Artigo da seção pessoas Bia Medeiros

Bia Medeiros

Artigo da seção pessoas
Artes visuais / teatro  
Data de nascimento deBia Medeiros: 1955 Local de nascimento: (Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro)

Maria Beatriz Medeiros (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1955). Artista plástica, performer, pesquisadora e professora. Gradua-se em educação artística na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ). Durante o fim dos anos 1970 e começo dos 1980, vive na França onde faz o mestrado em estética e o doutorado em artes na Sorbonne. Em Paris, leciona no ADAC Galerie Atelier, de 1984 a 1988. Retorna ao Brasil e torna-se professora do Instituto de Artes da Universidade de Brasília (UnB), onde desenvolve atividades que dão origem ao Coletivo Corpos Informáticos, 

Pesquisa a convergência arte e tecnologia, no campo da telemática, sendo uma das pioneiras brasileiras em teleperformance. O grupo Corpos Informáticos, com o passar dos anos, adquire identidade artística própria, tornando-se um coletivo, independente da Universidade de Brasília. Volta-se, principalmente, para performances, ou seja, ações ao vivo. 

O grupo decide investir no uso de objetos obsoletos (low-tech – baixa tecnologia) e na tradução antropofágica de termos-conceito como performance, intervenção urbana, efêmero etc. Adota postura favorável à abordagem brasileira das questões relacionadas ao binômio arte e tecnologia. Desse empenho, emerge a ressignificação de  termos como “fuleragem”, C.U. (composição urbana), “mixuruca” e outros. A artista atua na defesa desses termos em eventos acadêmicos, o que provoca situações de estranhamento.

Em 2001, faz o pós-doutorado em filosofia no Collège de Philosophie de Paris e, entre 2003 e 2005, preside a Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (Anpap). Publica livros dedicados às relações entre arte e tecnologia e à performance. Dentre eles, Corpos Informáticos. Arte, Corpo, Tecnologia (2006), Corpos Informáticos: Arte, Cidade, Composição (2009) e Corpos informáticos – Performance, Corpo, Política (2009/2011). Este último em parceria com Fernando de Aquino. Com Mariana Monteiro e Roberta Matsumoto produz os volumes Espaço e Performance e Tempo e Performance (2007), coletâneas de textos que atualizam a bibliografia sobre o tema no Brasil.

Dentre os momentos de atuação com o Corpos Informáticos destacam-se a participação do grupo no Circuito Centro da Terra de Artes Cênicas (2002), com patrocínio da Petrobrás e curadoria de Renato Cohen (1956-2003) e Ricardo Karman (1957) e a sala na 5ª Bienal do Mercosul (2005). Em 2009, recebe o Prêmio Artes Cênicas na Rua, da Fundação Nacional de Artes (Funarte).

Ainda com o Corpos Informáticos produz, a partir de 2010, eventos relacionados com o edital Cultura e Pensamento (Ministério da Cultura) com ações como o Festival Performance: corpo, política e tecnologia. Participam em eventos e congressos, além de intervenções urbanas, como na rampa do Palácio do Planalto em Brasília. 

Em 2011, ganha o edital de ocupação da Funarte de São Paulo, onde apresenta o trabalho e com carcaças de carros, principalmente kombis. 

Análise

Na coletânea de textos do filósofo francês Bernard Stigler (1952), traduzidos por Bia Medeiros, pode-se perceber uma crítica ao “tempo real”. Tempo esse que nos é trazido pelo vídeo e que resulta no voyeurismo dos programas de televisão que acompanham o cotidiano de celebridades.

O coletivo Corpos Informáticos trabalha com esse mesmo tempo do vídeo na teleperformance. Atua em  canais abertos simultâneos, muitas vezes com o software I Visit , permitindo que outros usos, como o exibicionismo e a pornografia, disputem a atenção do espectador. 

Tais procedimentos determinam a ambiguidade semântica do trabalho de Bia Medeiros. A confusão entre criança e adulto, falso e verdadeiro, brincadeira e compromisso, crítica social e chacota caracteriza as performances das “unhas defeitas”, na alegoria do enterrar de dejetos da indústria da informática e de veículos de desmanche inteiros, na distribuição de “chococristos”, nos jogos de amarelinha, pula-corda, bambolê e corridas s com velhas enceradeiras. 

Desses limites fazem parte as formulações como “fuleragem” e “mixuruca”. Os termos seguem a lógica inaugurada por Hélio Oiticica (1937-1980), no uso de deslocar palavras que, pertencendo a um vocabulário fora do circuito oficial de arte, desafiam-no pela simples menção. Por exemplo, o termo “maria-sem-vergonha”, que designa o conceito de rizoma, segundo a filosofia dos franceses Gilles Deleuze (1925-1995) e Félix Guattari (1930-1992), acaba desdobrando-se em dois outros: o “ia-sem-ver”, espécie de defesa da ação que usa todos os sentidos e a “margonha”, palavra construída com os restos do trocadilho anterior. 

Sempre na tônica palavra e conceito, os textos de Bia Medeiros insistem nas ideias de traição, mentira, e trapaça. O próprio termo “fuleragem” é a síntese disso. Critica as etiquetas oficiais, revelando as contradições sob as aparências da legitimidade da arte convencional.

Outras informações de Bia Medeiros:

  • Outros nomes
    • Maria Beatriz de Medeiros
  • Habilidades
    • Fotógrafo de cena
    • Artista plástico
    • Pesquisador
    • Artes Plásticas
    • Professor universitário

Espetáculos (5)

Artigo sobre O Olho da Fechadura

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Teatro  
Data de inícioO Olho da Fechadura: 1994
Resumo do artigo O Olho da Fechadura:

Universidade de Brasília. Instituto de Artes. Centro de Documentação Acervo e Divulgação (DF)

Artigo sobre O Olho da Fechadura

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Teatro  
Data de inícioO Olho da Fechadura: 1994
Resumo do artigo O Olho da Fechadura:

Universidade de Brasília. Instituto de Artes. Centro de Documentação Acervo e Divulgação (DF)

Exposições (19)

Artigo sobre Imagética

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioImagética : 25-10-2003  |  Data de término | 18-01-2004
Resumo do artigo Imagética :

Cinemateca de Curitiba

Eventos relacionados (1)

Fontes de pesquisa (8)

  • AQUINO, Fernando ; MEDEIROS, Maria Beatriz de (Orgs.). Corpos informáticos: performance, corpo, política. Brasília: Programa de Pós-Graduação em Arte da Universidade de Brasília, 2011. Acompanha 1 DVD.
  • CORPOS informáticos. Disponível em: http://corpos.blogspot.com.br/. Acesso em: 15 out. 2019
  • MEDEIROS, Maria Beatriz de; AQUINO, Fernando ; AZAMBUJA, Diego. Corpos informáticos. Arte, cidade, composição. 1. ed. Brasília: Programa de Pós-Graduação em Arte da Universidade de Brasília (PPG-Arte-UnB), 2009. 
  • MEDEIROS, Maria Beatriz de; MONTEIRO, Marianna F. M. (Orgs.). Espaço e performance. Brasília: Universidade de Brasília, 2007. 
  • MEDEIROS, Maria Beatriz de; MONTEIRO, Marianna F. M.; MATSUMOTO, Roberta K. (Orgs.). Tempo e performance. Apresentação Marianna Francisca Martins Monteiro. Brasília: Universidade de Brasília, 2007. 
  • MEDEIROS, Maria Beatriz de; STIEGLER, Bernard. Bernard Stiegler. Reflexões (não) contemporâneas. Tradução e organização. Chapecó: Argos, 2007
  • PERFORMANCE Corpo Política. Disponível em: http://www.performancecorpopolitica.net/. Acesso em: 13 mar. 2013
  • Planilha enviada pela pesquisadora Julia Alves Carvalhal Não Catalogado

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • BIA Medeiros. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa216689/bia-medeiros>. Acesso em: 30 de Out. 2020. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7