Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Helena Bastos

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 11.04.2017
04.08.1958 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Maria Helena Franco de Araujo Bastos (Rio de Janeiro RJ 1958). Coreógrafa, bailarina, e professora universitária. Tem aulas de dança clássica com Cecy Leão, no Rio de Janeiro. Em 1980, gradua-se em educação física pela Universidade Gama Filho, na mesma cidade. Em seguida, transfere-se para São Paulo e aprofunda os estudos de dança clássica com I...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Maria Helena Franco de Araujo Bastos (Rio de Janeiro RJ 1958). Coreógrafa, bailarina, e professora universitária. Tem aulas de dança clássica com Cecy Leão, no Rio de Janeiro. Em 1980, gradua-se em educação física pela Universidade Gama Filho, na mesma cidade. Em seguida, transfere-se para São Paulo e aprofunda os estudos de dança clássica com Ilara Lopes, Ricardo Ordonez e Ismael Guiser. De 1982 a 2012, intercala formação em técnica clássica (Márika Gidali, Décio Otero, Maria Melo, Klauss Vianna e Zélia Monteiro), técnica moderna de Martha Graham (Clarisse Abujamra, Penha de Souza, Daniela Stasi e Ruth Rachou), e aprende outras técnicas modernas (Suzana Yamauchi, Sonia Mota), técnica contemporânea (Célia Gouvêa) e treinamento no método Pilates (Raul Rachou). Faz parte, em 1980, do Ballet de Câmara da Cidade de São Paulo, dirigido por Lopes e Ordonez. De 1981 a 1983, integra o Ballet Stagium e, posteriormente, o extinto grupo Marzipan, quando atua em Seis Histórias de Amor, de Ricardo Viviane, com direção de José Rubens Siqueira.

Cria Ankor, em 1984, para o grupo Sociarte, que se apresenta no Encontro Nacional de Dança Amadora (Enda). Entre 1984 e 1986, participa como intérprete e coautora dos espetáculos de dança Galáxia 2000, Um Momento, Salão Grená e Ronda da Luxúria. Atua como atriz e bailarina na peça Dona Flor e seus Dois Maridos (1985), com direção de José Maria Paolantonio; dirige a coreografia do espetáculo teatral Síntese e Surpresa (1985), com direção de Fernando Ramos; e atua no espetáculo de teatro-dança O Tempo e a Vida de Carlos e Carlos, com direção de Emílio Di Biasi (1988). Entre 1988 e 1991, participa do grupo de Célia Gouvêa nos espetáculos Festarola (1988-1990) e Trasgo (1991). Realiza seus primeiros trabalhos solos com O Cérebro da Bruxa (1991) e a Dama de Bambuluá (1992). Em 1993, funda o grupo Musicanoar, com o músico Rogério Costa, quando estreia o trabalho solo Alameda das Orquídeas, apresentado no MTD 90 (Movimento Teatro-Dança), no Teatro Faculdade Armando Alvares Penteado - Faap. Esse espetáculo inaugura sua parceria com Raul Rachou.

Gordolinda (1995), o próximo espetáculo solo, e Sopa de Serpentes são suas criações posteriores. Ainda nos anos 1990, coreografa trabalhos e os interpreta para o grupo de Ruth Rachou. Torna-se, em 1991, professora de dança para adultos e crianças da Escola Municipal de Iniciação Artística (Emia) de Santo André. Em 1996, passa a ensinar dança para crianças na Emia de São Paulo e participa do programa Coreógrafos-Residentes no American Dance Festival (ADF/Estados Unidos). Entre 1998 e 2002 ministra aulas de dança no ensino médio da Escola Vera Cruz.

Realiza os espetáculos Dançarinar (2000), Cães (2001), Vapor (2006-2007), Nufreakar (2006) e Cadeira de Rosas (2009). Conclui, em 2003, doutorado no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Desde 2002, é professora na graduação e pós-graduação do Departamento de Artes Cênicas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), tornando-se chefe do departamento entre 2011 e 2012. É diretora da Associação Nacional de Pesquisadores em Dança na gestão 2008-2012.

Espetáculos 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 1

Abrir módulo
  • Jorge Amado, Angelina Muniz, Dona Flor e Seus Dois Maridos juntos no Brigadeiro. Palco e Platéia, São Paulo, ano 0, julho de 1985. Não catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: