Artigo da seção pessoas Mestre Guarany

Mestre Guarany

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deMestre Guarany: 02-04-1884 Local de nascimento: (Brasil / Bahia / Santa Maria da Vitória) | Data de morte 04-05-1985 Local de morte: (Brasil / Bahia / Santa Maria da Vitória)

Biografia
Francisco Biquiba dy Lafuente Guarany (Santa Maria da Vitória, BA, 1884 - Santa Maria da Vitória, BA, 1985). Escultor, marceneiro e carpinteiro. Filho do construtor de barcas Cornélio Biquiba dy Lafuente (1844-1898), recebe do pai o apelido Guarany devido a sua bisavó índia. Com 14 anos, inicia na marcenaria. Constrói madeiramentos de telhados, barris e móveis. Também trabalha com o imaginário, fazendo santos, altares e oratórios domésticos.

Em 1901, realiza sua primeira carranca para a barca Tamandaré. Desde então, elabora carrancas encomendadas pelos comerciantes da Bacia do Corrente. Após ficar dois anos com a família na cidade de Bauru (São Paulo), volta em 1922 para Santa Maria da Vitória e passa a ser conhecido e respeitado como carranqueiro. Até meados de 1940, produz cerca de 80 carrancas encomendadas para as barcas que navegam no Rio São Francisco. Com o fim do ciclo das barcas de remeiros, Guarany para de receber encomendas.

No fim da década de 1940, é descoberto pela imprensa e pela crítica de arte. Em 1947, o jornalista Theóphilo de Andrade escreve o artigo “Carrancas de Proa do São Francisco” na revista O Cruzeiro, publicado junto com imagens do fotógrafo francês Marcel Gautherot (1910-1996). Em 1954, o escultor volta a fazer carrancas sob encomenda para colecionadores. No mesmo ano, algumas delas são exibidas em Salvador, na exposição organizada por Vasconcelos Maia, e no pavilhão de arte popular do Parque Ibirapuera, que sedia os festejos do 4° Centenário de São Paulo. O médico e crítico de arte Clarival do Prado Valladares (1918-1983) dedica às suas carrancas o capítulo “Duendes do São Francisco”, em seu livro Paisagem Redeviva, publicado em 1958.

Dois anos mais tarde, seu trabalho faz parte da exposição A Mão do Povo Brasileiro, organizada pela arquiteta Lina Bo Bardi (1914-1992), no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp). As carrancas também ilustram capas dos livros do romancista Osório Alves de Castro (1898-1978), em 1961, e do jornalista Carlos Lacerda (1914-1977), em 1964. Em 1963, o escultor passa a batizar e assinar suas carrancas como “F. Guarany” e recebe, em 1968, o diploma de membro correspondente da Academia Brasileira de Belas Artes.

Em 1972, Guarany ministra palestra sobre as carrancas e o Rio São Francisco na faculdade de Economia da Universidade de São Paulo (USP). Dois anos mais tarde, o engenheiro Paulo Pardal publica seu livro Carrancas do São Francisco, com biografia e comentários sobre a obra de Guarany. Uma exposição homônima é realizada no Masp em 1975. Em 1977, recebe convite para participar da Exposição Internacional de Arte e Cultura Negra, realizada na Nigéria pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Após sua morte, as carrancas são expostas no Museu Flutuante, em Paris, e na Mostra do Redescobrimento, na Bienal de São Paulo, em 2000. Em 2010, o neto de Guarany, Junior Guarany, e o carranqueiro Reinaldo Moreira criam a oficina Francisco dy Lafuente Guarany.

Comentário crítico
Considerado o maior carranqueiro do Brasil, Guarany tem uma trajetória marcada pela peculiaridade cultural e geográfica da região do médio São Francisco e pela descoberta de suas carrancas por parte da crítica de arte na segunda metade do século XX.

continuar a leitura do texto Continuar a leitura do texto...

Outras informações de Mestre Guarany:

  • Outros nomes
    • Francisco Biquiba dy Lafuente Guarany
    • Mestre Biquiba Guarany
    • Francisco Biquiba dy Lafuente
    • F. Biquiba Guarany
  • Habilidades
    • escultor

Exposições (12)

Artigo sobre Espelho Selvagem: arte moderna no Brasil da primeira metade do século XX, Coleção Nemirovsky (2002 : São Paulo, SP)

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de inícioEspelho Selvagem: arte moderna no Brasil da primeira metade do século XX, Coleção Nemirovsky (2002 : São Paulo, SP): 23-03-2002  |  Data de término | 16-06-2002
Resumo do artigo Espelho Selvagem: arte moderna no Brasil da primeira metade do século XX, Coleção Nemirovsky (2002 : São Paulo, SP):

Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP)

Fontes de pesquisa (10)

  • ANDRADE, Carlos D. Amar se aprende amando. São Paulo: Círculo do Livro, 1987.
  • COELHO, Lélia F. Arte do povo. Disponível em: http://www.museucasadopontal.com.br/sites/default/files/artigos/pdf/Artigo%202%20Lelia%20Coelho%20Frota.pdf. Acesso em: 31 ago. 2013.
  • GONÇALVES, Vauline. Dragões do velho Chico. Revista Conterrâneos, n. 28, jan.-fev. 2011. Disponível em: http://2.bp.blogspot.com/-g2ZoSi05DgM/TnZsKGQkgOI/AAAAAAAAAqM/Jr4-y_Lrxnw/s1600/capa.jpg. Acesso em: 31 ago. 2013.
  • PARDAL, P. Carrancas do São Francisco. Rio de Janeiro: Serviço Geral da Marinha, 1974.
  • PARDAL, P.; VALLADARES, C. Guarany: 80 anos de carrancas. Rio de Janeiro: Berlendis e Vertecchia, 1981.
  • VALLADARES, C. Duendes do São Francisco. In: Paisagem rediviva. Salvador: Imprensa Oficial da Bahia, 1962.
  • VALLADARES, C. São Francisco, de carrancas transfiguradas. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 2 dez. 1972.
  • DRÄNGER, Carlos (coord.). Pop Brasil: arte popular e o popular na arte. Curadoria Paulo Klein; tradução João Moris, Beatriz Karan Guimarães, Maurício Nogueira Silva; texto Paulo Klein, Jean Boghici, Ladi Biezus et al. São Paulo: CCBB, 2002. 130 p.  SPccbb 2002/pb
  • COELHO, Lélia F. Pequeno dicionário da arte do povo brasileiro: século XX. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2005
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte Popular. Curadoria Emanoel Araújo, Frederico Pernambucano de Mello; tradução Grant Ellis, Izabel Murat Burbridge, John Norman, Paulo Henriques Britto. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000. 745.50981 M9161a

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • MESTRE Guarany. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa216535/mestre-guarany>. Acesso em: 21 de Set. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7