Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Yamandu Costa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.11.2021
24.01.1980 Brasil / Rio Grande do Sul / Passo Fundo
Yamandu Costa (Passo Fundo, Rio Grande do Sul, 1980). Violonista, compositor, arranjador. Especialista em violão de sete cordas, Yamandu Costa constrói composições e releituras de composições clássicas da música latino-americana explorando as possibilidades do instrumento, na mistura de diferentes ritmos com base no improviso e na performance.

Texto

Abrir módulo

Yamandu Costa (Passo Fundo, Rio Grande do Sul, 1980). Violonista, compositor, arranjador. Especialista em violão de sete cordas, Yamandu Costa constrói composições e releituras de composições clássicas da música latino-americana explorando as possibilidades do instrumento, na mistura de diferentes ritmos com base no improviso e na performance.

Além dos discos que escuta na infância, seu pai, Algacir Costa, violonista, trompetista e professor de música, e sua mãe, a cantora Clari Marson, são os responsáveis pelo seu interesse pela música e pelas primeiras aulas de violão. Ainda criança, no Rio Grande do Sul, participa de programas de rádio. Tem aulas de violão dos 7 aos 15 anos, mesmo período em que acompanha o grupo Os Fronteiriços, de seu pai. Depois, tem aulas com o violonista argentino Lúcio Yanel (1946). Aprende a tocar violão de seis, sete - no qual se especializa e oito cordas.

Yamandu transita entre diferentes estilos como choro e música clássica, mas também traz em seu repertório ritmos tradicionais gaúchos aprendidos em seu local de origem, como milongas e chamamés, além de estilos latinos, como o tango. Em 1999, grava o disco independente Diamandu, que inclui no repertório “Samba do Avião”, de Tom Jobim (1927-1994), e “Lamento do Morro”, de Garoto (1915-1955). Em 2001, lança o disco Dois Tempos, com Lúcio Yanel. No mesmo ano, ganha projeção nacional com seu primeiro álbum solo, Yamandu. Além de composições próprias, como “Chamamé”, “Cristal”  e “Habanera”, Yamandu faz releituras de temas como "Brejeir", de Ernesto Nazareth (1863-1934), e “Flamengo”, de Bonfiglio de Oliveira (1891-1940).

As influências latinas aparecem em diversos de seus trabalhos. O disco em que elas sobressaem é El Negro del Blanco (2004), ao lado do clarinetista Paulo Moura (1932-2010). Neste trabalho, são registrados temas como “Duerme Negrito” (Atahualpa Yupanqui), “La Paloma” (Sebastian Yradier) e “Valsa Venezuelana nº 3” (Antônio Lauro). Em 2003, lança Yamandu ao Vivo, com apenas dois temas seus: “Samba Meu” e “Tareco nº 1”, em parceria com Rogério Souza. 

Com projeção internacional, realiza concertos e grava alguns álbuns em estúdios estrangeiros. Entre eles Tokio Session, Ida e Volta, Lida (2006), gravado no Brasil, mas com algumas faixas tiradas de apresentação no Melbourne Jazz Festival e em 2007, é solista convidado da Orchestre National de France, com regência de Kurt Masur (1927-2015), no concerto da Anistia Internacional, em Paris.

Com amplo domínio técnico sobre o violão de sete cordas, desde seu surgimento ele é comparado com o violonista carioca Raphael Rabello (1962-1995). Assim como Rabello, é discípulo da mesma linhagem de Dino Sete Cordas, Meira e Baden Powell (1937-2000), condensando estilos e linguagens de cada um deles. Além da influência desses músicos, Costa imprime identidade própria na forma de tocar, como é mostrado nos arranjos feitos em diferentes discos para as músicas “Sons de Carrilhões”, de João Pernambuco (1883-1947), “Lamentos do Morro”, de Garoto, “Meu Avô”, de Raphael Rabello e “Manhã de Carnaval”, de Luiz Bonfá (1922-2001). Yamandu usa o violão de sete cordas para renovar, através de releituras, clássicos da música latina-americana.

Além do virtuosismo e domínio técnico no instrumento, Costa é criticado pelo excesso, marcado por andamentos muito acelerados e grande quantidade de notas, soando, para alguns, com pouco brilho e nitidez. No decorrer dos anos, passa a equilibrar momentos de virtuose com outros mais contidos e equilibrados, colocando a música também a serviço do sentimento e da emoção. Nesse sentido, nota-se um amadurecimento principalmente em trabalhos em duo, com Paulo Moura, Dominguinhos (1941-2013), Hamilton de Holanda (1976) e Valter Costa. Nos discos registrados com esses músicos, aprende a dosar momentos em que ganha destaque como solista com outros em que atua como acompanhante, tocando com equilíbrio e fazendo caminhos harmônicos e linhas de baixo muito originais, criativos e complementares às melodias e aos improvisos de seus parceiros. 

Como compositor, Yamandu Costa realiza uma obra pensada para uma linguagem violonística, mas também escreve temas para outros instrumentos, como “Samba do Véio”, “Cochichado” e “Luz da Aurora”, feitos em parceria com Hamilton de Holanda. As composições são reflexo de seu aprendizado como instrumentista. Ele não se limita a interpretar obras de apenas um gênero compondo em diferentes estilos, como o “Choro pro Gago”, o “Samba pro Rapha”, ritmos tradicionais gaúchos como “Chamamé” e latinos como “Habanera”. Também compõe a “Suíte Interiores para Violão de 7 Cordas”, “Bandolim de 10 Cordas” e “Orquestra”, escrita pelo violonista em parceria com Hamilton de Holanda, com orquestração do violonista Paulo Aragão, em encomenda feita pelo maestro Roberto Minczuk, com estreia em 2011, em concerto com a Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB).

Yamandu Costa trabalha renovando a música popular brasileira e latino-americana através do improviso e da exploração  do violão de sete cordas, levando mais em consideração a possibilidades do instrumento e a performance do que as exigências de uma interpretação fiel à composição.

Obras 38

Abrir módulo

Espetáculos 3

Abrir módulo

Shows musicais 2

Abrir módulo

Mídias (1)

Abrir módulo
Yamandu Costa - Série Encontra - Arte 1 (2019)
Yamandu Costa, violonista, apresenta seus instrumentos com carinho, dos mais antigos até o adquirido mais recentemente. Lembra do deslumbramento ao ver os violões de seu pai – em que não podia encostar –, fala sobre seu próprio processo criativo e como a casa em que mora foi pensada para receber sua produção artística e os amigos, com o mesmo aconchego. Lembra, também, o que sentiu ao saber da composição de Gilberto Gil em sua homenagem, o desejo de retribuir com outra música e a afetividade com seus gatos.

A Enciclopédia Itaú Cultural apresenta a série Encontra, produzida pelo canal Arte 1. Em um bate-papo com Gisele Kato, o público é convidado a entrar nas casas e ateliês dos artistas, conhecendo um pouco mais sobre os bastidores de sua produção.

Créditos
Presidente: Milú Villela
Diretor-superintendente: Eduardo Saron
Superintendente administrativo: Sérgio Miyazaki
Núcleo de Enciclopédia
Gerente: Tânia Rodrigues
Coordenação: Glaucy Tudda
Núcleo de Audiovisual e Literatura
Gerente: Claudiney Ferreira
Coordenação: Kety Nassar
Arte 1
Direção: Gisele Kato/ Ricardo Sêco
Produção: Yuri Teixeira
Edição: Patrícia Sato

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • BARBOSA, Valdinha e DEVOS, Anne Marie. Radamés Gnattali - O Eterno Experimentador. Rio de Janeiro: Editora Funarte, 1984.
  • CAZES, Henrique. Choro: Do Quintal ao Municipal. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.
  • ENTREVISTAS com Yamandu Costa, Hamilton de Holanda, Guinga, Marcus Tardelli, Joel Nascimento publicadas no Caderno2, do jornal O Estado de S. Paulo (feitas por Lucas Nobile).
  • MARQUES, Mario. Guinga - Os mais belos acordes do subúrbio. Rio de Janeiro: Gryphus, 2002.
  • NOGUEIRA, Genésio. Dilermando Reis - Sua Majestade, o Violão. Rio de Janeiro: Ed. Independente, 2001.
  • SANTOS, Turíbio. Mentiras... Ou Não? - Uma Quase Biografia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.
  • SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo: 85 anos de músicas brasileiras (vol. 1: 1901-1957). São Paulo: Editora 34, 1997. (Coleção Ouvido Musical).
  • WISNIK, José Miguel. O Som e o Sentido - Uma Outra História das Músicas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
  • YAMANDU COSTA. Site oficial do artista. 2015. Disponível em: < https://yamandu.com.br/ >. Acesso em: 27 maio 2019.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: