Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Marc Ferrez

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 13.02.2020
14.09.1788 França / Lorena / Saint-Laurent
31.03.1850 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica César Barreto/Itaú Cultural

Busto de Martim Francisco
Marc Ferrez
Bronze

Marc Ferrez (Saint-Laurent, França 1788 - Rio de Janeiro RJ 1850). Escultor, gravador, professor. Inicia seus estudos na École des Beaux-Arts [Escola de Belas Artes], em Paris, com mestres como o escultor Philippe-Laurent Roland (1746 - 1816) e o gravador e restaurador Pierre-Nicolas Beauvallet (1750 - 1818). Após estada de seis meses em Nova Yo...

Texto

Abrir módulo

Marc Ferrez (Saint-Laurent, França 1788 - Rio de Janeiro RJ 1850). Escultor, gravador, professor. Inicia seus estudos na École des Beaux-Arts [Escola de Belas Artes], em Paris, com mestres como o escultor Philippe-Laurent Roland (1746 - 1816) e o gravador e restaurador Pierre-Nicolas Beauvallet (1750 - 1818). Após estada de seis meses em Nova York, chega em 1817 ao Rio de Janeiro com seu irmão, o escultor e gravador Zepherin Ferrez (1797 - 1851), e integra-se à Missão Artística Francesa, que está no Brasil desde 1816. Executa, com Auguste Marie Taunay (1768 - 1824)Debret (1768 - 1848), o irmão Zepherin e o arquiteto Grandjean de Montigny (1776 - 1850), a decoração dos monumentos festivos por ocasião da chegada da princesa Maria Leopoldina (1797 - 1826) e de seu casamento com dom Pedro I (1798 - 1834). Em 1820, Ferrez é nomeado professor pensionista (substituto) da Academia Imperial de Belas Artes - Aiba e, em 1829, participa da primeira exposição da Aiba, organizada por Debret. Após a morte de Taunay, em 1824, ocupa o cargo de segundo professor de escultura e, com a morte de Joaquim Alão, em 1837, torna-se catedrático de escultura da Aiba. Esculpiu, em 1842, os móveis dos aposentos da futura esposa de dom Pedro II, princesa Teresa Cristina (1822 - 1889), na fragata Constituição, que a trouxe da Europa.

Nomeado em 1820 pensionista de escultura, apenas em 1837, Marc Ferrez se torna professor titular da disciplina na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba. Realiza muitas obras no Brasil, como o berço em madeira esculpida, que realiza juntamente com seu irmão Zepherin Ferrez, oferecido a  D. João VI (1767 - 1826), em 1818, por ocasião do nascimento da princesa Maria da Glória. Executa também muitas obras ornamentais, como as estátuas de Apolo e Minerva para a fachada da Aiba.

Marc Ferrez destaca-se pela realização de bustos de personalidades, principalmente em relação à qualidade técnica das obras e à preocupação realista no tratamento da figura, como é possível observar em Dama do Primeiro Reinado (1829); Martim Francisco Ribeiro de Andrade (1829); Busto de José Bonifácio de Andrade e Silva (1839) e, principalmente, no busto de D. Pedro I (1826).

O artista é responsável pela formação de novas gerações de escultores no país, em que se destaca Chaves Pinheiro (1822 - 1884).

Obras 2

Abrir módulo

Exposições 14

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • ACQUARONE, Francisco. História das artes plásticas no Brasil. Atualizada por Lêda Acquarone de Sá. Rio de Janeiro: Ed. Americana, 1980. p. 136-137.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • BANDEIRA, Julio; XEXÉO, Pedro Martins Caldas; CONDURU, Roberto. A Missão Francesa. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 2003. 208 p., il. p&b. color.
  • BOGHICI, Jean (org.). Missão Artística Francesa e pintores viajantes: França-Brasil no século XIX. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Brasil-França, 1990.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • EXPOSIÇÃO da Missão Artística Francesa de 1816. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1940. 91 p., il. p&b.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • MORALES DE LOS RIOS FILHO, Adolfo. O ensino artístico: subsídio para a sua história: um capítulo, 1816-1889. Rio de Janeiro: s. n. , 1938. p. 175.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte do século XIX. Curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).
  • TAUNAY, Afonso de E. A missão artística de 1816. Brasília: Ed. da Universidade de Brasília, 1983. (Temas brasileiros, 34).
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: