Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Antonio Landi

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
30.10.1713 Itália / Emília Romana / Bolonha
22.06.1791 Brasil / Pará / Belém
Giuseppe Antonio Landi (Bolonha, Itália 1713 - Belém PA 1791). Desenhador, arquiteto, gravador, geógrafo e astrônomo. Conhecido em Portugal e no Brasil como Antônio José Landi, forma-se em arquitetura e perspectiva na Academia Clementina, em Bolonha na década de 1730, e conquista o segundo e o primeiro lugares do festejado Prêmio Marsigli, em 17...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Giuseppe Antonio Landi (Bolonha, Itália 1713 - Belém PA 1791). Desenhador, arquiteto, gravador, geógrafo e astrônomo. Conhecido em Portugal e no Brasil como Antônio José Landi, forma-se em arquitetura e perspectiva na Academia Clementina, em Bolonha na década de 1730, e conquista o segundo e o primeiro lugares do festejado Prêmio Marsigli, em 1732 e 1737, respectivamente. Sua atuação no Brasil como astrônomo, desenhador de mapas e de história natural, além de arquiteto, faz supor que Landi tenha frequentado também o Instituto de Ciências de Bolonha, algo usual entre os alunos da academia.1 Por indicação de seu mestre Ferdinando Galli Bibiena, Landi ingressa na academia em 1737, mas só é nomeado professor de arquitetura em 1743 e membro da instituição em 1747. Em Bolonha, sua obra mais conhecida é a Raccolta di Alcune Facciate di Palazzi e Cortili de più Riguardevoli di Bologna, 1743, primeira coleção de edifícios de sua cidade publicada. Seu envolvimento com a construção da nova Igreja do Convento de Santo Agostinho de Cesena é excepcional porque nesse período, ao contrário do que ocorre no Brasil, Landi dedica-se especialmente à gravura.

É convidado a integrar como desenhador de história natural a Comissão de Demarcação de Fronteiras entre Portugal e a Espanha na América do Sul instituída, em 1750, pelo Tratado de Madri. Apesar da boa inserção no círculo de artistas ligados à Academia Clementina, seja pela oportunidade de servir a um rei com fama de mecenas, seja pelo desejo de conhecer o novo continente, seja pela carência de oportunidades em Bolonha, Landi aceita o convite e desembarca em Lisboa em agosto daquele ano.2 Em virtude da morte de dom João V, a comissão só parte para a colônia sul-americana em 1753, tendo como objetivos traçar a fronteira leste-oeste ao norte e levantar as características geográficas, físicas e astronômicas da Amazônia. Landi auxilia o astrônomo e matemático italiano João Ângelo Brunelli em observações astronômicas realizadas em Belém, atuando como desenhador de história natural entre 1754 e 1761. Sua participação na comissão é reconhecida pelo governador do Pará, Francisco Xavier de Mendonça Furtado, principal responsável por sua atuação como arquiteto e por sua permanência na colônia, depois da suspensão do Tratado de Madri, em 1761. Publica o livro Descrizione di varie Piante, Frutti, Animali/ Passeri, Pesci, Biscie, Rasine e Altre Simili/ Cose Che Si Ritrovano in Questa Cappitania del Grand Parà, le Qualli Tutte Antonio Landi dedica a sua Ecclsa. Il Sig. Luiggi Pinto de Souza/ Cavaglier de Malta, e Governatore del Mato Grosso/ il quale com soma fática e diligenzza investigo/ moltissime cose appartenenti allá storia naturale, e delle quali si potrà formare um grosso/ volume in vantaggio della Republica Letteraria (ca. 1773), reunindo as anotações feitas nas diversas expedições que realiza pelos rios Amazonas, Negro e Marié. Em 1784, parte em nova expedição para Barcelos, Amazonas, como desenhador de mapas da segunda Comissão de Demarcação de Fronteiras, instituída a partir do Tratado de Santo Idelfonso, 1777.

Como arquiteto e artista realiza esculturas retabulares, pinturas de quadratura, projetos e obras, dos quais se destacam a Igreja de Santana, 1762/1782; o Palácio dos Governadores, 1759/1772; e a Capela de São João Batista, 1769/1772 em Belém. Além dessas atividades, Landi se envolve com o comércio de cacau, o cultivo de cana-de-açúcar, a transplantação de espécies estrangeiras, como a manga, a jaca e a tâmara, e a produção de tijolos, telhas, louças vidradas e aguardente, tornando-se membro da Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão.

Recebe o título de arquiteto régio, em 1774. Em 2003, é realizado o seminário Landi e o Século XVII na Amazônia e, no ano seguinte, é inaugurada uma placa comemorativa na casa do arquiteto em Bolonha.

Comentário crítico
A introdução do neoclassicismo no Brasil é usualmente associada à Missão Artística Francesa, que chega em 1816, e ao arquiteto Grandjean de Montigny. No entanto já se sabe que meio século antes esse estilo adentra a colônia pela ação de engenheiros militares, como os portugueses José Fernandes de Pinto Alpoim e José Custódio de Sá e Faria, e de arquitetos, como o italiano Antonio José Landi, membros da primeira Comissão de Demarcação de Fronteiras entre Portugal e a Espanha na América do Sul, entre 1750  e 1761.

Vinculada ao Tratado de Madri, de 1750, e à necessidade de demarcação do território colonial frequentemente ameaçado pela Espanha, França, Inglaterra e Holanda, a comissão é também parte da nova política colonial levada a cabo pelo primeiro-ministro de Portugal, Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro marquês de Pombal. Preocupado em fortalecer o estado absolutista, restaurar a combalida economia portuguesa, mas sobretudo em garantir a sobrevivência da nação diante da decadência da mineração e de sua importância secundária no mercado internacional, Pombal estreita os laços entre a metrópole e a colônia, promovendo a ocupação do território por uma efetiva rede urbana, cuja administração está diretamente submetida à coroa. É nesse contexto que a Amazônia, região inexplorada física e economicamente, ganha especial atenção do primeiro-ministro e a atuação do arquiteto bolonhês Landi conhece seu significado mais profundo.

Como desenhador de mapas e de história natural, Landi participa da definição das fronteiras, do controle dos limites do território colonial ao norte e do levantamento das características naturais da região amazônica. Como arquiteto atua no plano de expansão da soberania política da coroa, participando da fundação de vilas e cidades, projetando e construindo pelourinhos, casas de câmara e cadeia, palácios e sedes de governo, marcos simbólicos do poder metropolitano na colônia e de seu projeto civilizatório de inspiração iluminista. Nas vilas e cidades em que atua como artista e arquiteto, Landi deixa marcas, principalmente em Belém, seja pela construção de edifícios que ainda hoje definem a imagem daquela capital, seja pela influência que exerce no círculo artístico local.

Formado pela Academia Clementina, em Bolonha, Itália, esse mestre em arquitetura e perspectiva traz para o Brasil modelos artísticos típicos daquela escola, vinculados à tradição clássica. No Brasil, contudo, o arquiteto se aproxima de outra corrente artística também característica de sua terra natal, nomeada borromínica por fazer referências, sobretudo na ornamentação, à produção do arquiteto Francesco Borromini. Buscando adaptar-se ao meio e ao gosto local, Landi oscila entre as correntes clássica e borromínica, assimilando, ainda que de modo bastante restrito, formas típicas do estilo pombalino e da arquitetura luso-brasileira.

Dos projetos e obras que realiza em Belém, destacam-se a Igreja de Santana, 1762/1782; o Palácio dos Governadores, 1759/1772; e a Capela de São João Batista, 1769/1772. A primeira3 filia-se à tradição clássica, revelada pela planta em forma de cruz grega com transeptos largos, porém curtos, pela fachada marcada por figuras geométricas puras, pela inexistência de torres sineiras laterais - as existentes atualmente são do século XIX -, e pela cúpula sulcada por faixas e encimada por lanternim. "As colunas destacadas enquadrando a fachada e as colunas que no interior sustentam o arco triunfal conferem ao projeto de Landi um peso cenográfico bem característico da arquitetura bolonhesa".4 Na segunda,5  o classicismo de sua arquitetura se faz presente no destaque dado às pilastras, na composição geral do edifício e na loggia paladiana, com arcos plenos e dupla coluna em uma das faces do pátio interno. A maneira despojada como as demais faces desse pátio são tratadas, e especialmente a adoção de arcos abatidos e de perfis quebrados nas molduras das portas e janelas, apontam, contudo, a assimilação por parte do arquiteto de elementos característicos da tradição luso-brasileira e do estilo pombalino. Na Capela de São João Batista,6 por sua vez, Landi recorre à corrente borromínica, desenhando uma nave octogonal, coberta por uma cúpula sulcada por faixas que se prolongam em pilastras duplas nas arestas do prisma.

Em seus projetos Landi sempre contempla a decoração de interiores, desenvolve esculturas retabulares e pinturas de quadratura que ora adornam os tetos, ora complementam os retábulos, enfatizando por meio da perspectiva os efeitos cênicos desejados para os espaços internos. Como na arquitetura, a decoração de Landi é marcada pela tradição da família Bibiena,7  mas também pela assimilação de traços da arte luso-brasileira presentes na adoção da tribuna e da madeira nas composições retabulares, algo inexistente em Bolonha. Essa assimilação, no entanto, deve ser entendida não apenas como influência direta de Lisboa e da colônia na obra de Landi, mas também em função da inspiração que a Itália exerce na própria arte portuguesa durante o período pombalino. Essa assimilação tem, portanto, uma via de mão dupla, por isso Landi transforma a arquitetura portuguesa na colônia e é por ela, ao mesmo tempo, transformado.

 

 

Notas
1 MATTEUCCI, Anna Maria. Arquitectura desenhada e arquitectura construída em Bolonha na primeira metade de setecentos. In: Amazónia Felsínea: António José Landi: itinerário artístico e científico de um arquitecto bolonhês na Amazónia do século XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1999. p. 81, il. color.
2 MENDONÇA, Izabel Mayer Godinho. Portugal e Brasil [1750 - 1791]. In: Amazónia Felsínea: António José Landi: itinerário artístico e científico de um arquitecto bolonhês na Amazónia do século XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1999. p. 43, il color; MATEUCCI, Anna Maria. Op.Cit. p. 86, il color.
3 A igreja é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional - Iphan, em 1962.
4 Idem, op. cit., p. 8.
5 Landi desenvolve três projetos para o Palácio dos Governadores. O primeiro data de 1759, o segundo de 1761 e o terceiro de 1767. É com base no terceiro projeto que as obras se iniciam em 1768. O edifício é restaurado na sua forma original em 1971 e tombado pelo Iphan em 1974.
6 A igreja é tombada pelo Iphan, em 1941.
7 Segundo a historiadora da arte Isabel Mayer Godinho Mendonça, Ferdinando e Francesco Bibiena, arquitetos e cenógrafos de várias cortes europeias, são os principais mestres da Academia Clementina, onde Landi estuda. Ver idem, op. cit, p. 2.

Exposições 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • AMAZÓNIA FELSÍNEA: António José Landi: itinerário artístico e científico de um arquitecto bolonhês na Amazónia do século XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1999. 300p, il color.
  • ELNA, Trindade. Projeto e construção do Palácio de Landi no século XVIII. In: Seminário Landi e o século XVIII na Amazônia, 2003, Belém. Disponível em: [http://www.forumlandi.com.br/?action=bibliotecaProcuraSubmit]. Acesso em: 06 abr. 2007.
  • MEIRA FILHO, Augusto. O bi-secular Palácio de Landi. Belém: Grafisa, 1973. 223p, il p&b.
  • MELLO JUNIOR, Donato. Antônio José Landi - arquiteto de Belém: precursor da arquitetura neoclássica no Brasil. Belém: Governo do Estado, 1974. 325p; il p&b.
  • MENDONÇA, Isabel Mayer Godinho. Antonio José Landi (1713/1791): um artista entre dois continentes. Lisboa: Fundação Calauste Gulbenkian, 2003. 892 p., il.
  • MENDONÇA, Isabel Mayer Godinho. António José Landi (Bolonha 1713/Belém 1791) e a transmissão de modelos artísticos da Europa para o Brasil. In: Seminário Landi e o século XVIII na Amazônia, 2003, Belém. Disponível em: [http://www.forumlandi.com.br/bibliotecaArq/transmissao.pdf]. Acesso em: 06 abr. 2007.
  • MENDONÇA, Isabel Mayer Godinho. Os desenhos de António José Landi. In: Seminário Landi e o século XVIII na Amazônia, 2003, Belém. Disponível em: [http://www.forumlandi.com.br/bibliotecaArq/deslandi.pdf]. Acesso em: 06 abr. 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: