Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Mário de Andrade

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 09.12.2022
09.10.1893 Brasil / São Paulo / São Paulo
25.02.1945 Brasil / São Paulo / São Paulo
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Poesias, 1941
Mário de Andrade
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú

Mário Raul de Moraes Andrade (São Paulo, São Paulo, 1893 – Idem, 1945). Poeta, cronista, romancista, crítico de literatura e arte, musicólogo e pesquisador do folclore brasileiro, fotógrafo. Personalidade de múltiplos talentos e singular influência no meio cultural brasileiro do século XX, é guiado pela busca de aspectos definidores da identidad...

Texto

Abrir módulo

Mário Raul de Moraes Andrade (São Paulo, São Paulo, 1893 – Idem, 1945). Poeta, cronista, romancista, crítico de literatura e arte, musicólogo e pesquisador do folclore brasileiro, fotógrafo. Personalidade de múltiplos talentos e singular influência no meio cultural brasileiro do século XX, é guiado pela busca de aspectos definidores da identidade nacional e pela valorização das manifestações artísticas e culturais do Brasil.

Conclui o curso de piano pelo Conservatório Dramático e Musical de São Paulo em 1917. Nesse ano, sob o pseudônimo de Mário Sobral, publica seu primeiro livro, Há uma gota de sangue em cada poema. A partir de 1918, colabora para a imprensa como crítico de música e literatura em veículos como A Gazeta, A Cigarra, Klaxon, Diário de São Paulo e Folha de S.Paulo. Publica no Jornal do Comércio, em 1921, a série Mestres do passado, releitura crítica do Parnasianismo, e a maior parte de sua produção, entre críticas, contos, crônicas e poemas, no Diário Nacional, até 1932. Um dos idealizadores da Semana de Arte Moderna (1922), é vaiado  durante a leitura de seus poemas. Nesse ano, lança seu segundo livro, Pauliceia desvairada, marco na literatura moderna brasileira. A obra revela o contato do autor com vanguardas como o futurismo, o expressionismo e o dadaísmo, e o “Prefácio interessantíssimo" expressa a complexa tarefa de conjugar a orientação moderna com a "língua brasileira". Essa posição é desenvolvida no ensaio A escrava que não é Isaura (1925), que propõe o "primitivismo" na poesia, marcado pela ênfase na expressividade e na inspiração e pela busca da síntese e da espontaneidade, obtidas tecnicamente pelo verso livre.

Em 1924, realiza com Olívia Guedes Penteado (1872-1934), Oswald de Andrade (1890-1954), Tarsila do Amaral (1886-1973) e outros artistas uma viagem de estudos às cidades históricas mineiras com o objetivo de mostrar o interior do país ao poeta franco-suíço Blaise Cendrars (1887-1961). A “caravana modernista” tem inúmeros desdobramentos para a produção do escritor, como o ensaio de 1935 sobre Aleijadinho (1730-1814), que consagra o escultor como grande gênio das artes nacionais, e as ações de preservação do patrimônio brasileiro.

Em 1928, lança Macunaíma, o herói sem nenhum caráter, fundindo seu interesse pela música e pela imaginação coletiva brasileira; em 1930, publica Remate de males, livro de maturidade poética que une experimentalismo modernista e folclore brasileiro.

Provavelmente o maior responsável por divulgar a produção modernista e formular a pauta seguida pelos artistas, orienta temáticas e linguagens, valorizando aspectos como os que encontra na obra de Candido Portinari (1903-1962): apreço pelos valores plásticos e pelo caráter artesanal do trabalho artístico; interesse pelo assunto nacional; capacidade de traduzir a realidade humana do Brasil; compromisso com o social.

Promove pesquisas de nacionalização da música brasileira e publica Ensaio sobre música brasileira (1928) e Modinhas imperiais (1930). Em 1935, funda, com Paulo Duarte (1899-1994), o Departamento Municipal de Cultura de São Paulo, do qual se torna o primeiro diretor e cria a Discoteca Pública, hoje Discoteca Oneyda Alvarenga. Em 1936, participa da proposta de elaboração do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan), pelo qual viaja na década de 1940 como pesquisador. Em 1937, cria, com Dina Lévi-Strauss (1911-1999), a Sociedade de Etnografia e Folclore e se torna seu primeiro presidente. 

Em 1938 idealiza a Missão de Pesquisas Folclóricas, expedição de pesquisadores pelas regiões Norte e Nordeste do Brasil para registrar e estudar a diversidade de melodias cantadas no trabalho, em festas e rezas. Em 1938, transfere-se para o Rio de Janeiro, onde dirige o Instituto de Artes da Universidade do Distrito Federal, além de ocupar a cátedra de história e filosofia da arte.

De volta a São Paulo em 1941, realiza estudo monográfico sobre a vida e a obra do artista setecentista frei Jesuíno do Monte Carmelo (1764-1819), defendendo que a arte colonial brasileira seja observada em suas características originais, independentemente da arte europeia e da arte erudita brasileira.

Na década de 1940, a visão entusiasmada do modernismo das décadas de 1920 e 1930 se torna mais crítica e reflexiva no ensaio O movimento modernista. O texto define o caráter único do movimento como a fusão de três elementos encontrados em outros momentos da história cultural do país: “o direito permanente à pesquisa estética; a atualização da inteligência artística brasileira; e a estabilização de uma consciência criadora nacional"1. Na produção literária ocorre movimento semelhante: em poemas e contos, inquietações íntimas se somam a questionamentos sobre a realidade brasileira, evidente nos livros de publicação póstuma, Lira paulistana (1945), Café (1955) e Contos novos (1956).

Um capítulo à parte de sua produção é a volumosa correspondência com Manuel Bandeira (1886-1968), Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), Oswald de Andrade, Tarsila do Amaral, Fernando Sabino (1923-2004), Augusto Meyer (1902-1970) e outros artistas.

As ideias e posições de Mário de Andrade contribuem decisivamente para desencadear novos movimentos e tendências artísticas e literárias. A qualidade de sua poesia e a perspicácia e veemência dos questionamentos que "sacudiram" o meio cultural brasileiro de seu tempo fazem dele um dos principais escritores e intelectuais do país.
 
Notas

1. ANDRADE, Mário. O movimento modernista. In: BERRIEL, Carlos E. O (org.). Mário de Andrade hoje. São Paulo: Editora Ensaio, 1990. p. 26.

Obras 79

Abrir módulo

Espetáculos 18

Abrir módulo

Exposições 36

Abrir módulo

Mídias (3)

Abrir módulo
Mário... Um homem desinfeliz - Encontros
Itaú Cultural
Jorge Schwartz - Modernismo - São Paulo na Literatura (2004)
O professor de literatura brasileira e pesquisador Jorge Schwartz palestra sobre o Modernismo. Tendo como marco zero a Semana de Arte Moderna de 22, realizada no Teatro Municipal, o modernismo é indissociável de São Paulo e da trajetória dos poetas paulistanos Mário e Oswald de Andrade. São Paulo na Literatura é uma série programas que tratam da cidade de São Paulo no imaginário da literatura brasileira. Com curadoria do jornalista e ensaísta Manuel da Costa Pinto e participação do grupo teatral Bendita Trupe, a série é formada por quatro programas -- Romantismo, Modernismo, Concretismo e Realismo Urbano. Gravado em fevereiro de 2004, na Sala Itaú Cultural, em São Paulo.

Fontes de pesquisa 33

Abrir módulo
  • 100 obras-primas da Coleção Mário de Andrade: pintura e escultura. Curadoria Marta Rossetti Batista. São Paulo: IEB, 1993.
  • ALVES, Henrique L. Mário de Andrade. São Paulo: Editora do Escritor, 1973. Não catalogado
  • ANDRADE, Carlos Drummond de. Mário de Andrade Desce aos Infernos. In: ______. A rosa do povo. In: ______. Poesia e prosa. 8. ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1992. p. 175-178.
  • ANDRADE, Mário DE. Mário de ANDRADE : fotógrafo e turista aprendiz. São Paulo: IEB, 1993. 124 p., il. p&b. 869.9 A5536m
  • ANDRADE, Mário de. Aspectos das artes plásticas no Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1984. 96 p., il. p&b. color. (Obras completas de Mário de Andrade, 12).
  • ANDRADE, Mário de. Eu sou trezentos, sou trezentos-e-cincoenta: uma "autobiografia" de Mário de Andrade. Curadoria e texto Telê Ancona Lopez; texto Mário de Andrade. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1992. A5536e 1992
  • ANDRADE, Mário de. Mário de Andrade: fotógrafo e turista aprendiz. Texto Telê Ancona Lopez, Ana Maria Paulino. São Paulo: IEB, 1993. 124 p., il. p&b.
  • ANDRADE, Mário de. Os Melhores poemas de Mário de Andrade. Compilação Gilda de Mello e Souza. São Paulo: Global, 1988. 163p. (Os Melhores poemas, 21).
  • ANDRADE, Mário. Prefácio interessantíssimo. Paulicéia desvairada. In: ______. Poesias completas. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1966.
  • ANDRADE, Mário: O Movimento Modernista. In: BERRIEL, Carlos E. O (org). Mário de Andrade hoje. São Paulo: Editora Ensaio, 1990. p. 26.
  • ANDRADE, Oswald de. O Meu Poeta Futurista. In: BRITO, Mário da Silva. História do Modernismo Brasileiro: I - antecedentes da Semana de Arte Moderna. 2ª ed. rev. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964. p.227-231.
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994
  • BANDEIRA, Manuel. A Mário de Andrade Ausente. In: ______. Belo belo. In: ______. Poesia completa e prosa. 4. ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1990. p. 279-280.
  • BATISTA, Marta Rossetti (org). Coleção Mário de Andrade: religião e magia, música e dança, cotidiano. São Paulo: Edusp: Instituto de Estudos Brasileiros, 2004. Não catalogado
  • BATISTA, Marta Rossetti; LIMA, Yone Soares de. Coleção Mário de Andrade: artes plásticas. São Paulo: USP. IEB, 1984.
  • BATISTA, Marta Rossetti; LIMA, Yone Soares de. Coleção Mário de Andrade: artes plásticas. São Paulo: USP. IEB, 1984. 708.98161 A5536c
  • BERRIEL, Carlos E. O (org). Mário de Andrade hoje. São Paulo: Editora Ensaio, 1990. p. 26. Não catalogado
  • BRASILEIRO que nem eu. que nem quem?. Curadoria Bia Lessa. São Paulo: FAAP, 1999.
  • BRITO, Mário da Silva. História do Modernismo Brasileiro . 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964. 322 p., il. p&b., foto. (Vera Cruz. Série literatura brasileira, 63). 709.8104 B862h 2.ed. rev.
  • CHIARELLI, Tadeu. De Almeida Jr. a Almeida Jr.: a crítica de arte de Mário de Andrade. 1996. 512p. Tese (Doutorado) - Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo - ECA/USP, São Paulo, 1996.
  • CÂMARA, Cristiane Yamada. Mário na Lopes Chaves. São Paulo: Fundação Memorial da América Lati na, 1996. 124 p., il. p&b. (Pesquisa). ISBN 85-85373-13-x. 869.992 A5536m
  • CÂMARA, Cristiane Yamada. Mário na Lopes Chaves. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 1996. 124 p., il. p&b. (Pesquisa).
  • DASSIN, Joan Rosalie. Política e poesia em Mário de Andrade . Tradução Antonio Dimas; prefácio Telê Ancona Lopez. São Paulo: Duas Cidades, 1978. 212 p. 869.9 A5536da
  • DASSIN, Joan Rosalie. Política e poesia em Mário de Andrade. Tradução Antonio Dimas. São Paulo: Duas Cidades, 1978. 212 p.
  • DUARTE, Paulo. Mário de Andrade por ele mesmo. 2.ed. rev. aum. São Paulo: Hucitec, 1985. 370 p., il. p.b. 869.9 A5536d 2.ed.
  • De Almeida Jr. a Almeida Jr. - I: a crítica de arte de Mário de Andrade. 1996. 154 p., il. p&b. Doutorado - , São Paulo, 1996. T759.981034 A447c v.1
  • De Almeida Jr. a Almeida Jr. - II: a crítica de arte de Mário de Andrade. 1996. 358 p., il. p&b. Doutorado - , São Paulo, 1996. T759.981034 A447c v.2
  • LAFETÁ, João Luiz. Figuração da intimidade : imagens na poesia de Mário de Andrade. São Paulo: Martins Fontes, 1986. 229 p. (Leituras). 869.9 A5536La
  • LAFETÁ, João Luiz. Figuração da intimidade: imagens na poesia de Mário de Andrade. São Paulo: Martins Fontes, 1986. 229 p. (Leituras).
  • MACUNAIMA. São Paulo: Centro de Pesquisa Teatral do Sesc, 1978. 1 programa do espetáculo realizado no Theatro São Pedro. Não catalogado
  • MENDES, Murilo. Grafito para Mário de Andrade. In: ______. Convergências, 1963/1966: 1- Convergência, 2- Sintaxe. São Paulo: Duas Cidades, 1970. p. 12-15.
  • MORAES, Eduardo Jardim de. Limites do modernismo: o pensamento estético de Mário de Andrade. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999. Não catalogado
  • MÉMORIA, São Paulo, Ano 5, n. 17, jan. /fev. /mar. 1993. Número especial. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: