Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Franz Keller-Leuzinger

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.09.2014
1835 Alemanha / Baden-Württemberg / Mannheim
1890 Alemanha / Bayern / Munique
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Igreja Exaltatione, Bolívia, 1870
Franz Keller-Leuzinger
Albúmen
Coleção Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro - Doação White Martins

Franz Keller-Leuzinger (Mannheim, Alemanha, 1835 - Munique, Alemanha, 1890). Fotógrafo, desenhista e engenheiro. Chega o Brasil em 1856, em companhia do pai, o engenheiro alemão Joseph Keller, e do irmão, Ferdinand Keller (1842-1922), contratados pelo governo brasileiro para realizar obras viárias de ligação entre cidades. Casa-se com Sabine Chr...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Franz Keller-Leuzinger (Mannheim, Alemanha, 1835 - Munique, Alemanha, 1890). Fotógrafo, desenhista e engenheiro. Chega o Brasil em 1856, em companhia do pai, o engenheiro alemão Joseph Keller, e do irmão, Ferdinand Keller (1842-1922), contratados pelo governo brasileiro para realizar obras viárias de ligação entre cidades. Casa-se com Sabine Christine Leuzinger (1842-1915), filha do fotógrafo, livreiro e editor suíço Georg Leuzinger (1813-1892), adotando também o sobrenome do sogro.

Em 1860, assume a direção do departamento fotográfico da Casa Leuzinger, no Rio de Janeiro, onde terá como aprendiz o fotógrafo Marc Ferrez (1843-1923). Entre  1862 e 1867, acompanha o pai em levantamentos no rio Paraíba, na região entre Campo Belo e Barra do Piraí; nos vales do rio Paraíba e Pomba, nos rios Iguaçu, Paranapanema e Tibagi. Dessas investigações resultam relatórios publicados pelo Ministério da Agricultura. Posteriormente, acompanha o pai em expedição ao rio Madeira, incumbidos pelo governo brasileiro de planejar a construção de uma ferrovia. Nessas expedições, registra em notas, desenhos e aquarelas vistas locais da fauna e flora, aspectos arqueológicos e etnográficos das regiões por onde passa.

Retorna para a Alemanha em 1873 e, no ano seguinte, publica o livro Vom Amazonas und Madeira, com anotações, desenhos e aquarelas da última expedição. Fotografias, aquarelas e desenhos de sua autoria podem ser encontrados na coleção Dona Thereza Christina Maria, da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro; na coleção de Paulo e Maria Cecília Geyer; e também na coleção White Martins, do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ).

 

Comentário crítico
Um dos primeiros viajantes estrangeiros a documentar a região amazônica, Franz Keller-Leuzinger se torna mais um elo da tradição de artistas viajantes que, por motivos variados, registram aspectos da natureza e da vida das regiões do Brasil que percorrem.

Conforme sugere o sociólogo Demétrio Magnoli (1958), nesse tipo de representação de orientação naturalista, olhar científico e artístico se encontram na confluência entre o deslumbramento frente a uma natureza indomada e a vontade de alcançar o conhecimento necessário para dominá-la. O ideal de precisão descritiva na representação das cenas será sempre valorizado, como fica patente no prefácio escrito por Keller-Leuzinger para o livro  Vom Amazonas und Madeira. O autor explica que as ilustrações são baseadas em esboços realizados in loco e que, para preservar a fidelidade da representação, ele próprio as desenhou nos blocos de madeira em que seriam gravadas para a publicação.

As imagens incluem desde vistas do Rio de Janeiro, onde iniciou a viagem para o Norte do país, até a chegada e a viagem pelo rio Amazonas. Há um grande interesse por elementos típicos relativos à topografia, à vegetação, às frutas, às embarcações - como as jangadas e canoas - e principalmente às populações indígenas. O desenhista registra suas habitações e costumes, além de peças arqueológicas, como as inscrições gravadas que encontra no rio Madeira, sempre buscando o máximo de detalhamento. O livro é publicado na Alemanha e traduzido para o inglês mas, no Brasil, somente as gravuras são publicadas em 1876, na revista Illustração Brasileira, fundada pelo litógrafo alemão Henrique Fleuiss (1823-1882).

Obras 8

Abrir módulo

Exposições 16

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • FERREIRA, Orlando da Costa. Imagem e letra: introduçao à bibliologia brasileira: a imagem gravada. Apresentação José Laurenio de Melo. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1994. 512 p., il. p&b. (Texto & arte, 10). ISBN 85-314-0132-1. 769.981 F245i 2.ed.
  • FERREIRA, Orlando da Costa. Imagem e letra: introdução à bibliologia brasileira: a imagem gravada. 2. ed. São Paulo: Edusp, 1994. (Coleção texto & arte, 10).
  • FERREZ, Gilberto. A fotografia no Brasil: 1840- 1900. Prefácio Pedro Karp Vasquez. 2. ed. Rio de Janeiro: Funarte, 1985. 248 p. (História da fotografia no Brasil, 1).
  • FERREZ, Gilberto. A fotografia no Brasil: 1840- 1900. Prefácio Pedro Karp Vasquez. 2. ed. Rio de Janeiro: Funarte, 1985. 248 p. (História da fotografia no Brasil, 1). 770.981 F387f 2.ed.
  • MARÇAL, Joaquim (org.). A coleção do imperador: fotografia brasileira e estrangeira no século XIX. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1997. 71 p.
  • MARÇAL, Joaquim (org.). A coleção do imperador: fotografia brasileira e estrangeira no século XIX. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1997. 71 p. 778.9 C691
  • MARÇAL, Joaquim. Biblioteca Nacional. IrisFoto, São Paulo, n. 488, 1995. Não Cadastrado
  • PFEIFFER, Wolfgang. Artistas alemães e o Brasil. São Paulo: Empresa das Artes, 1996.
  • PFEIFFER, Wolfgang. Artistas alemães e o Brasil. São Paulo: Empresa das Artes, 1996. 759.943 P527a

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: