Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Castagneto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.07.2022
27.11.1851 Itália / Ligúria / Gênova
29.12.1900 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro

Roupas no Varal de uma Casa em Petrópolis, 1890
Castagneto
Óleo sobre cartão, c.i.e.
18,00 cm x 23,00 cm

Giovanni Battista Felice Castagneto (Gênova, Itália, 1851 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1900). Pintor, desenhista, professor. É considerado um importante nome da pintura brasileira de marinhas e paisagens litorâneas. Aliando a execução rápida e angustiada a um grande lirismo, a pintura de Castagneto apresenta, ao mesmo tempo, suavidade e vio...

Texto

Abrir módulo

Giovanni Battista Felice Castagneto (Gênova, Itália, 1851 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1900). Pintor, desenhista, professor. É considerado um importante nome da pintura brasileira de marinhas e paisagens litorâneas. Aliando a execução rápida e angustiada a um grande lirismo, a pintura de Castagneto apresenta, ao mesmo tempo, suavidade e violência, tal como o mar, personagem principal de sua obra. 

Giovanni Castagneto nasce em Gênova, na Itália, e, na juventude, exerce a profissão de marinheiro. Acompanhado de seu pai, vai para o Rio de Janeiro em 1874. Em 1878 ingressa na Academia Imperial de Belas Artes (Aiba). Desde o início, volta-se para a representação da natureza, em especial para a pintura de marinhas. Seus primeiros trabalhos já revelam as características essenciais de sua produção: as pinceladas livres, o forte gestualismo e a tendência ao monocromatismo, como vemos, por exemplo, em Trapiche na baía do Rio de Janeiro (1883).

De 1882 a 1884, estuda a disciplina de paisagem sob orientação do professor italiano Georg Grimm (1846-1887). Acompanha o professor quando este rompe com a AIBA e cria um ateliê ao ar livre, na praia de Boa Viagem, em Niterói, integrando, assim, o Grupo Grimm. A admiração pela obra de Grimm está na percepção da paisagem, na escolha de motivos, na sintetização dos elementos e na restrição da paleta, como no quadro Porto do Rio de Janeiro (1884). No entanto, a grande contribuição do mestre para a produção de Castagneto é a técnica de pintura en plein air (ao ar livre), uma vez que Grimm é o primeiro professor a ensiná-la na AIBA.

Castagneto tem uma atividade intensa na pintura, caracterizada pela elaboração de diversas séries de obras que permitem avaliar o estudo que o artista faz da natureza e das mutações da atmosfera marinha. Desloca-se com frequência para Niterói, fixando aspectos do litoral. Representa muitas vezes a praia de Santa Luzia: os efeitos da luz no mar e as reformas da igreja. Realiza uma série de marinhas de Angra dos Reis, de pinceladas largas e agressivas, em que predominam os verdes e os cinzas.

O artista revela uma sensibilidade romântica, por meio da qual interpreta a natureza. Assim, suas representações do mar ou dos botes a seco são carregadas de sentimento. O tratamento pictórico é impulsivo e quase violento e percebe-se a pincelada cortante e o empastamento farto. Representa embarcações de pesca, simples canoas que adquirem dignidade e imponência, como em Canoa a seco na praia em Angra dos Reis (1886).

A temática é um dos aspectos inovadores da obra de Castagneto. Ao retratar pequenos barcos e pescadores humildes, rompe com a tradição da pintura marinha, cujo foco é a produção de verdadeiros documentos históricos que registram grandes barcos e batalhas. Porém, há um quadro atípico em sua produção: Uma salva em dia de grande gala na Baía do Rio de Janeiro (1887), concebido nos modelos da Academia para concorrer ao prêmio de viagem. O quadro é recusado pela AIBA e recebe muitas críticas nos jornais, causando profunda amargura no artista, cuja produção, nos anos seguintes, torna-se irregular. 

Viaja para a França em 1890 com o auxílio de amigos. Lá conhece Frédéric Montenard (1849-1926), pintor francês viajante que tem especial afeição por temas marinhos. Por conselho de Montenard, Castagneto estuda com François Nardi (1861-1936), outro  pintor francês de marinhas, com quem reside por um tempo em Toulon, na França. Nessa fase, o artista se concentra nas cenas de pesca e no estudo da atmosfera marinha. Seus temas são os botes a vela, muito coloridos, que ocupam enseadas próximas à cidade, como em Barco de pesca ancorado em Toulon (França) (1893), ou os efeitos de luz na água, como em Vista de Mourillon, Toulon, França (1892). Durante a estada em Toulon, o pintor diversifica sua paleta, trabalha as cores com mais liberdade e o desenho se estrutura. Em relação à produção anterior, o período francês representa certo enfraquecimento da potência romântica, pela adaptação aos cânones e busca de maior controle dos valores pictóricos.

De volta ao Brasil em 1893, inaugura, no ano seguinte, uma exposição individual, na Escola Nacional de Belas Artes (ENBA), com obras produzidas em Toulon. Seu fazer artístico se consolida. Observa-se em suas obras o retorno à gestualidade no manejo dos pincéis, as cores tornam-se mais sutis e muito suaves em relação às paisagens pintadas na França. O desenho rigoroso, que marca os contornos das formas, desestrutura-se, como pode ser visto em Trecho da praia de São Roque em Paquetá (1898). Predominam em seus quadros as cores claras, tons límpidos e transparentes, o uso de azuis-cinza, nuances de amarelo e verde-água. Destacam-se a originalidade dos trabalhos e o tratamento personalíssimo da superfície pictórica: os empastamentos muitas vezes são trabalhados com a espátula e, em certos pontos, até com o polegar. 

O pintor é descrito por seus contemporâneos como um homem à margem da sociedade, boêmio e inconformado com as convenções. O crítico Gonzaga Duque (1863-1911) o descreve como alguém manso e irascível, afirmando que "como o mar o seu temperamento é rebelde"1.

Castagneto é um nome importante da paisagística nacional devido à originalidade de sua obra, não só do ponto de vista técnico (pintura ao ar livre), mas também do temático (ao retratar a paisagem litorânea comum). Nesse sentido, suas pinturas também podem ser vistas como documentos históricos, pois eternizam certas paisagens em uma dada época e contam a história que geralmente não é contada, mas que é tão importante quanto os grandes eventos que a representam.

Notas

1. DUQUE, Gonzaga. A arte brasileira. Campinas: Mercado de Letras, 1995, p. 198.

Obras 70

Abrir módulo

Exposições 94

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 30

Abrir módulo
  • 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • 80 anos de arte brasileira. São Paulo: MAB, 1982. 24 p, il. p&b. color.
  • 80 anos de arte brasileira. Texto Carlos von Schmidt. São Paulo: MAB, 1982. 24 p, il. p&b. color.
  • ACQUARONE, Francisco; VIEIRA, Adão de Queiroz. Primores da pintura no Brasil. 2.ed. [Rio de Janeiro]: [s.n.], 1942. v. 1.
  • ARTE brasileira dos séculos XIX e XX nas coleções cearenses: pinturas e desenhos. Curadoria Max Perlingeiro. Fortaleza: Fundação Edson Queiroz. Espaço Cultural da UNIFOR, 1989. 132 p.
  • ARTE brasileira dos séculos XIX e XX nas coleções cearenses: pinturas e desenhos. Curadoria Max Perlingeiro. Fortaleza: Fundação Edson Queiroz. Espaço Cultural da UNIFOR, 1989. 132 p.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • CAMPOFIORITO, Quirino. A Proteção do Imperador e os pintores do Segundo Reinado: 1850 - 1890. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 80 p., il. color. (História da pintura brasileira no século XIX, 4).
  • CAMPOFIORITO, Quirino. História da pintura brasileira no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.
  • CASTAGNETO 1851-1900: Giovani Battista Castagneto. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1997. 96 p., il. p&b color.
  • DEZENOVEVINTE: uma virada no século. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1986.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DUQUE, Gonzaga. A Arte brasileira: pintura e esculptura. Rio de Janeiro: H. Lombaerts & C., 1888. 254 p.
  • DUQUE, Gonzaga. A arte brasileira: pintura e esculptura. Introdução Tadeu Chiarelli. Campinas: Mercado de Letras, 1995. (Arte: ensaios e documentos).
  • DUQUE, Gonzaga. Graves e Frívolos: por assumptos de arte. Lisboa: Clássica, 1910. 164 p. LR 701.18 D946g
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • LEVY, Carlos Roberto Maciel. Giovanni Battista Castagneto: 1851-1900, o pintor do mar. Prefácio Alcídio Mafra de Souza. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982. 235 p., il. p&b., color.
  • LEVY, Carlos Roberto Maciel. O Grupo Grimm: paisagismo brasileiro no século XIX. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1980.
  • LOUZADA, Maria Alice do Amaral. Artes plásticas Brasil 1996: seu mercado, seus leilões. São Paulo: Júlio Louzada, 1996. v. 8.
  • MARINHAS em grandes coleções paulistas. Apresentação Max Justo Guedes. São Paulo: Sociarte, 1998. 32 p.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte do século XIX. Curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • MUSEU de Arte Brasileira: 40 anos. São Paulo: MAB, 2001.
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998.
  • PINACOTECA do Estado de São Paulo: 1970. Curadoria Carlos von Schmidt, Donato Ferrari, Paulo Mendes de Almeida, Delmiro Gonçalves. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1970. 12 p. Exposição realizada no período de dez. 1970 a fev. 1971.
  • PINTURA Brasil Século XIX e XX: obras do acervo Banco Itaú. São Paulo: Instituto Cultural Itaú, 1989.
  • REIS JÚNIOR, José Maria dos. História da pintura no Brasil. Prefácio Oswaldo Teixeira. São Paulo: Leia, 1944.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).
  • SEIS grandes pintores. Santos: Fundação Pinacoteca Benedicto Calixto, 1993. 116 p.
  • SÃO PAULO (ESTADO). SECRETARIA DA CULTURA. Pintores Italianos no Brasil. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo. Secretaria de Estado da Cultura/Sociarte, 1982.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: