Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Wilson Simonal

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.05.2021
26.02.1938 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
25.06.2000 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução fotográfica Correio da Manhã/Acervo Arquivo Nacional

Wilson Simonal, 1969

Wilson Simonal de Castro (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1938 – São Paulo, São Paulo, 2000). Cantor e Compositor. A maestria vocal e o swing caracterizam sua trajetória, singularizada pela chamada “estética da pilantragem”. Sua obra contempla gêneros musicais diversos como chá-chá-chá, bossa nova, samba, soul, samba-rock, samba funk.

Texto

Abrir módulo

Wilson Simonal de Castro (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1938 – São Paulo, São Paulo, 2000). Cantor e Compositor. A maestria vocal e o swing caracterizam sua trajetória, singularizada pela chamada “estética da pilantragem”. Sua obra contempla gêneros musicais diversos como chá-chá-chá, bossa nova, samba, soul, samba-rock, samba funk.

Inicia sua carreira em fins da década de 1950, momento de aparecimento da bossa nova e do chamado “iê-iê-iê”. Em 1960, forma o grupo Dry Boys, apresentando-se no programa de Carlos Imperial (1935-1992), Clube do Rock. O futuro Rei da Pilantragem lança em 1963 seu LP de estreia, Tem Algo Mais, e a canção “Balanço Zona Sul” é o primeiro trabalho a emplacar nas rádios. Assim, Simonal é convidado para se apresentar no famoso Beco das Garrafas entre 1964 e 1965. 

Lança A Nova Dimensão do Samba (1964), uma releitura de várias canções bossa-novistas. O sucesso do gênero contribui para conseguir seu primeiro programa na TV Tupi, o Spotlight (1965).

Assim como vários artistas da época, assina contrato com a TV Record em 1966, e se apresenta com frequência nos programas O Fino da Bossa e Jovem Guarda. A sonoridade eclética de Simonal possibilita-lhe transitar entre o “iê-iê-iê” e a bossa nova, até conseguir os próprios programas, Show em Si... Monal e Vamos S'imbora, ambos em 1966. 

No programa Show em Si...Monal faz extremo sucesso a canção “Meu limão, meu limoeiro”, do disco Vou Deixar Cair (1966), no qual já aparece a mistura de gêneros musicais por meio dos arranjos de César Camargo Mariano (1943). Nesse contexto, já morando em São Paulo, passa a circular entre um grupo de artistas e compositores que formam o panteão da música popular brasileira (MPB).

Sua contribuição para essa geração de artistas se dá em diversas ocasiões: Simonal defende uma canção no 1º Festival da Música Popular Brasileira da TV Excelsior (1965); é o segundo a gravar artistas como Chico Buarque (1944) e Caetano Veloso (1942); é o primeiro a gravar Toquinho (1946). Isso demonstra o feeling do Rei do Swing para as novidades que aparecem na música brasileira. 

Em 1966, lança o compacto Mamãe Passou Açúcar em Mim, que compõe a trilha sonora do filme Na Onda do Iê-iê-iê, dos Trapalhões. Devido ao sucesso de público, fecha parceria com o grupo Som Três, que conta com o pianista César Camargo Mariano, o contrabaixista Sabá (1927-2010) e o baterista Toninho Pinheiro (1938-2004).

A parceria com o trio é fundamental para compreender a estética singular do artista. Por meio dela surge a chamada “estética da pilantragem” – uma musicalidade que mistura soul, iê-iê-iê e samba, em que reside seu diferencial.

É justamente com o Som Três que Simonal vive o auge da carreira, gravando as famosas canções “Nem Vem que Não Tem” (1967), “Sá Marina” (1968) e “País Tropical” (1969). “Sá Marina” tem repercussão internacional, e é gravada por artistas como Sérgio Mendes (1941) e o cantor americano Stevie Wonder (1950). Também influenciado pela luta dos direitos civis norte-americanos e assumindo sua negritude, lança “Tributo a Martin Luther King” (1967), retida pela censura por quatro meses.  

O auge da sua trajetória pode ser entendido pela análise da quadrilogia Alegria Alegria, lançados entre 1967 e 1969. Nestes discos, é possível perceber de forma mais acentuada a referência em Simonal do soul e do funk norte-americanos. O último disco da quadrilogia (1969), com o subtítulo Homenagem à Graça, à Beleza, ao Charme e ao Veneno da Mulher Brasileira, marca tanto esse período de consagração do Rei da Pilantragem como o início de seu declínio no meio artístico. São exemplos dessa consagração: o show no Maracanãzinho, em que o público não o deixa sair do palco; o patrocínio para se tornar garoto-propaganda da Shell; e por ser o embaixador oficial do Festival Internacional da Canção nos anos 1970. Isso possibilita ao artista se apresentar no Midem, na França, e na TV RAI, na Itália, onde grava uma versão em italiano de “País Tropical”. 

Simonal excursiona ainda pelo México, acompanhando a seleção brasileira de futebol na Copa de 1970. No mesmo ano, estreia o filme É Simonal, dirigido por Domingos Oliveira (1936-2019). Entretanto, no auge da carreira, o artista se envolve em polêmicas que afetam toda a sua vida. É acusado de extorsão seguida de sequestro pelo contador da sua empresa, a Simonal produções artísticas, e de delator para o Departamento de Ordem Política e Social (Dops). Sem conseguir grandes shows e banido da mídia, nos anos 1980 Simonal cai no ostracismo. Lançando discos por um pequeno selo “independente”, perde todo o capital social, simbólico e econômico  conquistado. 

As relações de poder e as hierarquias raciais afetam a vida, a memória e a moral do artista, injustamente esquecido da história da música brasileira por um longo período. Simonal sofre a pena de ser tachado de “dedo-duro” por muitos anos. Sua retratação moral ocorre apenas em 2003, quando a Comissão Nacional de Direitos Humanos julgou que o “superastro negro”1 não colaborou com os órgãos de informação da ditadura militar. 

O brilhantismo, a ousadia e o swing que marcam a trajetória do Rei do Pilantragem são resgatados com o lançamento do documentário Simonal – Ninguém Sabe o Duro que Dei (2009), da ficção Simonal (2019) e com as biografias Nem Vem que Não Tem (2009) e Quem Não Tem Swing Morre com a Boca Cheia de Formiga (2011)2.  

A trajetória musical de Wilson Simonal evidencia um músico que no tempero da “estética da pilantragem” traz mais uma pitada de swing à música nacional. 

 

Notas:

1. Cf. PAIVA, Carlos Eduardo Amaral. Wilson Simonal: vida e morte de um superastro negro. Idéias, Revista do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, Campinas, v. 8, n. 2, p. 57-82, jul/dez 2017.

2. O documentário de 2009 foi dirigido por Micael Langer, Calvito Leral (1977) e Cláudio Manoel (1958). A ficção de 2019 foi dirigida por Leonardo Domingos. As biografias foram escritas respectivamente por Ricardo Alexandre e Gustavo Alonso.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: