Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Franz Keller-Leuzinger

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.09.2014
1835 Alemanha / Baden-Württemberg / Mannheim
1890 Alemanha / Bayern / Munique
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Igreja Exaltatione, Bolívia, 1870
Franz Keller-Leuzinger
Albúmen
Coleção Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - Doação White Martins

Franz Keller-Leuzinger (Mannheim, Alemanha, 1835 - Munique, Alemanha, 1890). Fotógrafo, desenhista e engenheiro. Chega o Brasil em 1856, em companhia do pai, o engenheiro alemão Joseph Keller, e do irmão, Ferdinand Keller (1842-1922), contratados pelo governo brasileiro para realizar obras viárias de ligação entre cidades. Casa-se com Sabine Chr...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Franz Keller-Leuzinger (Mannheim, Alemanha, 1835 - Munique, Alemanha, 1890). Fotógrafo, desenhista e engenheiro. Chega o Brasil em 1856, em companhia do pai, o engenheiro alemão Joseph Keller, e do irmão, Ferdinand Keller (1842-1922), contratados pelo governo brasileiro para realizar obras viárias de ligação entre cidades. Casa-se com Sabine Christine Leuzinger (1842-1915), filha do fotógrafo, livreiro e editor suíço Georg Leuzinger (1813-1892), adotando também o sobrenome do sogro.

Em 1860, assume a direção do departamento fotográfico da Casa Leuzinger, no Rio de Janeiro, onde terá como aprendiz o fotógrafo Marc Ferrez (1843-1923). Entre  1862 e 1867, acompanha o pai em levantamentos no rio Paraíba, na região entre Campo Belo e Barra do Piraí; nos vales do rio Paraíba e Pomba, nos rios Iguaçu, Paranapanema e Tibagi. Dessas investigações resultam relatórios publicados pelo Ministério da Agricultura. Posteriormente, acompanha o pai em expedição ao rio Madeira, incumbidos pelo governo brasileiro de planejar a construção de uma ferrovia. Nessas expedições, registra em notas, desenhos e aquarelas vistas locais da fauna e flora, aspectos arqueológicos e etnográficos das regiões por onde passa.

Retorna para a Alemanha em 1873 e, no ano seguinte, publica o livro Vom Amazonas und Madeira, com anotações, desenhos e aquarelas da última expedição. Fotografias, aquarelas e desenhos de sua autoria podem ser encontrados na coleção Dona Thereza Christina Maria, da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro; na coleção de Paulo e Maria Cecília Geyer; e também na coleção White Martins, do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ).

 

Comentário crítico
Um dos primeiros viajantes estrangeiros a documentar a região amazônica, Franz Keller-Leuzinger se torna mais um elo da tradição de artistas viajantes que, por motivos variados, registram aspectos da natureza e da vida das regiões do Brasil que percorrem.

Conforme sugere o sociólogo Demétrio Magnoli (1958), nesse tipo de representação de orientação naturalista, olhar científico e artístico se encontram na confluência entre o deslumbramento frente a uma natureza indomada e a vontade de alcançar o conhecimento necessário para dominá-la. O ideal de precisão descritiva na representação das cenas será sempre valorizado, como fica patente no prefácio escrito por Keller-Leuzinger para o livro  Vom Amazonas und Madeira. O autor explica que as ilustrações são baseadas em esboços realizados in loco e que, para preservar a fidelidade da representação, ele próprio as desenhou nos blocos de madeira em que seriam gravadas para a publicação.

As imagens incluem desde vistas do Rio de Janeiro, onde iniciou a viagem para o Norte do país, até a chegada e a viagem pelo rio Amazonas. Há um grande interesse por elementos típicos relativos à topografia, à vegetação, às frutas, às embarcações - como as jangadas e canoas - e principalmente às populações indígenas. O desenhista registra suas habitações e costumes, além de peças arqueológicas, como as inscrições gravadas que encontra no rio Madeira, sempre buscando o máximo de detalhamento. O livro é publicado na Alemanha e traduzido para o inglês mas, no Brasil, somente as gravuras são publicadas em 1876, na revista Illustração Brasileira, fundada pelo litógrafo alemão Henrique Fleuiss (1823-1882).

Obras 8

Abrir módulo

Exposições 16

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • FERREIRA, Orlando da Costa. Imagem e letra: introduçao à bibliologia brasileira: a imagem gravada. Apresentação José Laurenio de Melo. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1994. 512 p., il. p&b. (Texto & arte, 10). ISBN 85-314-0132-1. 769.981 F245i 2.ed.
  • FERREIRA, Orlando da Costa. Imagem e letra: introdução à bibliologia brasileira: a imagem gravada. 2. ed. São Paulo: Edusp, 1994. (Coleção texto & arte, 10).
  • FERREZ, Gilberto. A fotografia no Brasil: 1840- 1900. Prefácio Pedro Karp Vasquez. 2. ed. Rio de Janeiro: Funarte, 1985. 248 p. (História da fotografia no Brasil, 1).
  • FERREZ, Gilberto. A fotografia no Brasil: 1840- 1900. Prefácio Pedro Karp Vasquez. 2. ed. Rio de Janeiro: Funarte, 1985. 248 p. (História da fotografia no Brasil, 1). 770.981 F387f 2.ed.
  • MARÇAL, Joaquim (org.). A coleção do imperador: fotografia brasileira e estrangeira no século XIX. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1997. 71 p.
  • MARÇAL, Joaquim (org.). A coleção do imperador: fotografia brasileira e estrangeira no século XIX. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1997. 71 p. 778.9 C691
  • MARÇAL, Joaquim. Biblioteca Nacional. IrisFoto, São Paulo, n. 488, 1995. Não Cadastrado
  • PFEIFFER, Wolfgang. Artistas alemães e o Brasil. São Paulo: Empresa das Artes, 1996.
  • PFEIFFER, Wolfgang. Artistas alemães e o Brasil. São Paulo: Empresa das Artes, 1996. 759.943 P527a

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: