Artigo da seção pessoas Conceição dos Bugres

Conceição dos Bugres

Artigo da seção pessoas
Artes visuais  
Data de nascimento deConceição dos Bugres: 1914 Local de nascimento: (Brasil / Rio Grande do Sul) | Data de morte 1984 Local de morte: (Brasil / Mato Grosso do Sul / Campo Grande)

Conceição Freitas da Silva (Povinho de Santiago, Rio Grande do Sul, 1914 – Campo Grande, Mato Grosso do Sul, 1984). Escultora. É conhecida pela produção de “bugres”, sintéticas figuras humanas  de traços indígenas, que a levaram a ser considerada a mais importante escultora do Centro-Oeste1 e que se transformaram em ícone do Mato Grosso do Sul.

Aos seis anos, muda-se para Ponta Porã com a família e, em 1957, transfere-se para Campo Grande, onde vive até sua morte, em 1984. Trabalha na roça e dedica-se aos trabalhos manuais. “Trabalhei com figurinha de lã, trabalhei com crochê, mas minha vista cansou”, conta ela ao explicar como dá início à produção de seus bugres.

Sua primeira peça é talhada num pedaço de mandioca. “Um dia me pus sentada embaixo de uma árvore. Perto de mim tinha uma cepa de mandioca. A cepa da mandioca tinha cara de gente. Pensei em fazer uma pessoa e fiz. Aí a mandioca foi secando e foi ficando com uma cara de velha. Gostei muito. Depois eu passei para a madeira”2, diz ela enfatizando a importância do acaso e o caráter indicativo do material para o resultado do trabalho. Segundo Conceição, seus golpes de cinzel e serrote seguem informações já contidas nas toras de eucalipto; são um meio de revelar aquilo que já existe no material. “A madeira é sábia”, costuma dizer.

A relação com a natureza é preciosa, pois tudo provém dela. Além da madeira, a natureza fornece a cera de abelha e as ervas. A cera é indicada a Conceição pelo marido em sonho. Depois disso, passa a recobrir todas as esculturas que produz com ela. Além de ajudar a preservar a madeira, a cera serve para protegê-la do frio. Numa relação de proximidade e cuidado com as obras, a artista costuma colocar suas peças para tomar sol e dá a cada uma identidade própria. Conceição também se vangloria de ter aprendido com o pai a lidar com as ervas e a fazer remédios para quem necessita. “Precisamos servir nosso semelhante, a humanidade”, afirma. 

Em 1979, o cineasta Cândido Alberto da Fonseca realiza um documentário sobre a escultora, no qual estabelece conexão entre ela e suas figuras, destacando a semelhança e afetividade presentes nessa relação. “Todos me olhando, alegre e contente”, descreve ela no filme ao narrar o surgimento de suas obras. Conceição conta que muitos saem rindo e usa uma terminologia que parece a descrição de um parto. As esculturas também ganham nomes: Joaninha, Mariquinha, Chiquinho. “Aquele barrigudo é o Manequinho", brinca. 

Seu trabalho é preciso e repetitivo. Dá forma humana às toras, criando incisões e depressões que sugerem pernas, braços e olhos, sempre puxados, como os dos índios. Usa, como explica o professor Miguel Chaia (1947), "recursos mínimos para produzir uma das mais potentes formas antropomórficas da arte brasileira"3. Nas esculturas, a cabeleira pintada de negro e a cabeça reta (não ovalada) remete à ascendência indígena. Para Conceição, “índio tem a cabeça desse jeito. Só tem que sair desse jeito”4.

Suas intervenções são sutis, com poucos gestos. "São formas severas e brutas em posições rígidas, parecendo sempre fixar o espectador”, descreve o professor Percival Tirapeli (1952)5. "Algumas das características centrais de suas peças, como o corpo roliço, a posição vertical e a cabeça chata, derivam do formato original da madeira e de uma visão particular da artista sobre a aparência de seus índios. 

Como destaca Miguel Chaia, Conceição dedica-se a um único assunto e, em torno dele, desdobra infinitamente uma mesma forma e uma mesma técnica. Formalmente, há em suas obras uma aliança entre síntese e seriação que remete a escultores modernos como o franco-romeno Constatin Brancusi (1876-1957). Há, ainda, o vínculo com expressões primitivas e arcaicas, como os moais da Ilha de Páscoa, ou com arquétipos da cultura popular, como os ex-votos. 

Seu trabalho, resume Chaia, é “fundamentado na repetição da igualdade e na especificidade da diferença". Talvez por isso alcança um nível estético tão aguçado. É o que o curador chama de elo entre a estética e a ética. Afinal, há em sua produção aspectos antropológicos e políticos incontornáveis. É preciso considerar que a família da artista migra para o Centro-Oeste por causa da perseguição aos índios no Sul, em confrontos com a onda de imigração europeia no início do século XX. O significado de bugre, que a artista adota para nomear a si mesma e as suas esculturas, remete a sua origem (tribo indígena do sul do país) e àqueles perseguidos pelos bugreiros. "O termo ‘bugre’ passou a designar os índios combatidos, perseguidos e afastados do seu território", diz Chaia.

A esperança de encontrar uma vida melhor não se realiza. “O Mato Grosso tinha muita fama, que  era muito bom, só chegar aqui e pegar terra, pegar mato, e não era assim não", relembra ela. Seu sonho, não realizado, era conseguir uma casa própria (“uma casa de minha”). O reconhecimento é tardio, mesmo que amplo. Acaba tornando-se figura de destaque na cena regional, graças ao esforço capitaneado pela crítica Aline Figueiredo (1946) e pelo artista plástico Humberto Espíndola (1943) em defesa da produção artística do Centro-Oeste6.

Notas

1 FIGUEIREDO, Aline. Artes plásticas no Centro-Oeste. Cuiabá: UFMT, 1979. Disponível em: < http://www.galeriaestacao.com.br/artista/49#prettyPhoto[iframes]/0/ >. Acesso em: 25 abr. 2018.
FIGUEIREDO, op. cit.
3 CHAIA, Miguel. Conceição dos Bugres: o índio na estética mínima de Conceição. São Paulo: Galeria Estação, 2017. Abertura 3 ago 2017.
4 FIGUEIREDO, op. cit., p. 215.
5 TIRAPELI, Percival. Arte Popular. São Paulo: Companhia Editora Nacional, v. 5, 2006, pg. 55. (Arte brasileira).
6 Foi Hilton Silva, artista plástico e filho de Conceição, quem apresentou o trabalho de sua mãe a Aline Figueiredo e Humberto Espíndola, rapidamente incorporado ao movimento de defesa da arte mato-grossense. 

Outras informações de Conceição dos Bugres:

  • Outros nomes
    • Conceição Freitas da Silva
  • Habilidades
    • escultora

Exposições (6)

Eventos relacionados (1)

Artigo sobre sp-arte 2010

Artigo da seção eventos
Temas do artigo: Artes visuais  
Data de iníciosp-arte 2010: 29-04-2010  |  Data de término | 02-05-2010
Resumo do artigo sp-arte 2010:

Fundação Bienal de São Paulo

Fontes de pesquisa (5)

  • CHAIA, Miguel. Conceição dos Bugres: o índio na estética mínima de Conceição. São Paulo: Galeria Estação, 2017. Abertura 3 ago 2017.
  • CONCEIÇÃO dos bugres. Documentário. Direção: Cândido Alberto da Fonseca. Produção: Seriema filmes. Mato Grosso: Seriema filmes, 1979. (110 min), son., color., 16 mm.
  • FIGUEIREDO, Aline. Artes plásticas no Centro-Oeste. Cuiabá: UFMT/MACP, 1979 Acesso em 25 maio 2018
  • FROTA, Lélia Coelho. Pequeno dicionário do povo brasileiro, século XX. São Paulo: Aeroplano, 2005.
  • TIRAPELI, Percival. Arte Popular. São Paulo: Companhia Editora Nacional, v. 5, 2006, pg. 55. (Arte brasileira).

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • CONCEIÇÃO dos Bugres. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa216460/conceicao-dos-bugres>. Acesso em: 22 de Jul. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7
abrir pesquisa
;