Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Bustamante Sá

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.05.2017
31.07.1907 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
17.03.1988 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução Fotográfica Gustavo Bustamante Sá

Luiz Carlos Fortes Bustamante Sá, 1959
Bustamante Sá
Barro e tinta fosca sobre papel
Coleção da Família

Rubem Fortes Bustamante Sá (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1907 - Idem 1988). Pintor, desenhista e professor. Em 1926, ingressa na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), onde tem aulas com Rodolfo Amoedo (1857-1941) e Augusto Bracet. Dois anos depois, expõe pela primeira vez no Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM). Com outros artistas, sai da ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Rubem Fortes Bustamante Sá (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1907 - Idem 1988). Pintor, desenhista e professor. Em 1926, ingressa na Escola Nacional de Belas Artes (Enba), onde tem aulas com Rodolfo Amoedo (1857-1941) e Augusto Bracet. Dois anos depois, expõe pela primeira vez no Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM). Com outros artistas, sai da Enba para fundar o Núcleo Bernardelli, em 1931. Participa do 1º Salão do Núcleo Bernardelli, um ano depois. É aluno de Manoel Santiago (1897 - 1987) e pinta freqüentemente ao ar livre com os colegas Milton Dacosta (1915 - 1988) e José Pancetti (1902-1958). Em 1936, ganha a medalha de prata do SNAM e, em 1938, o prêmio de viagem ao país, graças ao que visita Salvador, Recife, Porto Alegre, Curitiba e São Paulo, registrando as paisagens locais. Em 1949, recebe o prêmio de viagem ao estrangeiro. Vai a Lisboa, Madri e Paris. Nesta última cidade, freqüenta a Académie Julian, sob a orientação de Chaplain-Midy e André Planson. Quando volta ao Rio de Janeiro, em 1952, participa novamente do SNAM. Realiza exposições pelo Brasil e algumas no exterior, como, em 1974, Salônica, na Grécia, Toronto, Nova York e países da América do Sul. É professor da Associação Brasileira de Desenho, que ajuda a fundar, e do Instituto Nacional de Educação de Surdos, pelo qual se aposenta. Em 1986, o pintor e crítico Quirino Campofiorito (1902 - 1993) lança um livro sobre sua pintura.

Análise

Bustamante Sá é mais conhecido por suas paisagens. Entretanto, segundo o pintor e crítico Quirino Campofiorito, antes da viagem à Europa, o pintor dedica-se também a outros gêneros de pintura, devido à necessidade de ganhar os prêmios oferecidos pelos salões, já que é de origem pobre e tem de trabalhar para sustentar sua família1. Seu envolvimento no Núcleo Bernardelli é condizente com sua situação social e também indica um antiacademicismo que inclui a crítica à hierarquia dos gêneros e à pintura em ateliê. Mas as instituições são acadêmicas na época e é com Retrato do Pintor Gibson (1948), que Bustamante recebe como prêmio uma viagem ao estrangeiro. O quadro é escuro e dominado por tons de cinza. O retratado está em pé à direita modelando uma escultura em frente ao que parece ser um esboço em uma tela, ainda sem cor. Os únicos tons quentes estão na pele do pintor e em sua gravata vermelha. Graças à distinção, Bustamante tem um contato direto com os mestres europeus. Interessa-se especialmente pela paisagem de Jean-Baptiste Camille Corot (1796 - 1975) e de Paul Cézanne (1839 - 1906), ainda segundo Quirino Campofiorito2. A importância das formas geométricas na visualização da natureza, conforme compreendida por Cézanne, é um traço marcante dos quadros do artista. Suas vistas apresentam poucas curvas e as formas são simplificadas. São aplicadas  pinceladas em ziguezague, que formam planos de cor e não marcam. Nisso, a pintura de Bustamante lembra a do professor do Núcleo Bernardelli Bruno Lechowski (1887-1941) e de seu discípulo José Pancetti, com quem Bustamante pinta. Outra característica de seu trabalho são os tons rebaixados. Em geral, não há cores intensas e passa-se de uma cor a outra sem sobressaltos. Outra cor, apenas excepcionalmente.3

Notas

1. CAMPOFIORITO, Quirino. A pintura de Bustamante Sá. Rio de Janeiro: Cabicieri Editorial, 1986, p 133-135.

2. Idem, p. 36-38.

3. Ibidem, p. 30.

Obras 26

Abrir módulo
Registro Fotográfico Gustavo Bustamante Sá

Cabo Frio (RJ)

Óleo sobre tela

Exposições 60

Abrir módulo

Eventos relacionados 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 18

Abrir módulo
  • - CAMPOFIORITO, Quirino. A Pintura de Bustamante Sá. Rio de Janeiro: Cabicieri Editorial, 1986. (Aquarela do Brasil). 759.98104 S111c
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed.
  • AYALA, Walmir. Le Brésil par ses artistes. Rio de Janeiro, RJ: Nórdica, s.d. 211 il. color.
  • BUSTAMANTE Sá um ano depois de ir. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 20 de mar. de 1989.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. A Pintura de Bustamante Sá. Apresentação Jorge Cabicieri; introdução Quirino Campofiorito; edição Jorge Cabicieri, Lindinaura Cabicieri. Rio de Janeiro: Cabicieri Editorial, 1986. 291 p., il. color. (Aquarela do Brasil).
  • CATÁLOGO do 1º Salão do Núcleo Bernardelli. Junho 1932.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • LOUZADA, Maria Alice do Amaral. Artes plásticas Brasil 1996: seu mercado, seus leilões. São Paulo: Júlio Louzada, 1996. v. 8. R702.9 L895a v.8
  • MORAIS, Frederico. Núcleo Bernardelli: arte brasileira nos anos 30 e 40. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982. 136 p., il. p&b color.
  • MOSTRA itinerante do acervo do Margs.Porto Alegre: Margs, [2000].
  • O REDESCOBRIMENTO do Brasil. Texto Ricardo Ramos. São Paulo: Ranulpho Galeria de Arte, 1987.
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998. IC 708 P438 1998
  • PINTURA Brasil Século XIX e XX: obras do acervo Banco Itaú. São Paulo: Instituto Cultural Itaú, 1989.
  • RIO perde um de seus paisagistas. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 21 de mar. de 1988.
  • TEMPO de madureza. São Paulo: Ranulpho Galeria de Arte, 1986.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: