Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Cyro dos Anjos

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.04.2017
05.10.1906 Brasil / Minas Gerais / Montes Claros
04.08.1994 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Cyro Versiani dos Anjos (Montes Claros, Minas Gerais, 1906 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1994). Cronista, romancista, ensaísta, memorialista, jornalista e professor. Realiza seus estudos primários e secundários na cidade natal. Muda-se com a família para a capital Belo Horizonte, em 1923, onde, nove anos depois, em 1932, obtém o diploma em d...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Cyro Versiani dos Anjos (Montes Claros, Minas Gerais, 1906 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1994). Cronista, romancista, ensaísta, memorialista, jornalista e professor. Realiza seus estudos primários e secundários na cidade natal. Muda-se com a família para a capital Belo Horizonte, em 1923, onde, nove anos depois, em 1932, obtém o diploma em direito pela Faculdade Livre de Direito de Minas Gerais (integrada em 1949 à UFMG).

Paralelamente ao curso de graduação, atua na imprensa mineira publicando textos em jornais como Diário do Comércio, Diário da Manhã, Diário da Tarde, Estado de Minas e A Tribuna. Ainda no mesmo período, ingressa na carreira de servidor público do mesmo estado, ocupando posteriormente cargos de oficial de gabinete do governador e também da Secretaria de Finanças, além de diretor da imprensa oficial.

Em 1933, no jornal A Tribuna, publica na forma de crônicas trechos do que mais tarde seria seu primeiro romance, O Amanuense Belmiro, de 1937. Em 1945, publica seu segundo romance, Abdias, e inicia atuação como professor, lecionando literatura portuguesa na Faculdade de Filosofia de Minas Gerais, instituição da qual é um dos fundadores. Nas décadas seguintes, ministra aulas também em universidades no México, em Portugal, em Brasília e no Rio de Janeiro, cidade na qual passa a residir de forma definitiva a partir 1976.

Análise

O crítico Alcir Pécora, ao escrever sobre O Amanuense Belmiro, o define como “um dos livros mais incomuns da moderna literatura brasileira”. A singularidade do romance, segundo o crítico, reside na confluência dos gêneros literários que compõem e estruturam a obra, que tem como “seu efeito mais notável” justamente “um insolúvel de gêneros dentro de gêneros bem conhecidos como o romance, o diário e o memorial”.1

Essa mesma oscilação pode ser observada em Abdias, também amparado numa estrutura de diário, que registra os acontecimentos do presente; e de memorial, que serve para a evocação e a preservação do passado. Ao optar pela narrativa em primeira pessoa, Cyro dos Anjos incorre muitas vezes num registro lírico de impressões e sentimentos, bem como em reflexões de caráter filosófico que surgem a partir de temas cotidianos e às vezes banais. Segundo o crítico Reinaldo Marques, essa opção pela narrativa em primeira pessoa “relativiza a verdade do universo romanesco, apreendido de um ponto de vista marcadamente subjetivo, em contraponto à perspectiva mais distanciada e objetiva do narrador em terceira pessoa, com seu poder de onisciência”.2 Tais aspectos da narrativa o relacionam a Machado de Assis (1939-1908), especialmente em seus narradores de Dom Casmurro e Memorial de Ayres.

Estilisticamente, a obra se destaca por sua sobriedade e concisão, destoando das experimentações mais radicais da narrativa modernista que a precede. Não por acaso, o moderno autor mineiro é muitas vezes relacionado, no que diz respeito ao trato com a língua, não aos modernistas imediatamente anteriores, mas ao próprio Machado, que teria sido uma das suas grandes influências e um dos seus grandes modelos.

Notas

1 PÉCORA, Alcir. Um romance reticente. In: ANJOS, Cyro dos. O amanuense Belmiro. São Paulo: Globo, 2006.

2 MARQUES, Reinaldo. Um mundo suspenso. In: ANJOS, Cyro dos. Abdias. São Paulo: Globo, 2008.

Obras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • ANJOS, Cyro dos. Abdias. São Paulo: Globo, 2008.
  • ANJOS, Cyro dos. O amanuense Belmiro. São Paulo: Editora Globo, 2006.
  • ANJOS, Cyro dos. Poemas coronários. São Paulo: Globo, 2009.
  • MARQUES, Reinaldo. Um mundo suspenso. In: ANJOS, Cyro dos. Abdias. São Paulo: Globo, 2008.
  • MILANESI, Vera Márcia Paráboli. Cyro dos anjos: memória e história. São Paulo: Arte & Ciência, 1997.
  • PÉCORA, Alcir. Um romance reticente. In: ANJOS, Cyro dos. O amanuense Belmiro. São Paulo: Globo, 2006.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: