Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Marcio Aurelio

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.03.2017
1948 Brasil / São Paulo / Piraju
Marcio Aurelio Pires de Almeida (Piraju SP 1948). Diretor, cenógrafo e figurinista. Prestigiado encenador que transita tanto pelos clássicos quanto pelas experiências inovadoras, imprimindo delicado e rigoroso acabamento à cena.

Texto

Abrir módulo

Biografia

Marcio Aurelio Pires de Almeida (Piraju SP 1948). Diretor, cenógrafo e figurinista. Prestigiado encenador que transita tanto pelos clássicos quanto pelas experiências inovadoras, imprimindo delicado e rigoroso acabamento à cena.

Enquanto cursa biblioteconomia, atividade que nunca exerceu, Marcio Aurelio freqüenta um curso livre de Eugênio Kusnet, no início dos anos 1970. Inicia, em 1974, uma carreira de encenador e cenógrafo com A Perseguição ou O Longo Caminho que Vai de Zero a Ene, peça que tangencia o absurdo, de Timochenco Wehbi. Em 1976, dirige A Bruxa Colorida, um infantil de Manoel Carlos Karam e, em 1977, as peças Flicts, de Ziraldo, e A Farsa da Noiva Bombardeada, texto de Alcides Nogueira.

A colaboração iniciada entre o encenador e o dramaturgo abre um diálogo artístico que determina novas características na criação de ambos. Criam Tide Moreira e Sua Banda de Najas, em 1978, sobre o desbunde e a contracultura; Tietê, Tietê... ou Toda Rotina Se Manteve Não Obstante o que Aconteceu, sobre a recepção da Semana de Arte Moderna, em 1979; O Filho do Carcará, sobre a geração pós-1968, 1980; Lua de Cetim, que enfoca a difícil situação familiar de um ex-guerrilheiro, em 1981. Juntam-se novamente em 1988, com Ópera Joyce, rebuscado trabalho sobre as cartas de James Joyce, interpretado por Vera Holtz. A parceria gera também Traças da Paixão, de 1994; Gertrude Stein, Alice B. Touklas, Pablo Picasso, montada em 1996; e Pólvora e Poesia, premiado espetáculo sobre o romance poético de Paul Verlaine e Arthur Rimbaud, em 2001.

Outra vertente à qual Marcio está ligado diz respeito aos princípios cênicos estabelecidos por Bertolt Brecht. Essa influência aparece com clareza nas montagens de A Canção do Esforço Humano, sobre poemas do dramaturgo, em 1978; Baal, em 1982; A Resistível Ascensão do Boto Tucuxi, texto de Márcio Souza sobre o político amazonense, em 1982; no longo debruçamento sobre a obra de Heiner Müller, com as montagens de Hamletmachine, solo com Marilena Ansaldi em 1987; Eras, peças curtas do dramaturgo, em 1988; A Missão, em 1990; Mauser, em 1991; Peça Coração, em 1993, e Baal, O Malígno Associal, entrelaçamento de Bertolt Brecht com Heiner Müller realizado em 1998.

Recorre, com freqüência, à montagem de clássicos, integrais ou adaptados, recuperando experiências ligadas aos procedimentos dramatúrgicos e aos aspectos estilísticos, na busca de uma nova forma de expressão. Nesta linha de pesquisa encena Diário de um Louco, de Nikolai Gogol, em 1980; Trágico à Força, de Anton Tchekhov, em 1982; Édipo Rei, de Sófocles, em 1983; Hamlet, de William Shakespeare, em 1984; A Comédia dos Erros, em 1991, e Ricardo II, em 1992, também de William Shakespeare com o Razões Inversas, grupo que funda com jovens atores; além de A Bilha Quebrada, de Kleist, em duas encenações, em 1993 e 1995; e Torquato Tasso, de Goethe, encenado na Alemanha em 1995.

Sua imaginação poética e sensível, assim como rigorosa e precisa, manifesta-se em diversas criações independentes, como Quase 84, texto de Fauzi Arap, em 1983; Inimigos de Classe, de Nigel Williams, em 1985; Pássaro do Poente, de Carlos Alberto Soffredini, realização baseada em lendas japonesas, cheia de delicadeza oriental desenvolvida com o grupo Ponkã; e Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, versão radical que abole os três planos da obra e insere um discurso pontuado pela luz, ambas em 1987; Esta Valsa É Minha, de William Luce, em 1989; O Beijo, adaptação do precioso texto de Marcel Proust, em 1995; e Senhorita Else, de Arthur Schnitzler, um dos principais trabalhos do Razões Inversas, destacando o trabalho da atriz Débora Duboc.

Ao longo dos anos 1990 o diretor inicia uma carreira internacional, sobretudo na Alemanha, onde dirige seminários e cria alguns espetáculos. Para o Deutsches National Theater, de Weimar, monta Beijo no Asfalto, de Nelson Rodrigues, em versão alemã, em 1997, e cria Mephisto, libreto de sua autoria inspirado em Goethe e, para o Theaterhaus de Stuttgard, Tristão e Isolda, inspirado na ópera de Richard Wagner, ambas em 1999, protagonizadas pelo bailarino brasileiro Ismael Ivo, diretor da companhia.

Marcio Aurelio assina, frequentemente, a cenografia e figurinos de suas direções. Paralelamente à carreira de encenador, é professor de Interpretação na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e é um dos poucos artistas que possui livre docência no país. Como tradutor, assina as traduções de Baal, de Bertolt Brecht, em 1983, e Filoctetes, de Heiner Müller, em parceria com Willi Bolle, em 1986.

Refletindo sobre a trajetória artística de Marcio Aurelio, o dramaturgo Alcides Nogueira declara: "A parceria com Marcio Aurelio inicia-se praticamente com nossas carreiras, na passagem dos anos 70 para os 80. Sua influência em minha dramaturgia foi decisiva, por meio de seu profundo conhecimento de Bertolt Brecht, e dos ensinamentos adquiridos com Eugênio Kusnet. O que faz de Marcio Aurelio um dos mais respeitados diretores brasileiros é a conjunção do trabalho em profundidade com os atores e a estética refinadíssima de suas encenações. O aparente despojamento destas conduz, na verdade, a um sofisticado jogo de cena, onde texto e atores são privilegiados. Sempre em sintonia com o que acontece na cena mundial, ao mesmo tempo em que repensa constantemente o imaginário brasileiro, Marcio Aurelio consegue ser sempre instigante, com olhos abertos ao novo, sem abdicar da melhor tradição do real fazedor de teatro".1

Nota

1 NOGUEIRA, Alcides. Depoimento prestado à Enciclopédia de Teatro Itaú Cultural.

Espetáculos 139

Abrir módulo

Oficinas 1

Abrir módulo

Palestras 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • ALBUQUERQUE, Johana. Marcio Aurelio (ficha curricular) In: ___________. ENCICLOPÉDIA do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação VITAE. São Paulo, 2000.
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996.
  • AURELIO, Marcio. Curriculum vitae. Cronologia das atividades realizadas ao longo da carreira profissional . São Paulo, 2000.
  • AURELIO, Marcio. Escrever sobre Brecht significa para mim tirar de um amontoado de lembranças de alguma coisa. Vintém, São Paulo, n. 1, fev./abr. 1998.
  • CENTRO CULTURAL SÃO PAULO. Divisão de Pesquisas. Cronologia das artes em São Paulo 1975-1995: Artes cênicas - Teatro. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. (Cronologia das artes em São Paulo, 3).
  • GUERINI, Elaine. Nicette Bruno & Paulo Goulart: tudo em família. São Paulo: Cultura - Fundação Padre Anchieta: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004. 256 p. (Aplauso Perfil).
  • Programa do Espetáculo - A Javanesa - 2007.
  • Programa do Espetáculo - A Úlitma Encarnação do Fausto -.
  • Programa do espetáculo - Espírito da Terra, 2000.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: