Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Nhô Caboclo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 18.01.2021
1910 Brasil / Pernambuco / Águas Belas
1976 Brasil / Pernambuco / Recife
Manuel Fontoura (Água Belas, Pernambuco, 191? – Recife, Pernambuco, 1976). Escultor. Explorador de matérias-primas como a madeira, o metal e as folhas de flandres, imprime em suas obras os sentidos de luta, guerra e escravidão, principais temas de sua produção artística.

Texto

Abrir módulo

Manuel Fontoura (Água Belas, Pernambuco, 191? – Recife, Pernambuco, 1976). Escultor. Explorador de matérias-primas como a madeira, o metal e as folhas de flandres, imprime em suas obras os sentidos de luta, guerra e escravidão, principais temas de sua produção artística.

Representante da arte popular com extensa produção, tem trabalho experimental tanto na forma quanto nos materiais utilizados, explorando diferentes matérias-primas. Suas obras trazem temáticas como a escravidão e suas lutas e a valorização do trabalho de artesãos e da arte popular no país.

Pouco se sabe sobre a infância e adolescência de Nhô Caboclo. É provável que tenha nascido na aldeia indígena Fulni-ô, no município de Águas Belas, zona agreste de Pernambuco. Descendente direto de índios, define-se como um caboclinho, sem acrescentar maiores detalhes. “Não conheci ninguém, nasci só”, diz. Criado no campo, próximo à cidade de Garanhuns, esculpe desde pequeno, dando forma ao barro e explorando materiais inusitados, como a barba-de-bode e a mandioca linheira. Exerce diferentes ofícios, como carpinteiro e sapateiro. Na juventude, trabalha com Mestre Vitalino (1909-1963), mestre maior dos bonecos de Caruaru. Abandona a argila, material que considera “morto”, incapaz de dar às peças o movimento que almeja. As experiências com a talha tampouco lhe agradaram. O objetivo de criar uma obra que “bulisse, peça valente, peça braba”1 ganha corpo quando ele chega ao Recife e conquista, pouco a pouco, lugar de destaque entre os artesãos populares da capital pernambucana.

No início, instala-se pelas ruas da cidade e vai atendendo a clientela local. Nhô Caboclo faz declarações inusitadas que mesclam sabedoria, uma fantasiosa construção mítica e hábitos exóticos largamente apontados pela imprensa. Entre elas, passar longas temporadas sem tomar banho, dormir sentado numa espreguiçadeira, beber em largas quantidades, inclusive gasolina. Com isso, alimenta a criação de um personagem extravagante, genial e lunático. Diz, por exemplo, ter superado Matusalém em idade e ter por volta de 360 anos. 

Sua obra é ampla, experimental, produzida de forma intermitente. Ao falecer, em 1976, há fila de espera por suas obras. Tem horror de quem pechincha e recusa-se a fazer arte sacra, pois julga que apenas os crentes podem produzi-la. Com olhar agudo, percebe sutilezas como o colonialismo na arte e o embate entre o moderno e o popular: “Estrangeiro é que dá valor a essas. Ele traz as peças modernas de lá pros brasileiros, que gostam muito só porque é de lá, mas os estrangeiros gostam de peça matuta, que tem história”2.

Seus trabalhos mais conhecidos são produzidos em madeira, metal e folhas de flandres, mas absorve outros elementos como penas de pássaros, com as quais adorna as cabeças e armas dos guerreiros. O movimento das peças – inspirado por sonhos e pelo cinema – é obtido por meio do uso de roldanas e hélices, construídas com materiais reaproveitados como fundos de latas. Nhô Caboclo também fabrica seus próprios instrumentos, adapta facas e armações velhas de guarda-chuvas para construir suas obras. “Não gosto de coisa de loja. Gosto de trabalhar peça para museu: museu de matuto”.

Seu trabalho tem vários desdobramentos. “O Toré, o Racho, a Balsa – nomes que o artista dá a algumas de suas peças retratam um complexo riquíssimo de criatividade, de harmonia, equilíbrio, movimento”, sintetiza Silvia Martins em artigo publicado no Diário de Pernambuco3. Cada um desses nomes refere-se a uma invenção ou tema explorado com frequência por ele. Toré é uma passeata de caboclo no meio da mata, Sinaleiro representa a briga de um valentão, Equilibrista é “um velho caduco colocado numa árvore pelos filhos até morrer de inanição” e Racho, talvez uma de suas invenções mais conhecidas, é um trabalho em madeira que difere da talha (que para ele não passa de um “desenho em corte”) ao distribuir harmoniosamente bonecos e pássaros em uma estrutura vazada. Suas cores são sempre o vermelho e o preto, e seus temas de interesse, as lutas e a escravidão. “Gosto de fazer peça de penas e guerras. É muita luta e o derradeiro a ficar vivo sou eu mesmo”4.

Em texto de Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) sobre o livro Reinado da Lua, cujo título provém de uma frase de Nhô Caboclo5, o poeta sintetiza a força interior do trabalho de artistas como ele, cuja arte provém de “engenho e força, emergindo das raízes mais fundas do homem não letrado que estuda as leis e as graças da natureza”6. Ou, como dizem as autoras do livro, Nhô Caboclo torna-se “um árbitro quase absoluto de seus próprios costumes, de suas resoluções, escapando a qualquer possibilidade de aprisionamento à norma"7. Segundo as autoras, o artista procura desarticular o mundo em redor, inventando alternativas e desconstruindo o viver cotidiano, recorrendo à ironia e ao humor.

 

 

Notas

1. FROTA, Lélia Coelho. Pequeno dicionário do povo brasileiro, século XX. São Paulo: Aeroplano, 2005.

2. COIMBRA, Silvia Rodrigues; ALBUQUERQUE, Flávia Martins; DUARTE, Maria Letícia. O reinado da Lua: Escultores populares do Nordeste. 4. ed., Recife: Caleidoscópio, 2010, p. 294. 

3. MARTINS, Silvia. Notas sobre alguns artistas populares do Nordeste. Diário de Pernambuco, Recife, 28 nov. 1974.

4. COIMBRA, op. cit., p. 294

5. “Disso você não entende não, isso é coisa do reinado da lua”. In: COIMBRA, op. cit., p. 9.

6. ANDRADE, Carlos Drummond de. De sonhos e livros. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 18 nov. 1980. Caderno B, p. 5. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=030015_10&pasta=ano%20198&pesq=edicao%2000224. Acesso em: 25 mar. 2018.

7. COIMBRA, op. cit., p. 295.

Exposições 8

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: