Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Paulo Mendes da Rocha

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.05.2021
25.10.1928 Brasil / Espírito Santo / Vitória
23.05.2021 Brasil / São Paulo / São Paulo
Acervo Paulo Mendes da Rocha

Bicicleta à Vela, 2009
Paulo Mendes da Rocha
Nanquim sobre papel, c.i.d.
42,00 cm x 28,00 cm
Acervo Paulo Mendes da Rocha

Paulo Archias Mendes da Rocha (Vitória, Espírito Santo, 1928 - São Paulo, São Paulo, 2021). Arquiteto, urbanista e professor. Representante da Escola Paulista e ganhador do Prêmio Pritzker, o chamado “Nobel da arquitetura”, é o autor de projetos como o Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) e o plano de reforma da Pinacoteca do Estado de São Paulo...

Texto

Abrir módulo

Paulo Archias Mendes da Rocha (Vitória, Espírito Santo, 1928 - São Paulo, São Paulo, 2021). Arquiteto, urbanista e professor. Representante da Escola Paulista e ganhador do Prêmio Pritzker, o chamado “Nobel da arquitetura”, é o autor de projetos como o Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) e o plano de reforma da Pinacoteca do Estado de São Paulo (Pesp).

A produção de Mendes da Rocha se caracteriza, segundo o crítico italiano Francesco Dal Co, pela combinação ímpar dos seguintes atributos: a "segura racionalidade", a "essencialidade das soluções construtivas", a "intransigência no emprego dos materiais" e o "desprezo pelo supérfluo".1  São atributos que revelam as singularidades do arquiteto e que, em parte, indicam as relações que desenvolve com profissionais e tendências ao longo de sua carreira.

Mendes da Rocha se forma em 1954, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo. Filho do engenheiro de portos e vias navegáveis Paulo Menezes Mendes da Rocha, diretor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP) entre 1943 e 1947, tem uma formação familiar ligada à reflexão sobre a relação entre engenharia e natureza.

O arquiteto se destaca muito cedo, aos 29 anos, quando projeta o Ginásio do Clube Atlético Paulistano (1958), obra que lhe vale o Grande Prêmio Presidência da República na 6ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1961. Estruturada em seis enormes pilares de concreto que se afinam ao encontrar o solo, essa obra pioneira antecipa muitas das características da chamada "virada brutalista" na arquitetura. Entre o final da década de 1950 e início dos anos 1960, a carreira do arquiteto também é marcada por projetos de escolas para a rede pública.2

Em 1961, Mendes da Rocha torna-se professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), a convite do arquiteto Vilanova Artigas. Passa, então, a integrar o grupo de arquitetos que, sob a liderança deste último, constitui a chamada Escola Paulista, cuja produção se caracteriza pelo emprego "brutalista" do concreto armado e pela ênfase nas soluções estruturais de grande porte, características prefiguradas no premiado ginásio projetado por Mendes da Rocha.

Datam desse período inicial em que atuou como professor da FAU/USP obras consideradas fundamentais em sua carreira: a sede social do Jockey Club de Goiânia, de 1962, o edifício residencial Guaimbê e sua própria residência, no bairro do Butantã, em 1964, ambos em São Paulo. Mais tarde, ao lado de Artigas e Fábio Penteado, projeta o Conjunto Habitacional Zezinho Magalhães Prado/Parque Cecap (1968), construído em Guarulhos para atender a 50 mil moradores.

Após o Ato Institucional nº 5 (AI-5 ), Mendes da Rocha é afastado da FAU/USP em 1969, à qual retornará, com a anistia, apenas em 1980, na função de auxiliar de ensino – permanecerá nessa condição até tornar-se professor titular em 1998, ano em que se aposentará compulsoriamente, por ter completado 70 anos de idade.

Com os direitos profissionais cassados, vence em 1969, em situação paradoxal, o concurso nacional para o Pavilhão do Brasil, na Expo'70, em Osaka: seu projeto é uma grande cobertura de concreto e vidro apoiada em colinas artificiais. Em 1971,  seu trabalho é um dos premiados no concurso internacional para o Centre Georges Pompidou (Beaubourg), em Paris.

Enquanto no trabalho de Vilanova Artigas, mentor de Mendes da Rocha, a visão didática da estrutura prevalece, nos projetos deste último a construção não parece carregar um sentido pedagógico explícito. Ela, antes, foge do formalismo, exprimindo-se na forma de "gestos primários", quase arquetípicos. Esse é o sentido da construção de uma topografia artificial no mencionado Pavilhão do Brasil. Trata-se, em suas palavras, de "uma visão poética sobre a forma que ultrapassa, na sua dimensão humana, a estrita necessidade". Uma arquitetura que se distancia do modernismo heróico, e que declara desejar-se menos "funcional" do que "oportuna".3

Atuante também no campo da representação de classe, Mendes da Rocha preside o departamento paulista do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB/SP) em duas ocasiões: de 1972 a 1973 e de 1986 a 1987. Entre 1987 e 1988, seus projetos para a Loja Forma e para o Museu Brasileiro da Escultura (MuBE), também vencedor de um concurso, inauguram uma nova fase de reconhecimento público do seu trabalho. A viga-marquise do MuBE é mais um exemplo do valor “quase arquetípico” de suas obras, com uma função essencialmente simbólica: demarcar um lugar, uma construção subterrânea.4

No campo do urbanismo, o lirismo do seu raciocínio se baseia na exploração da relação entre construção e natureza, uma vez que, para Mendes da Rocha, a "primeira e primordial arquitetura é a geografia".5 Em projetos como a Cidade do Tietê, de 1981, e as propostas de reurbanização das baías de Vitória, de 1993, e Montevidéu, de 1998, a inteligência das intervenções dialoga com as possibilidades latentes da paisagem, lidas de uma ótica infraestrutural.

No primeiro desses projetos, Mendes da Rocha propõe a construção estratégica de uma "cidade-porto fluvial" que, às margens do rio Tietê, integre as redes de transporte intercontinentais e incentive a ocupação do território, ligando, em última análise, as bacias Amazônica e do Prata. No segundo, propõe edifícios insólitos construídos diretamente sobre as águas, em contraste e diálogo com a monumentalidade tanto dos navios que atracam no porto quanto das montanhas próximas. Por fim, no terceiro projeto, faz da superfície de água da baía, tratada historicamente como um entrave para o desenvolvimento da cidade, um meio de transporte que integra lugares estanques, retifica o porto e explora a potencialidade "festiva" da natureza ao transformar uma ilha existente em teatro ao ar livre.

Quatro fatores podem ser apontados como determinantes na constituição desse modo de pensar. O primeiro refere-se à ideologia desenvolvimentista da Escola Paulista, apoiada no projeto político do Partido Comunista Brasileiro (PCB), que enxerga nas grandes obras de infraestrutura (barragens, canais, estradas, portos) o vital avanço das forças produtivas da nação. O segundo é familiar, e deve-se à influência do seu pai, engenheiro encarregado de planejar o combate à seca no Nordeste e responsável pela construção do Açude de Cruzeta, 1918, no Rio Grande do Norte. O terceiro relaciona-se à influência da "visão telúrica" de Le Corbusier, que, no livro Precisões sobre um Estado Presente da Arquitetura e do Urbanismo, 1930, relata o impacto provocado pelo território americano em sua visão de mundo. E o quarto, mais recente, consiste na leitura da liberdade irreverente e fenomenológica de propostas do arquiteto italiano Aldo Rossi, particularmente do seu "Teatro do Mundo" em Veneza, 1979: uma construção flutuante, que se move, como a própria cidade de Veneza, cujo "leito carroçável" é feito de água.

O reconhecimento de Mendes da Rocha se estende pela década de 1990, quando desenvolve na cidade de São Paulo projetos como o pórtico da Praça do Patriarca, em 1992, a reforma do edíficio da Pinacoteca do Estado de São Paulo (_Pina), em 1993, e o Centro Cultural da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), em 1996. Internacionalmente, o arquiteto torna-se um profissional de referência: as editoras Blau, de Portugal, e Gustavo Gilli, da Espanha, lançam, em 1996, o livro Mendes da Rocha. O reconhecimento se intensifica em 1997 com a Sala Especial Mendes da Rocha, na 10ª Documenta de Kassel, Alemanha, e com o Prêmio Mies van der Rohe de Arquitetura Latino-Americana, em 2000, pela reforma da Pesp.

Pode-se dizer que, pelo amplo reconhecimento que obtém no fim dos anos 1990, a arquitetura brasileira recupera parte do interesse que desperta no público estrangeiro entre as décadas de 1940 e 1960. A obra de Mendes da Rocha se alça no panorama contemporâneo simultaneamente como a legítima herdeira desse legado histórico racionalista e como sua atualização crítica no contexto das revisões pós-modernas.

No processo de formalização conduzido por Mendes da Rocha, não é o apuro no detalhe construtivo ou a expressividade plástica que comandam, mas a monumentalidade da técnica. Não há a intermediação do capricho artesanal ou da composição em seu raciocínio, pois a relação entre técnica e pensamento é direta. "Raciocina-se com a engenhosidade possível. Não se pensa com formas autônomas ou independentes de uma visão fabril delas mesmas", diz Paulo Mendes. E completa: "Quando o arquiteto risca no papel uma anotação formal, um croquis, está convocando todo o saber necessário, mecânica dos fluidos, mecânica dos solos, máquinas e cálculos que sabe que existem para fazer aquilo. Não se trata de fantasias, mas uma forma peculiar de mobilizar o conhecimento, o modo arquitetônico."6

Com a publicação do livro Paulo Mendes Da Rocha: Bauten Und Projekte (2001), na Europa, pela editora Niggli Verlag, além de encomendas de projetos na Espanha, o arquiteto recebe, em 2006, o importante Prêmio Pritzker, condecoração máxima entre os arquitetos do mundo, considerada o prêmio Nobel da arquitetura. Além de Paulo Mendes, o único arquiteto brasileiro a receber o prêmio é Oscar Niemeyer (1907-2012) condecorado em 1988.

O reconhecimento internacional de Mendes da Rocha, sua produção diversa e singular, além do valor simbólico que suas obras têm entre os que vivenciam a cidade, são os fatores que determinam a importância do arquiteto para o Brasil e explicam sua posição proeminente nas discussões e eventos sobre a arquitetura e o urbanismo.

Notas

1. DALCO, Francesco. Paulo Mendes da Rocha - Pritzker Prize 2006. Casabella 744, maio de 2006.

2. "Durante os anos de 60 a 63 o Instituto de Previdência do Estado (Ipesp), organizou e financiou projetos e construções de diversos edifícios públicos em quase todos os municípios do Estado, escolas principalmente, contratando arquitetos, alguns recentemente saídos das Faculdades. A necessidade de uma unidade em torno do problema da escola, atraiu as atenções em torno do tema, seus problemas, implicações sociais, estéticas, técnicas e ressaltou a importância da revisão dos planos e programas. Na verdade constitui-se um verdadeiro grupo de trabalho e de troca de informações e os projetos resultantes revelam um notável avanço geral, na prática profissional no nosso meio". ROCHA, Paulo Mendes da. Edifícios escolares: comentários.Acrópole, 377, set. 1970, p. 35.

3. ROCHA, Paulo Mendes. Genealogia da imaginação. In: ARTIGAS, Rosa Camargo (org.). Paulo Mendes da Rocha. São Paulo: Cosac & Naify, 2000. p. 73.

4. Ver: TELLES, Sophia S.  Museu da Escultura. AU Arquitetura e Urbanismo, n. 32, out/nov 1990.

5. ROCHA, Paulo Mendes. A cidade para todos. In: ARTIGAS, Rosa Camargo (org.). op. cit. p. 172.

6. ROCHA, Paulo Mendes. Genealogia da imaginação. In: ARTIGAS, Rosa Camargo (org.). op. cit. p. 71.

Obras 13

Abrir módulo
Acervo Paulo Mendes da Rocha

Autoretrato

Nanquim sobre papel

Exposições 16

Abrir módulo

Eventos relacionados 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: