Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Denise Del Vecchio

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 16.07.2021
03.05.1951 Brasil / São Paulo / São Paulo
Registro fotográfico Djalma Limongi Batista

Denise Del Vecchio (Francesca) em cena de Os Imigrantes, 1977
Djalma Limongi Batista, Denise Del Vecchio
Acervo Idart/Centro Cultural São Paulo

Denise Falótico (São Paulo, São Paulo, 1951). Atriz. Intérprete de lírica expressão dramática, voltada aos temas do presente e, ao longo dos anos 70, uma das fundadoras do Teatro Núcleo Independente.

Texto

Abrir módulo

Denise Falótico (São Paulo, São Paulo, 1951). Atriz. Intérprete de lírica expressão dramática, voltada aos temas do presente e, ao longo dos anos 70, uma das fundadoras do Teatro Núcleo Independente.

Deixando interrompida uma formação em história, dedica-se a curso de formação no Teatro de Arena de São Paulo, de onde resulta o espetáculo Teatro Jornal 1ª Edição, encenado por Augusto Boal, em 1971.

Integra, no mesmo ano, a montagem de Arena Conta Zumbi, de Boal e Gianfrancesco Guarnieri, em excursão à França, e Doce América, Latino América, criação coletiva que ocupa o Teatro de Arena em 1972. Transferindo-se para o Teatro Studio São Pedro, de Maurício e Beatriz Segall, compõe o elenco de Tambores na Noite, de Bertolt Brecht, e A Semana - Esses Intrépidos Rapazes e Sua Maravilhosa Semana de Arte Moderna, de Carlos Queiroz Telles, direções de Fernando Peixoto, ainda em 1972.

A partir do ano seguinte, compõe o grupo do Teatro Núcleo Independente, desenvolvendo uma longa experiência de teatro popular, transferindo-se para a periferia de São Paulo, com os espetáculos A Epidemia, em 1975, e Os Imigrantes, em 1978, duas criações coletivas conduzidas por Celso Frateschi.

Em 1979, é diirigida por Emílio Di Biasi, em Vejo um Vulto na Janela, Me Acuda que eu Sou Donzela, de Leilah Assumpção. Em Lua de Cetim, de Alcides Nogueira, encenação de Marcio Aurelio, vive a comovente Cande, com a qual arrebata o Prêmio Molière de melhor atriz de 1981. No ano seguinte, trabalha com o Teatro do Ornitorrinco, integrando o elenco em Mahagonny Songspiel, adaptação da obra de Bertolt Brecht, com direção de Cacá Rosset. Em 1983, está em outro grande sucesso: Feliz Ano Velho, baseado na obra de Marcelo Rubens Paiva, sob o comando de Paulo Betti, montagem que realiza longas excursões pelo país e exterior.

Em 1985, compõe com dedicado esmero um dos vértices do triângulo de Lembranças da China, novo texto de Alcides Nogueira e direção de Jorge Takla, interpretação que lhe vale o Prêmio Governador do Estado. Apreciando sua participação no espetáculo, registra o crítico Edelcio Mostaço: "Denise Del Vecchio atinge o pleno desabrochar de sua carreira de atriz, vinda de um papel anterior que lhe valeu o troféu Molière. Está madura, realizada, em plena posse de seus meios expressivos, criando através de Laura uma grande empatia com a platéia".1

Em 1986, com o mesmo diretor, interpreta a personagem título de Electra, de Sófocles, adaptação de Maria Adelaide Amaral.

Seu desempenho como Mme. Clessy, de Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues, é uma de suas grandes criações, em 1988. Um novo texto de Alcides Nogueira enfoca a atormentada vida da poetisa portuguesa Florbela Espanca, à qual a atriz empresta um sincero e comovente perfil, numa direção de Cibele Forjaz. Está em Três Maneiras de Dançar um Tango, texto de Denise Bandeira e direção de Paulo Betti, em 1997. No ano seguinte, está no monólogo Um Crime Perfeito, de Alzira Andrade e Mauro Toledo, direção de Roberto Vignati.

Fazendo um perfil analítico da carreira de Denise Del Vecchio, o crítico Yan Michalski escreve: "Atriz de densa presença cênica e forte temperamento dramático, tem consistentemente dado prioridade a produção de grupos cooperativados, mais do que a trabalhos como atriz convidada em espetáculos empresariais. Sua trajetória, toda ela concentrada em São Paulo, tem-se também caracterizado por uma cuidadosa escolha do repertório e dos diretores com quem trabalha, todos ligados a um empenho de pesquisa e renovação".2

Notas

1. MOSTAÇO, Edelcio. A utopia comanda o espetáculo. Folha de S. Paulo, São Paulo, 10 out. 1986. Ilustrada, p. 56.

2. MICHALSKI, Yan. Denise Del Vecchio. In: PEQUENA Enciclopédia do teatro Brasileiro Contemporâneo. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq. Rio de Janeiro, 1989.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 43

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • ALBUQUERQUE, Johana. Denise Del Vecchio (ficha curricular) In: ___________. ENCICLOPÉDIA do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação VITAE. São Paulo, 2000.
  • GUZIK, Alberto. Os pecados de Electra. Jornal da Tarde, São Paulo, p. 19, 21 abr. 1987.
  • MICHALSKI, Yan. Denise Del Vecchio. In: PEQUENA Enciclopédia do teatro Brasileiro Contemporâneo. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq. Rio de Janeiro, 1989.
  • MOSTAÇO, Edelcio. A utopia comanda o espetáculo. Folha de S. Paulo, São Paulo, 10 out. 1986. Ilustrada, p. 56.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço. Não Catalogado
  • Planilha enviada pelo pesquisador Márcio Freitas. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - A Cabra ou Quem É Sylvia - 2008. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - Boca Molhada de Paixão Calada - 1984. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Lembranças da China - 1986. Não catalogado
  • RIOS, Jefferson del. Um 1900 interiorano, com paixão e coragem. Folha de S. Paulo, São Paulo, 14 nov. 1981. Ilustrada, p. 29.
  • TEATRO do Ornitorrinco. São Paulo: Imprensa Oficial, 2009. 792.0981 To253
  • À Margem da Vida. São Paulo: s.l., 1976. 1 programa de espetáculo. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: