Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Alice Ruiz

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.11.2018
22.01.1946 Brasil / Paraná / Curitiba
Alice Ruiz Scherone (Curitiba, Paraná, 1946). Poeta, compositora, tradutora e publicitária. Publica, em 1962, seus primeiros poemas em jornais e revistas culturais. Em 1968, conhece o poeta Paulo Leminski (1944 - 1989), com quem mais tarde se casa. Junto de outros jovens escritores, participa do grupo de vanguarda Áporo (1969), opondo-se ao prov...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Alice Ruiz Scherone (Curitiba, Paraná, 1946). Poeta, compositora, tradutora e publicitária. Publica, em 1962, seus primeiros poemas em jornais e revistas culturais. Em 1968, conhece o poeta Paulo Leminski (1944 - 1989), com quem mais tarde se casa. Junto de outros jovens escritores, participa do grupo de vanguarda Áporo (1969), opondo-se ao provincianismo do meio cultural paranaense. Na mesma época, inicia estudos sobre o haicai, forma breve da poesia japonesa, determinante para sua obra. Em 1971, integra o grupo musical A Chave, iniciando a carreira de letrista de música popular. Publica seu primeiro livro, Navalhanaliga, em 1980. Seu primeiro trabalho de tradução de haicais é lançado em 1981, o livro Dz Haiku: Chine-Jo, Chiyo-Ni, Shisei-Jo, Shokyi-Ni e Shofu-Ni. Em parceria com Leminski, lança, em 1985, Hai Tropikai. Nesse mesmo ano, participa das mostras Arte Pau-Brasil e Transcriar - Poemas em Vídeo Texto, na cidade de São Paulo. Em 1987, assume o posto de diretora de criação na Agência Umuarama, e separa-se de Leminski. Muda-se para São Paulo em 1989, quando também recebe o Prêmio Jabuti pelo livro Vice Versos. Em 1990, participa do projeto Poesia em Out-Door, 100 Anos da Av. Paulista. Organiza com a filha Áurea Leminski, em 1994, O Ex-Estranho, obra póstuma de Paulo Leminski. Mantém a produção de letrista, em parceria com diversos músicos, com destaque para as composições realizadas ao lado de Itamar Assumpção (1949 - 2003). Em 2005, lança o CD Paralelas, com a cantora Alzira Espíndola (1957). Reúne, em 2008, seus primeiros livros, de Navalhanaliga até Vice Versos, no volume 2 em 1.

Análise

A poesia de Alice Ruiz norteia-se pela concisão. Nos poemas iniciais, a pesquisa sobre o haicai, forma poética de extrema brevidade, é associada à influência da poesia concreta. Com isso, os poemas de Navalhanaliga são, ao mesmo tempo, formalmente experimentais e profundamente líricos.

Tal lirismo e intuição, características poéticas menos valorizadas pela vanguarda concreta em sua vocação para a exploração da forma, reaparecem na poesia de Alice em livros como Paixão Xama Paixão ou Pelos Pelos. No entanto, a aclimatação do haicai no Brasil aparece de modo mais consciente nos poemas de Hai Tropikai e Desorientais. Neste, Alice compõe os poemas sempre pensando em seus laços pessoais: dedicatórias a amigos, lembranças amorosas, reminiscências das filhas etc. Por isso, seus haicais são "desorientais": apropriam-se da brevidade e densidade da poesia japonesa sem, contudo, seguir a objetividade e a impessoalidade que essa forma tradicionalmente possui.

Outra característica da poesia de Alice é a musicalidade: mesmo poemas visuais, escritos no início da carreira, tornam-se letra de música nas composições de Itamar Assumpção, como o próprio poema Navalhanaliga. Além disso, a poeta possui muitas letras de canções, gravadas pelos mais diversos artistas, algumas delas reunidas no livro Poesia pra Tocar no Rádio. Dedica-se com a mesma intensidade e princípio poético à literatura e à música.

Exposições 8

Abrir módulo

Eventos relacionados 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • GUIMARÃES, Luciene. Zen, versos, letras de canções. Estado de Minas, Belo Horizonte, 8 set. 2007. Pensar, p. 2.
  • MURGEL, Ana Carolina Arruda de Toledo. Alice Ruiz, Alzira Espindola, Tete Espindola e Na Ozzetti: produção musical feminina na vanguarda paulista. 2005. 249f. Dissertação. (Mestrado em História - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas - SP). Disponível em: <http://cutter.unicamp.br/document/?down=vtls000375893>. Acesso em: 19 jan. 2011.
  • MURGEL, Ana Carolina Arruda de Toledo. Alice Ruiz: a vida como obra de arte. Mnemozine - Revista de Literatura. São Paulo, n. 3, abr. 2006. Disponível em: <http://www.cronopios.com.br/MNEMOZINE3.exe>. Acesso em: 19 jan. 2011.
  • RUIZ, Alice. Entrevista concedida pela poeta, compositora, escritora e tradutora a Jonas Soares Lana, redator da seção de Enciclopédias do Itaú Cultural. s/l. 7 fev. 2011. [entrevista via e-mail].
  • RUIZ, Alice. O grande poeta não. In: ASSUMPÇÃO, Itamar. Pretobrás: por que que eu não pensei nisso antes?: O livro de canções e histórias de Itamar Assumpção. vol. 1. 1 Ed. São Paulo. Ediouro, 2006. Il color, 512p. p. 57-78.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: