Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Toninho Mendes

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.11.2019
1954 Brasil / São Paulo / Itapeva
2017 Brasil / São Paulo / São Paulo
Antônio de Souza Mendes Neto (Itapeva, São Paulo, 1954 – São Paulo, São Paulo, 2017). Editor, poeta, artista gráfico, escritor. Responsável por promover uma geração de quadrinistas com a Circo Editorial, editora de humor e de quadrinhos de humor fundada em 1984 que proporciona o desenvolvimento de personagens memoráveis e expansão do mercado de ...

Texto

Abrir módulo

Antônio de Souza Mendes Neto (Itapeva, São Paulo, 1954 – São Paulo, São Paulo, 2017). Editor, poeta, artista gráfico, escritor. Responsável por promover uma geração de quadrinistas com a Circo Editorial, editora de humor e de quadrinhos de humor fundada em 1984 que proporciona o desenvolvimento de personagens memoráveis e expansão do mercado de revistas desse segmento.

O interesse por quadrinhos acompanha Toninho Mendes desde a adolescência, quando colecionava gibis e trabalhava em uma banca de jornal. Aos doze anos, conhece Angeli (1956) com quem constrói consistente e duradoura amizade. Durante a década de 1970, frequenta o curso de desenho publicitário, mas consolida sua formação como diagramador e produtor gráfico de veículos de imprensa alternativos. Em 1975, atua no semanário Versus e no tabloide bimestral Movimento e desenvolve experimentações gráficas em edições especiais com muitos dos quadrinistas que trabalham em sua editora na década seguinte.

Em 1980, realiza uma primeira tentativa de empreender, com a editora Marco Zero que publica três livros, entre eles a sua antologia de poemas em homenagem ao Rio Tietê, A Confissão para o Tietê, e o primeiro livro de charges de Chico Caruso (1949), ‘Natureza Morta’ e outros desenhos para o Jornal do Brasil  (1978-1980).

Toninho mantém sua atuação como diagramador e assistente de arte na revista IstoÉ e paralelamente lança a Circo Editorial, editora dedicada ao humor e aos quadrinhos de humor. A primeira publicação da casa é Chiclete com Banana, Bob Cuspe e Outros Inúteis, de Angeli, em 1984, período de abertura democrática no Brasil. Em setembro do mesmo ano, lança o segundo livro da editora, Não Tenho Palavras, de Chico Caruso. Seguem Quadrinhos em Fúria, de Luiz Gê (1951), e O Tamanho da Coisa, de Laerte (1951). Inspirado pela verve transgressora da publicação carioca O Pasquim, lança a primeira revista da editora: Chiclete com Banana, produzida por Toninho e Angeli, que também cria as histórias e desenhos. É lançada em outubro de 1985 com capa colorida, miolo em preto e branco, com 48 páginas e tiragem bimestral, formato que se torna padrão na Circo. Apresenta na capa a candidatura do personagem Bob Cuspe para a prefeitura de São Paulo. Com o sucesso de vendas da revista, outros títulos são lançados, como a Revista Circo, na qual colaboram artistas como Luiz Gê, Laerte, Paulo Caruso e outros. Nos anos seguintes, cada um dos quadrinistas da editora passa a assinar uma publicação: Níquel Náusea, por Fernando Gonsales (1961); Geraldão, por Glauco (1957-2010); Piratas do Tietê, por Laerte. Nos anos 1990, a revista Bang Bang é editada pelo cartunista Adão Iturrusgarai (1965). A Circo edita ainda outros dois livros 365 Motivos para Odiar o Brasil e Geraldão, Espocando a Cilibina, além de edições especiais como Striptiras, a Série Tipinhos Inúteis e Rê Bordosa, Memórias de uma Porraloca.

A visão editorial de Toninho Mendes percebe que o contexto de abertura democrática era favorável a exploração dos limites de liberdade de expressão. Entende que a imprensa poderia se apresentar com humor sem deixar de tratar questões políticas e sociais além da cultura pop. O time de quadrinistas retrata a cena punk urbana por meio do humor ácido e escatológico. Essa abordagem de crítica franca e linguagem direta da Circo repercute influenciando gerações de desenhistas e formadores de opinião.

O sucesso de crítica e público das revistas da Circo não tem precedentes e as vendas aumentam exponencialmente. A edição de dezembro de 1987 que tratra da morte da personagem Rê Bordosa, vende cem mil exemplares. No entanto, a grande repercussão não garante a longevidade da editora e das revistas. Problemas de administração e a inflação fazem com que a Circo encerre as atividades em 1995.

Na década de 1990, Toninho trabalha no setor de comunicação de uma instituição financeira e também assina o projeto gráfico de importantes jornais paulistanos. Nos anos 2000, trabalha em pequenas editoras e em funda sua segunda casa editorial, a Peixe Grande, pela qual publica os livros Quadrinhos Sacanas: o Catecismo Brasileiro, que recebe prêmio HQMix de melhor publicação erótica de 2010. Em 2014, organiza o livro Humor Paulistano – A Experiência da Circo Editorial, 1984-1995, no qual relata sua experiência à frente da editora. A publicação recebe o prêmio de melhor livro na 27a HQMix.

O editor Toninho Mendes cria condições para a consolidação de uma talentosa geração de quadrinistas brasileiros durante os seis profícuos anos da Circo Editorial. As revistas proporcionam histórias de humor com verve crítica e irreverente, além de uma coleção de personagens intrinsecamente ligados à história e à memória dos quadrinhos no Brasil no final do século 20.

Exposições 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • FINOTTI, Ivan; MENDES, Toninho (Orgs.). Humor Paulistano: a experiência da Circo Editorial, 1984-1995. São Paulo: SESI-SP Editora, 2014.
  • Morre o editor de quadrinhos Toninho Mendes, criador da revista ‘Chiclete com Banana’. O Estado de S.Paulo, São Paulo, 18 jan. 2017. Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,morre-o-editor-de-quadrinhos-toninho-mendes-criador-da-revista-chiclete-com-banana,70001633455. Acesso em: 10 out. 2019
  • SANTOS, Roberto Elísio. HQs de Humor no Brasil: variações da visão cômica dos quadrinhos brasileiros (1864-2014). Porto Alegre: EdiPUCRS, 2014.
  • SANTOS, Roberto Elísio; VERGUEIRO, Waldomiro. A História em Quadrinhos no Brasil: análise, evolução e mercado. São Paulo: Laços, 2011.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: