Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Valério Vieira

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.05.2022
16.11.1862 Brasil / Rio de Janeiro / Angra dos Reis
26.07.1941 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Retrato do Jovem Valério Vieira, 27.04.1882
Albumina
Acervo Museu Paulista / USP

Lilia Katri Moritz Schwarcz (São Paulo, São Paulo, 1957), historiadora, antropóloga, professora, escritora, editora e curadora. Nome reconhecido no campo das ciências sociais no Brasil, seu trabalho, publicado em dezenas de obras, se destaca pelo aprofundamento em temas pertinentes à formação social brasileira, sobretudo em face às questões raci...

Texto

Abrir módulo

Lilia Katri Moritz Schwarcz (São Paulo, São Paulo, 1957), historiadora, antropóloga, professora, escritora, editora e curadora. Nome reconhecido no campo das ciências sociais no Brasil, seu trabalho, publicado em dezenas de obras, se destaca pelo aprofundamento em temas pertinentes à formação social brasileira, sobretudo em face às questões raciais e suas conexões com a historiografia nacional.

De origem franco-italiana, nasce na cidade de São Paulo em fins da década de 1950 após as famílias materna e paterna migrarem para o Brasil na primeira metade do século XX. A origem judaica de ambas as famílias é, em grande parte, a motivação para que deixem o continente europeu ainda antes da deflagração da Segunda Guerra Mundial. Em 1976 ingressa no curso de história, na Universidade de São Paulo (USP), quando descobre o interesse pela temática da escravidão e se aproxima da pesquisa historiográfica sobre o tema. Posteriormente, este assunto se torna um de seus principais focos de pesquisa e publicações. Incentivada pelo amigo e antropólogo Carlos Rodrigues Brandão (1940) e com desejo de conhecer outras áreas das ciências humanas, em 1981 ingressa no mestrado em antropologia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) finalizado com a dissertação A imprensa paulistana em finais do século XIX, em 1986. 

Inicia a carreira como professora universitária na Unicamp em 1986, mesmo ano em que cria a editora Companhia das Letras em parceria com seu marido, o escritor e editor Luiz Schwarcz (1956). No ano seguinte  entra para doutorado também na Antropologia, mas desta vez na USP, e torna-se doutora em 1993, com o trabalho Homens de sciencia e a raça dos homens: cientistas, instituições e teorias raciais no Brasil de finais do século XIX. Conciliando o exercício da docência com o ofício como editora, publica no mesmo ano o seu primeiro livro Retrato em Branco e Negro: Jornais, Escravos e Cidadãos em São Paulo no Fim do Século XIX. Nos anos seguintes, passa a integrar o quadro docente da USP e é convidada como professora visitante em diversas universidades estrangeiras como a Universidade de Leiden, na Holanda; Oxford, no Reino Unido; e Brown e Columbia, nos Estados Unidos. Com a carreira docente consolidada, torna-se professora visitante permanente na Universidade de Princeton, em 2015.

O percurso acadêmico fundado no encontro entre a história e a antropologia confere a Lilia Schwarcz um olhar acurado sobre os eventos históricos e culturais do Brasil, sem perder de vista a complexidade das relações sociais e humanas que ali se estabelecem. Além disso, sua capacidade de produzir pesquisas e análises em linguagem acessível possibilita a construção de uma vasta e premiada bibliografia que transita entre áreas distintas do conhecimento como história, ciênciassociais, artes, literatura. Autora de mais de uma dezena de livros, ganha o Prêmio Jabuti em 1999 na categoria livro do ano de não-ficção com As Barbas do Imperador: D. Pedro II, um Monarca nos Trópicos (1998), obra que mescla texto biográfico, vasta iconografia do século XIX e análise ensaística sobre a personagem real - e mítica - do imperador Dom Pedro II. Uma década depois, volta a ser premiada com Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país (2009), livro que compila textos de diferentes autores, artistas e intelectuais sobre o pensamento social brasileiro construído durante as últimas décadas do século XIX e as primeiras do século XX. Organizado em coautoria com o sociólogo André Botelho, recebe o prêmio Jabuti na categoria ciências sociais no ano de 2010.

Por seu interesse e intensa aproximação com as artes visuais, iniciada pela publicação da biografia do pintor francês Nicolas-Antoine Taunay (1755-1830), se estabelece também como pesquisadora no campo das Artes, com exposições organizadas no Museu de Belas Artes e na Pinacoteca do Estado de São Paulo (_Pina), e com publicações como Pérola imperfeita – A história e as histórias na obra de Adriana Varejão (2014). Convidada pelo Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), integra a equipe curatorial do museu como curadora adjunta para histórias e narrativas sendo uma das responsáveis pelas exposições Histórias da Infância (2016), Histórias da Sexualidade (2017), Histórias Afro-Atlânticas (2018).

No movimento de aprofundar sua pesquisa acadêmica sobre o tema da escravidão e da liberdade no Brasil, e tornar disponível para o público brasileiro o vasto conhecimento produzido sobre e pelos intelectuais negros e negras do país, organiza e publica em coautoria com o historiador Flávio dos Santos Gomes o Dicionário de escravidão e liberdade (2018). O livro reúne cinquenta textos sobre a história social da escravidão escritos por pensadores, professores e pesquisadores dedicados aos estudos sobre esse importante campo da historiografia brasileira. Em 2021, em coautoria com Flávio dos Santos Gomes e o artista plástico Jaime Lauriano (1985) publica a Enciclopédia Negra: biografias afro-brasileiras, obra que apresenta biografias de mais de quinhentas pessoas negras que, em seu tempo, espaço e área de atuação, foram também responsáveis e protagonistas pela formação do Brasil.

Com uma trajetória definida pela versatilidade de pensamento e profícua produção intelectual, Lilia Schwarcz evidencia com seu trabalho a importância de possibilitar que a história do Brasil seja verdadeiramente conhecida por sua população a partir de um olhar crítico e aprofundado sobre as complexas relações sociais que definem o país.

Obras 8

Abrir módulo

Exposições 13

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 14

Abrir módulo
  • ADES, Dawn. Photomontage. London: Thames and Hudson, 1986. 176 p., il. p&b.
  • BALADY, Sônia Umburanas. Valério Vieira: um dos pioneiros da experimentação fotográfica no Brasil. 2012. 197f. Dissertação (Mestrado - Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.
  • BREUILLE, Jean-Phillippe (concepcion). Dictionaire de la Photo. Paris: Larousse, 1996. 766 p., il. p&b.
  • FABRIS, Annateresa (org.). Fotografia: usos e funções no século XIX. São Paulo: Edusp, 1991. (Coleção texto & arte, 3).
  • FERRAZ, Solange. O circuito social da fotografia: estudo de caso II. In: FABRIS, Annateresa (org.). Fotografia: usos e funções no século XIX. São Paulo: Edusp, 1998.
  • FREYRE, Gilberto; PONCE DE LEON, Fernando; VASQUEZ, Pedro Karp. O retrato brasileiro: fotografias da Coleção Francisco Rodrigues, 1840-1920. Rio de Janeiro: Funarte. Fundação Joaquim Nabuco, 1983.
  • JÚNIOR, Rubens Fernandes. "Fotografia no Brasil e Modernidade". In: SCHWARTZ, Jorge (org.). Da Antropofagia a Brasília: Brasil 1920-1950. São Paulo: Fundação Armando Álvares Penteado e Cosac & Naify Edições, 2002. 638 p., il. p&b, color.
  • KOSSOY, Boris. Dicionário histórico-fotográfico brasileiro: fotógrafos e ofício da fotografia no Brasil (1833-1910). São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2002.
  • KOSSOY, Boris. Origens e expansão da fotografia no Brasil: século XIX. Prefácio Boris Kossoy. Rio de Janeiro: Funarte, 1980. 128 p.
  • MEMÓRIA Paulistana: exposição. São Paulo: MIS, 1975.
  • MENDES, Ricardo. "'O Valério cumprimenta-vos': persona e invenção na virada do século." 2006. www.fotoplus.com.
  • MENDES, Ricardo. "Fotografia e Modernismo: um breve ensaio sobre idéias fora do lugar." 25/08/1996. www.fotoplus.com.
  • MENDES, Ricardo. O Valério cumprimenta-vos: persona e invenção na virada do século. 2006, Fotoplus. Disponível em: http://www.fotoplus.com/download/20060500-Valerio%20Vieira-MIS%20SP.pdf. Acesso em: 3 maio 2022.
  • MOURA, Carlos Eugênio Marcondes de; LEMOS, Carlos A. C. ; AMARAL, Aracy A; BERNARDET, Jean-Claude (orgs.). Retratos quase inocentes. São Paulo: Nobel, 1983.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: