Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Valéria Piccoli

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.11.2019
Valeria Piccoli Gabriel da Silva (Campinas, São Paulo, 1967). Curadora, pesquisadora e historiadora da arte. Dedica-se a pesquisas sobre arte brasileira dos séculos XIX e XX, com ênfase na produção de artistas viajantes europeus que passaram pelo país nesse período.

Texto

Abrir módulo

Valeria Piccoli Gabriel da Silva (Campinas, São Paulo, 1967). Curadora, pesquisadora e historiadora da arte. Dedica-se a pesquisas sobre arte brasileira dos séculos XIX e XX, com ênfase na produção de artistas viajantes europeus que passaram pelo país nesse período.

Em 1991, gradua-se em arquitetura e urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP). Sob orientação da curadora e historiadora da arte Aracy Amaral (1930), defende o trabalho de iniciação científica Nossa Senhora do Pilar, uma Devoção Espanhola na América Portuguesa: Inventário de Imagens e Análise Estilística.

Entre 1992 e 1996, participa como pesquisadora de diversos projetos de exposições e livros sobre arte brasileira. Entre eles, destacam-se O Brasil dos Viajantes (1994), exposição e livro organizados pela historiadora da arte Ana Maria Belluzzo, e Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner (1998), livro organizado por Aracy Amaral.

Entre 1997 e 2000, atua como assistente de curadoria da 24ª Bienal Internacional de São Paulo, que tem como curador-geral Paulo Herkenhoff (1949). Atua especificamente no “Núcleo Histórico: Antropofagia e Histórias de Canibalismos”.

Em 2001, obtém o título de mestre em história da arte pela FAU/USP. Sob orientação de Ana Maria Belluzzo, defende a dissertação A Pátria de Mi­nhas Saudades: o Brasil na “Viagem Pitoresca e Histórica” de Debret, que tem como objeto de estudo o livro publicado pelo artista francês Jean-Baptiste Debret (1768-1848) sobre seus anos de residência no Brasil. Piccoli elucida como o livro é percebido pela crítica brasileira ao longo do tempo e repensa a inscrição histórica da obra, propondo que, mais do que contar a história pela pintura, Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil combina palavra e representação visual para gerar uma narrativa histórica brasileira.

De 2002 a 2008, integra como pesquisadora e curadora assistente a equipe da Coleção Brasiliana da Fundação Estudar (CBFE). Formada por pinturas, aquarelas, desenhos e gravuras, em sua maior parte do século XIX, a Coleção Brasiliana traz uma eclética mistura de autores brasileiros e internacionais que retratam temas e cenários da vida no Brasil. Em 2007, ela é doada à Pinacoteca do Estado de São Paulo, momento em que Piccoli passa a integrar a equipe de curadoria do museu.

Em 2010, obtém o título de doutora em História da Arte pela FAU/USP. Novamente sob orientação de Ana Maria Belluzzo, defende a tese Figurinhas de Brancos e Negros: Carlos Julião e o Mundo Colonial Português. Carlos Julião (1740-1811) é um militar de origem italiana a serviço do exército português a quem são atribuídos documentos iconográficos. Ao incorporar representações de tipos sociais, esses documentos ultrapassam o campo estrito do desenho militar. Em sua tese, Piccoli examina a obra de Julião no intuito de encontrar um lugar para sua produção no contexto da História da Arte no Brasil Colônia. No entanto, conclui que a obra do militar não deve ser enquadrada no gênero artístico, mas no figurativo, devido ao aspecto codificado de sua prática iconográfica.

Na Pinacoteca, coordena o projeto de reformulação da exposição do acervo, que resulta na exposição Arte no Brasil: uma História na Pinacoteca de São Paulo (2011), bem como a instalação da coleção de arte moderna do museu na Galeria José e Paulina Nemirovsky (2016). Em 2012, ocupa o cargo de curadora chefe da instituição e torna-se responsável pela coordenação da equipe de acervo e pela curadoria de diversas exposições. Entre elas, destacam-se Vistas do Brasil (2012), exposição baseada na apresentação do papel de parede panorâmico de autoria de Jean-Julien Deltil (1791-1863); Coleções em Diálogo: Museu Paulista e Pinacoteca de São Paulo (2016), com curadoria de Fernanda Pitta (1973); Vlavianos: Trajetória (2017), mostra vencedora do Grande Prêmio da Crítica da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA); além das individuais Ernesto Neto: Sopro (2019) e Grada Kilomba: Desobediências Poéticas (2019).

Piccoli também colabora com projetos internacionais, como a mostra Terra Brasilis (2011), parte do Festival Europalia.Brasil, ocorrido em Bruxelas, e a exposição Paisagem nas Américas: Pinturas da Terra do Fogo ao Ártico (2015-2016), com curadoria de Georgiana Uhlyarik e Peter John Brownlee, apresentada na Art Gallery of Ontario em Toronto (Canadá), no Crystal Bridges Museum of American Art em Bentonville (Estados Unidos) e na Pinacoteca de São Paulo. Esta última exposição examina a pintura de paisagem em um contexto pan-americano, desde as primeiras décadas do século XIX até o início do século XX, e recebe o prêmio de excelência da American Association of Museum Curators AAMC.

A pesquisa histórica aliada à curadoria marca, desde o início de sua formação, a trajetória profissional de Valéria Piccoli. Ela contribui ativamente com a investigação, análise, catalogação e exposição de obras, coleções e acervos de arte brasileira, sobretudo do século XIX e XX. Como resultado de seu trabalho, diversos livros e catálogos sobre arte brasileira são publicados no país e no exterior, estimulando a documentação, a pesquisa e a reflexão teórica na área.

Exposições 17

Abrir módulo

Instalações 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 8

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: