Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Hansen Bahia

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 31.03.2017
19.04.1915 Alemanha / Hamburgo / Hamburgo
14.06.1978 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica João L. Musa/Itaú Cultural

Tecendo a Rede, 1954
Hansen Bahia
Xilogravura

Karl Heinz Hansen (Hamburgo, Alemanha, 1915 - São Paulo, SP, 1978). Gravador, escultor, pintor, ilustrador, poeta, escritor, cineasta e professor. Entre 1936 e 1945, serve como soldado na Segunda Guerra Mundial (1939-1945), e atua como ilustrador de histórias infantis. Realiza suas primeiras xilogravuras entre 1946 e 1948. Emigra para o Brasil e...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Karl Heinz Hansen (Hamburgo, Alemanha, 1915 - São Paulo, SP, 1978). Gravador, escultor, pintor, ilustrador, poeta, escritor, cineasta e professor. Entre 1936 e 1945, serve como soldado na Segunda Guerra Mundial (1939-1945), e atua como ilustrador de histórias infantis. Realiza suas primeiras xilogravuras entre 1946 e 1948. Emigra para o Brasil em 1950, instala-se em São Paulo e trabalha para a Companhia Melhoramentos até 1955, ano em que se muda para Salvador. Em 1957, ilustra a publicação Flor de São Miguel, com textos de Jorge Amado (1912-2001), Vinicius de Moraes (1913-1980) e de sua autoria. No ano seguinte realiza ilustrações para Navio Negreiro, de Castro Alves (1847-1871). Retorna à Alemanha em 1959, lá permanecendo até 1963, enquanto trabalha no ateliê de gravura fundado por ele mesmo no castelo Tittmoning. Vive na Etiópia entre 1963 e 1966, onde ajuda a estabelecer a Escola de Belas Artes da cidade de Addis Abeba. Retorna a Salvador e naturaliza-se, adotando o nome artístico de Hansen Bahia. Torna-se professor de artes gráficas da Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em 1967. Muda-se para São Félix, Bahia, em 1970, e lá reside até seu falecimento, em 1978. Dois anos antes de sua morte, doa em testamento sua produção artística para a cidade de Cachoeira, Bahia, onde é criada a Fundação Hansen Bahia, que recebe seu acervo artístico de xilogravuras, matrizes, livros, pinturas, prensas e ferramentas de trabalho.

Análise

Em 1957, Hansen Bahia realiza uma série de xilogravuras para ilustrar a publicação Flor de São Miguel, que conta com textos de sua autoria, de Jorge Amado e Vinicius de Moraes. Nessas xilogravuras, o artista alemão, radicado na Bahia, explora o tema da prostituição, com base em observação no centro histórico de Salvador. Em várias dessas estampas, Hansen trabalha com mais uma cor além do preto e do branco (azul, marrom, vermelho), ressaltando o aspecto dramático das cenas e figuras de um universo ao mesmo tempo lúdico e precário.

Essas cenas são ambientadas no interior dos prostíbulos ou próximas a suas fachadas, revelando o quarto azul da mãe-meretriz, a moça negra já nua esperando o cliente na janela, a calçada movimentada com o vai e vem dos frequentadores. O talho tosco e o traço irregular, quando passados à estampa, conferem-lhe um aspecto desgastado, construindo um mundo de superfícies carcomidas habitado por criaturas cujos corpos arredondados exibem em sua pele as ranhuras da madeira. O talho, aliás, serve tanto para delinear o contorno dos corpos quanto para formar a superfície estriada de uma coxa ou uma face, amalgamando-os ao chão de velhas tábuas, às camas de cabeceiras arranhadas, às paredes sulcadas, dotando a imagem de um aspecto visualmente homogêneo, como se as pessoas e coisas ali vistas não fossem muito diferentes umas das outras, uma vez que partilham a mesma origem, a mesma lida e o mesmo destino.

Obras 2

Abrir módulo
Reprodução fotográfica João L. Musa/Itaú Cultural

Tecendo a Rede

Xilogravura
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

[Dor]

Xilogravura

Exposições 50

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 17

Abrir módulo
  • BAHIA, Hansen. A ópera dos três vinténs. Salvador: Museu de Arte Moderna da Bahia, 2000. [28] p. , il. p&b.
  • BAHIA, Hansen. Hansen Bahia. Salvador: Instituto Cultural Brasil-Alemanha, 1999. 1 folha dobrada, il. color.
  • BAHIA, Hansen. Hansen viver Bahia. Texto Augusto Leciague Régis Neto, Maria Adriana Almeida Couto de Castro, Sônia Bastos; fotografia Elias Mascarenhas. Cachoeira: Fundação Hansen Bahia, 2000. folha dobrada.
  • BAHIA, Hansen. Mulheres: catálogo. Apresentação Paulo Gaudenzi; texto Augusto Leciague Régis Neto, Maria Adriana Almeida Couto de Castro; comentário Jorge Amado et al.; projeto gráfico Heraldo Alvim, Carlos Casal; produção Augusto Leciague Régis Neto; fotografia Heraldo Alvim, Elias Mascarenhas; Cachoeira: Fundação Hansen Bahia, 1997. [60].
  • GRAVURA paulista. Curadoria Evandro Carlos Jardim. São Paulo: Galeria de Arte São Paulo, 1995.
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000.
  • HANSEN BAHIA. Site oficial do artista. Disponível em: http://www.hansenbahia.com.br/hansen-cronologia.html. Acesso em: 28 out. 2015.
  • HANSEN BAHIA: retrospectiva. São Paulo: Conjunto Cultural da Caixa, 2000. Não catalogado
  • LEITE, José Roberto Teixeira. A gravura brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Rio, 1965.
  • LUKIAN: o diálogo das héteras. Salvador: Fundação Hansen Bahia, 1999. 1 folha dobrada, il. color.
  • MOSTRA DE GRAVURA CIDADE DE CURITIBA, 6., 1984. VI Mostra de Gravura Cidade de Curitiba: 1984 - Pan-Americana. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 1984.
  • PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1969, São Paulo, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1969. São Paulo: MAM, 1969. Não catalogado
  • PFEIFFER, Wolfgang. Artistas alemães e o Brasil. São Paulo: Empresa das Artes, 1996.
  • ROCHA, Carlos Eduardo da. Amador das artes: 50 anos de crítica das artes. Salvador: Prova do Artista, 1992. 120 p. il. p&b.
  • SALÃO PAULISTA DE ARTE MODERNA, 3., 1954, São Paulo. III Salão Paulista de Arte Moderna. São Paulo: Galeria Prestes Maia, 1954. Não catalogado
  • SALÃO PAULISTA DE ARTE MODERNA, 4., 1955, São Paulo. 4º Salão Paulista de Arte Moderna. São Paulo: Galeria Prestes Maia, 1955.
  • XILOGRAVURA: do cordel à galeria. São Paulo: Metrô, 1994.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: