argos, 2007.
  • PERFORMANCE Corpo Política. Disponível em: http://www.performancecorpopolitica.net/. Acesso em: 13 mar. 2013
  • Planilha enviada pela pesquisadora Julia Alves Carvalhal. Não Catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: