Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Joaquim Cândido Guillobel

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.01.2016
1787 Portugal / Distrito de Lisboa / Lisboa
13.02.1859 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Negra Vendedora de Galinhas, 1814
Joaquim Cândido Guillobel
Aguada e aquarela sobre papel

Joaquim Cândido Guillobel (Lisboa, Portugal 1787 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1859). Desenhista, aquarelista, arquiteto, topógrafo e cartógrafo. Muda-se com seu pai, Francisco Agostinho Guillobel, para o Rio de Janeiro em 1808. Em 1811 ocupa o posto de primeiro tenente do Imperial Corpo de Engenheiros e passa a exercer a função de desenhist...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Joaquim Cândido Guillobel (Lisboa, Portugal 1787 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1859). Desenhista, aquarelista, arquiteto, topógrafo e cartógrafo. Muda-se com seu pai, Francisco Agostinho Guillobel, para o Rio de Janeiro em 1808. Em 1811 ocupa o posto de primeiro tenente do Imperial Corpo de Engenheiros e passa a exercer a função de desenhista do recém-fundado Arquivo Militar. No ano seguinte inicia a produção de uma série de desenhos representando tipos e cenas urbanas do Rio de Janeiro. Em 1819 é enviado à província do Maranhão, onde realiza alguns mapas, publicados no ano seguinte com o título de Usos e Costumes dos Abitantes (sic) da Cidade do Maranhão. Retorna ao Rio de Janeiro e realiza a carta topográfica da província, em 1825. Matricula-se, em 1827, no curso de arquitetura civil, ministrado por Grandjean de Montigny (1776-1850) na Academia Imperial de Belas Artes (Aiba). Em 1829, assume novamente o posto de desenhista do Arquivo Militar e projeta novo chafariz para o largo da Carioca. Três anos depois, desenha a planta topográfica do terreno onde seria construído o novo edifício da Casa de Correção. Em 1834, trabalha como professor assistente do curso de desenho da Academia Militar. Promovido a titular dessa cadeira em 1836, ocupa o posto até 1852. Entre 1845 e 1855, dedica-se às obras de construção do Palácio de Petrópolis, realiza trabalhos para a Santa Casa de Misericórdia e responsabiliza-se, com José Maria Jacinto Rebelo e Domingos Monteiro, pela construção do Hospício D. Pedro II (Hospício dos Alienados). Em 1855 é nomeado professor honorário de ciências acessórias na cadeira de matemáticas aplicadas da Aiba.

Comentário crítico
Joaquim Cândido Guillobel vem para o Brasil em 1808. No Rio de Janeiro, ingressa na carreira militar por volta de 1811 e ocupa todos os postos até ser reformado como coronel de primeira linha do Imperial Corpo de Engenheiros. Ainda em 1811 é promovido a segundo-tenente para exercer a função de desenhista do Arquivo Militar.

Começa a pintar, em 1812, pequenas figuras humanas, aquareladas, representando tipos e cenas de rua do Rio de Janeiro, como escravos trabalhando, vendedores ambulantes, damas portuguesas, cavaleiros, soldados, crianças tocando instrumentos musicais africanos, uma família saindo a passeio, um canto de mercado ou uma tropa. O estudioso Gilberto Ferrez compara os trabalhos do artista, que medem de oito a doze centímetros de altura, aos irresistíveis cartões-postais de então, que poderiam ser vendidos em álbuns ou separadamente. Para Ferrez, o artista revela nessas obras grande senso de observação. As figurinhas de Guillobel dão continuidade à tradição de ilustração de usos e costumes, já realizada no país, no século XVIII, por Carlos Julião (1740-1811). Sua produção serve de modelo para vários artistas viajantes que vêm ao Brasil nesse período, como Thomas Ender (1793-1875) e Henry Chamberlain (1796-1844). As aquarelas do artista têm grande importância também, como aponta o historiador da arte Rodrigo Naves, para a elaboração das aquarelas e litografias de Debret (1768-1848).

Guillobel integra, a partir de 1819, uma comissão ativa na província do Maranhão, para a qual desenha mapas e cartas topográficas. Ao regressar, trabalha no comitê de levantamento da carta topográfica da província do Rio de Janeiro. Em 1827, matricula-se na Aiba, como aluno de arquitetura civil. Em 1834, passa a atuar como professor da cadeira de desenho descritivo e arquitetura militar, na Academia Militar. Trabalha como arquiteto em diversas obras públicas na cidade do Rio de Janeiro. Projeta o novo chafariz do Largo da Carioca e colabora em obras como a da Câmara dos Senadores, do Hospício dos Alienados e Santa Casa de Misericórdia. Seu maior projeto arquitetônico, do Palácio Imperial de Petropólis, inicia-se por volta do começo da década de 1850, quando passa a residir na cidade. Projeta também o Colégio de Petropólis. Em 1855, é nomeado professor honorário da seção de ciências acessórias na parte relativa às matemáticas aplicadas da Aiba. Guillobel, além da carreira militar e atividades de desenhista, topógrafo e arquiteto, é autor dos primeiros desenhos de cartas de brasão feitas no Brasil.

Obras 32

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Mestiço

Aguada e aquarela sobre papel
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Mucama

Aguada e aquarela sobre papel

Exposições 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • BELLUZZO, Ana Maria de Moraes. O Brasil dos viajantes: A construção da paisagem. São Paulo: Metalivros; Salvador: Fundação Emílio Odebrecht, 1994. v.3.
  • GUILLOBEL, Joaquim Cândido. Usos e costumes do Rio de Janeiro nas figurinhas de Guillobel. S.l.: Candido Guinle de Paula Machado, 1978. s. p. il. color.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte do século XIX. Curadoria Luciano Migliaccio, Pedro Martins Caldas Xexéo; tradução Roberta Barni, Christopher Ainsbury, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • NAVES, Rodrigo. A Forma difícil: ensaios sobre arte brasileira. São Paulo: Ática, 1996. 285 p. il. color.
  • SANTOS, Francisco Marques dos. O ambiente artístico fluminense à chegada da Missão Artística Francesa em 1816. In: Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 5, p. 212-240, 1941.
  • SELA, Eneida Maria Mercadante. Desvendando figurinhas: um olhar histórico para as aquarelas de Guillobel. Campinas: IFCH/Unicamp, 2001.
  • VISÕES do Rio na coleção Geyer. Curadoria Maria de Lourdes Parreiras Horta; assistência de curadoria Maria Inez Turazzi, Maurício Vicente Ferreira Junior; versão em inglês Barry Neves, Cristina Baum, Rebecca Atkinson. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2000.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: