Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Joel Zito de Araújo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.07.2021
10.11.1954 Brasil / Minas Gerais / Nanuque
Joelzito Almeida de Araújo (Nanuque, Minas Gerais, 1954). Diretor, roteirista, escritor e pesquisador. É tido como um dos responsáveis pela implantação do chamado cinema negro, tanto na ficção quanto no documentário, com filmes que debatem o racismo e a desigualdade entre negros e brancos. O tema também se encontra em suas pesquisas universitári...

Texto

Abrir módulo

Joelzito Almeida de Araújo (Nanuque, Minas Gerais, 1954). Diretor, roteirista, escritor e pesquisador. É tido como um dos responsáveis pela implantação do chamado cinema negro, tanto na ficção quanto no documentário, com filmes que debatem o racismo e a desigualdade entre negros e brancos. O tema também se encontra em suas pesquisas universitárias, particularmente, na presença dos afrodescendentes no audiovisual.

Forma-se em psicologia na Fundação Mineira de Educação e Cultura (Fumec) e faz mestrado em Sociologia da Educação na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Entretanto, é como bancário, nos anos 1980, que Araújo se aproxima da militância. Exibe filmes em bairros populares e trabalha nos setores de educação e TV de entidades sindicais, antes de se dedicar à sua produção. 

Em 1988, vira sócio da produtora Tapiri Cinema e Vídeo. Temáticas referentes às desigualdades raciais ocupam sua carreira cinematográfica, desde o primeiro curta, Memórias de Classe (1989), sobre negros no movimento operário paulista. A obra ganha o prêmio de “Melhor Roteiro” no Festival Ford/Anpocs.
Curtas e médias do início de sua cinematografia, como Alma Negra da Cidade (1990), São Paulo Abraça Mandela (1991) e Retrato em Preto e Branco (1992), discutem o negro como agente ativo da cultura brasileira. Também questionam aspectos do senso comum, como a pretensa “democracia racial”.

Uma de suas produções mais conhecidas, o documentário A Negação do Brasil (2000), é fruto da tese de doutorado na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), defendida em 1999, assim como um livro de mesmo nome lançado no ano seguinte. No documentário, o diretor analisa a representação da população negra nas telenovelas entre 1963 e 1997. Mostra que, quase sempre, personagens afrodescendentes contam com papéis subalternos e secundários. Para comentar, são convidadas as atrizes Ruth de Souza (1921), Léa Garcia (1933), Zezé Motta (1944) e Maria Ceiça (1965), assim como o ator Milton Gonçalves (1934). Os artistas narram experiências profissionais, em primeira pessoa, sobre a violência do racismo. O filme ganha o prêmio de “Melhor Documentário” no Festival É Tudo Verdade. Ainda na produção acadêmica, entre 2001 e 2002, realiza pós-doutorado na Universidade do Texas, em Austin, Estados Unidos, e escreve artigos em publicações especializadas, com ênfase na representatividade dos negros. 

Em 2004, estreia o seu primeiro longa ficcional, o drama Filhas do Vento, retratando a relação entre irmãs negras no interior de Minas Gerais. No filme, duas irmãs se reencontram depois de 45 anos separadas por um mal-entendido. O enredo se passa ao redor das mágoas de uma família e de seus reencontros e permite reflexão e denúncia do racismo e do preconceito de gênero existente na formação da identidade negra no país. O filme ganha prêmios no Festival de Gramado como os de “Melhor Diretor”, “Melhor Atriz” e “Melhor Atriz Coadjuvante” para Léa Garcia e Ruth de Souza. Além da temática racial, este e outros títulos revelam o comprometimento do diretor com a causa das mulheres, grupo social que, ao lado dos negros, é menosprezado numa sociedade racista e machista. Não à toa, suas obras costumam exibir o protagonismo de mulheres negras: o autor se compromete com o resgate de sua origem e autoestima racial, inspirado na trajetória da própria mãe, Dona Rozita. O média-metragem Almerinda, uma Mulher de Trinta (1989), focado em Almerinda Farias Gama (1899-1992), uma das primeiras negras na política do país, ganha o prêmio de “Melhor Documentário” no Festival Guarnicê de Cinema.

Obras posteriores indicam uma ampliação do foco de Joel para além do Brasil. Em Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado (2008), o diretor conta o sonho de mulheres pobres de ir viver na Europa, que acabam vítimas da exploração sexual. Em 2010, organiza o livro O Negro na TV Pública, lançado pela Fundação Cultural Palmares. Durante pesquisas na América do Norte, ainda no doutorado, cria rede de contatos com fundações como Ford, McArthur e Kellogg, que financiam parte de seus filmes. O cineasta norte-americano Spike Lee (1957), professor na Universidade de Nova York, costuma ter a trajetória comparada à sua, dadas as afinidades temáticas das obras e o relevo nos circuitos das instituições de ensino superior. 

Em 2012, lança Raça, codirigido com a cineasta norte-americana Megan Mylan (1969), que expõe a luta por políticas afirmativas. Já o longa Meu Amigo Fela (2019) retraça aspectos da vida do músico nigeriano Fela Kuti (1938-1997). Para a produção, Joel Zito viaja à Nigéria e conversa com o biógrafo e amigo pessoal do músico. Ainda em aproximação com o continente africano, o diretor ajuda a criar curso de pós-graduação em cinema no Mindelo, Cabo Verde. No Canal Brasil, dirige o programa Espelho, apresentado pelo ator Lázaro Ramos (1978). Ainda na TV, é curador da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC).

Empenhado intelectual e artisticamente na compreensão e denúncia do racismo na sociedade brasileira, Joel Zito se destaca por  meio de uma produção cinematográfica e universitária, paralela a atuação militante que, há décadas, põe em pauta a desigualdade racial no país e dá voz para quem vive o racismo.

Festivais 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 2

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Joel Zito de Araújo - Série Encontra - Arte 1 (2019)
Joel Zito de Araújo, é entrevistado em sua casa, afastada da região metropolitana do Rio de Janeiro. Ele fala sobre a experiência no cinema, as dificuldades de financiamento e as reflexões sobre colonialismo, racismo e a questão de classe, implícita em sua trajetória pessoal e profissional. Gisele Kato também o convida a refletir sobre as filhas e a família, a paixão pela culinária indiana, as parcerias e os amigos.

A Enciclopédia Itaú Cultural apresenta a série Encontra, produzida pelo canal Arte 1. Em um bate-papo com Gisele Kato, o público é convidado a entrar nas casas e ateliês dos artistas, conhecendo um pouco mais sobre os bastidores de suas produções.

Créditos
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Arte 1
Direção: Gisele Kato/ Ricardo Sêco
Produção: Yuri Teixeira
Edição: Tauana Carlier

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: