Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Ricardo Kanji

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.11.2021
1948 Brasil / São Paulo / São Paulo
Ricardo Kanji (São Paulo, São Paulo, 1948). Flautista, concertista, regente, pedagogo e construtor de flautas. Inicia-se no piano aos 7 anos com Tatiana Braunwieser. Aos 11 anos, prossegue os estudos com Lavinia Viotti, que lhe apresenta a flauta-doce e desperta no jovem o interesse pela música barroca. Aos 15 anos, estuda flauta transversal mod...

Texto

Abrir módulo

Ricardo Kanji (São Paulo, São Paulo, 1948). Flautista, concertista, regente, pedagogo e construtor de flautas. Inicia-se no piano aos 7 anos com Tatiana Braunwieser. Aos 11 anos, prossegue os estudos com Lavinia Viotti, que lhe apresenta a flauta-doce e desperta no jovem o interesse pela música barroca. Aos 15 anos, estuda flauta transversal moderna com João Dias Carrasqueira (1908-2000), integrando a Orquestras Filarmônica e a Sinfônica de São Paulo. Nos três anos que ali permanece, aprofunda seus conhecimentos sobre o repertório clássico e romântico. 

Em 1966, parte para os Estados Unidos e Canadá, onde conhece o flautista holandês Frans Brüggen (1934-2014). De volta ao Brasil, funda o conjunto Musikantiga, gravando o primeiro LP em 1968. Nesse mesmo ano, recebe uma bolsa para estudar flauta transversal na Peabody Institute of Music, em Baltimore. O desejo de se aprofundar no estudo da música barroca faz com que abandone o curso nos Estados Unidos e parta para a Holanda para estudar com Brüggen e Frans Vester (1922-1987), no Conservatório Real de Haia. Realiza em dois anos o curso de duração prevista de seis anos. Em 1972, obtém o solist diploma e é premiado no 1° Concurso Internacional de Flauta-Doce de Bruges. Nesse momento, ocupa o cargo de professor no Conservatório até 1995. Participa de diversos ensembles e orquestras de música antiga, como o Leonhardt Consort. Torna-se membro fundador e regente da Orquestra Barroca do Conservatório de Haia, do ensemble Philidor e da Orquestra do Século XVIII (sob direção de Brüggen). Entre 1991 e 1996, assume a direção artística da Orquestra Concerto Amsterdam. 

Em 1995, volta para o Brasil e dedica-se à interpretação da música brasileira (séculos XVIII e XIX). Desenvolve diversos projetos, como o de gravações fonográficas sobre a história da música do Brasil. Neste trabalho, rege o ensemble Vox Brasiliensis, pelo qual recebe o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (Apca) em 1999. Atua como concertista e regente no Brasil e exterior, com grupos como o Coro e Orquestra da Ópera de Cracóvia e o Coro e Orquestra Gulbenkian. Entre 2002 e 2011, desenvolve atividade pedagógica como diretor artístico do departamento de Música Antiga da Oficina de Música de Curitiba e professor de flauta doce da Escola de Música do Estado de São Paulo (Emesp). Sua discografia apresenta mais de 20 CDs nacionais e internacionais. Em 2009, recebe o Prêmio Bravo! pelo CD Neukomm no Brasil, ao lado de Rosana Lanzelotte (1961).

Análise 

A partir dos anos 1960, a música barroca passa por um período de redescoberta. O movimento incial de músicos e pesquisadores holandeses e belgas alastra-se pela Europa e Américas. Essa corrente propõe que a música antiga não seja interpretada com o gosto e os trejeitos românticos, mas que seja fiel ao estilo de sua época. Os tratados de interpretação, acústica, luteria e outros tópicos musicais são recuperados, e a concepção da utilização de ornamentos, vibratos, afinação, dinâmica, dissonância e de temporalidade musical modificam-se profundamente. Manuscritos são redescobertos em bibliotecas e restaurados, e as partes instrumentais desaparecidas, reescritas de acordo com o estilo da época e do compositor. Vários compositores esquecidos ressurgem sob nova perspectiva, e a ideia de recriação desse universo sonoro transforma o cenário musical barroco em algo vivo e dinâmico.

Morando na Holanda em 1969, Kanji presencia esse ambiente e é influenciado por ele. Mesmo não se dedicando ao recenseamento e à edição de obras, sua experiência com os pioneiros dessa nova tendência europeia – como Gustav Leonhardt (1928-2012), Frans Brüggen, Frans Vester – proporciona-lhe conhecimento técnico e estético da arte barroca. Essa experiência sedimenta-se nas parcerias que realiza com artistas de música antiga ocidental na Europa e no Brasil. Sua preocupação com esse ideário reflete-se igualmente na arte da luteria. Desde que começa a lecionar em Haia, o desejo de aperfeiçoar a sonoridade de seu instrumento leva-o a aprender a construir flautas e a inaugurar um atelier, que dirige entre 1986 e 1995. É com esse espírito que, ao retornar ao Brasil, decide trabalhar com o resgate da produção musical brasileira. 

Com o apoio do governo, Kanji dirige o projeto História da Música Brasileira, assessorado pelo musicólogo Paulo Castagna (1959) e pelo historiador Ricardo Maranhão. É um trabalho rigoroso de pesquisa de repertório e práticas interpretativas. O projeto resulta em dois CDs e dez vídeos, abarcando o período que vai da música setecentista até o romantismo brasileiro das primeiras décadas do século XX. O projeto lança as bases em escala nacional para que o a música antiga no Brasil possa ser conhecida de modo mais amplo. Procura sensibilizar a sociedade para a importância da preservação do patrimônio histórico brasileiro, por meio da pesquisa, conservação e restauração de manuscritos e instrumentos musicais históricos. O projeto propõe também a redescoberta de compositores esquecidos nos arquivos nacionais. Essa atividade faz com que o intérprete, além da carreira como concertista internacional, tenha um papel decisivo no desenvolvimento da música antiga no Brasil, seja no registro fonográfico de repertório, seja na formação de instrumentistas e colaboração com a pesquisa musicológica. Além disso, atua para formar público em todo o país, por meio de concertos, masterclasses e programas educativos. O conjunto de todos esses polos distintos, por meio da experiência estética, aliada a uma visão fiel e rigorosa da época, converge para a reconstituição dos primórdios da identidade musical do Brasil. 

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: