Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Eduardo Frota

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.03.2017
13.02.1959 Brasil / Ceará / Fortaleza
Eduardo Eloísio Frota (Fortaleza, Ceará, 1959). Escultor e professor. Chega ao Rio de Janeiro em 1978. Nos dois anos seguintes, assiste ao Curso Intensivo de Arte/Educação (Ciae), na Escolinha de Arte do Brasil (EAB) , no Rio de Janeiro. Em 1986, licencia-se em educação artística pelas Faculdades Integradas Bennet, na mesma cidade. Mostra trabal...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Eduardo Eloísio Frota (Fortaleza, Ceará, 1959). Escultor e professor. Chega ao Rio de Janeiro em 1978. Nos dois anos seguintes, assiste ao Curso Intensivo de Arte/Educação (Ciae), na Escolinha de Arte do Brasil (EAB) , no Rio de Janeiro. Em 1986, licencia-se em educação artística pelas Faculdades Integradas Bennet, na mesma cidade. Mostra trabalhos no Salão Carioca de Arte em 1982 e 1986.

Em 1983, participa da Oficina do Corpo da Escola de Artes Visuais (EAV/Parque Lage) , Rio de Janeiro. Em 1984 e 1985, estuda no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ) com Gastão Manuel Henrique (1933) , faz o curso Volume/Espaço; com Eduardo Sued (1925) , participa do curso Diálogo; e, com Ronaldo Brito (1949), lê O Olho e o Espírito, do filósofo francês Maurice Merleau-Ponty (1908 - 1961). Sua primeira individual acontece na Fundação Nacional de Arte (Funarte), em 1988. Em 1996, recebe a bolsa do Projeto Uniarte 96, da Faperj/UFRJ. Um ano depois, ganha o grande prêmio do salão Arte Pará.

Em 2001, é curador adjunto do Programa Rumos Artes Visuais do Itaú Cultural 2001 - 2003, para o qual realiza um mapeamento das artes nas regiões Norte e Nordeste e uma curadoria da exposição com jovens artistas. Nessa época, é coordenador do Núcleo de Artes Plásticas do Alpendre, em Fortaleza. A partir dos anos 2000, começa a mostrar grandes instalações com peças em madeira, como faz na 25ª Bienal de São Paulo (2002). Desde o início de sua trajetória, trabalha com arte-educação.

Análise

Eduardo Frota faz esculturas em madeira nas quais problematiza questões da escultura e do espaço modernos. Em 1988, no 11º Salão Nacional de Artes Plásticas, Frota expõe uma fina tripa de madeira pintada com cores escuras, formando uma circunferência. Ela está no limite entre a escultura, o desenho e a pintura, pois é uma forma geométrica com relevo, mas é quase uma linha, é pintada e está na parede.

Aos poucos, seu trabalho ganha volume. Ele recebe o prêmio do Arte Pará 1997 por uma espécie de nó anguloso feito de cilindros retos de madeira unidos em ângulos bastante fechados e preso à parede. O crítico Cláudio de la Rocque Leal faz uma relação com a arte neoconcreta, pelo rompimento com o plano e a discussão do espaço, destacando a influência de Amílcar de Castro (1920 - 2002)1.

Na verdade, quando chega ao Rio, Frota impressiona-se com a obra de Willys de Castro (1926 - 1988) . Depois, é Lygia Clark (1920 - 1988) e sua ideia de arte participativa que lhe interessam mais2. Isso está ligado à sua leitura de Maurice Merleau-Ponty (1908 - 1961), e faz a expansão da sua obra para o espaço expositivo parecer natural. A partir de 2000, Frota realiza Intervenções Extensivas: são grandes carretéis, cones ou tubos sinuosos, formados com placas de compensado de madeira cortadas e coladas. Com elas, Frota recorta e desfaz o espaço, propondo ao espectador outra relação com ele, seja pela possibilidade de entrar no trabalho, pelo eco, pela obstrução da vista, ou pela dificuldade de locomoção.

Nota

1 LEAL, Cláudio de la Roque. In: Arte Pará 1997, Fronteiras. Belém: Museu do Estado/Fundação Rômulo Maiorana, 1997, p. 12. 2 HERKENHOFF, Paulo. In: FROTA, Eduardo. Eduardo Frota. Vila Velha: Museu Vale do Rio Doce, 2005, p. 13.

 

Exposições 54

Abrir módulo

Feiras de arte 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 20

Abrir módulo
  • 3 DIMENSÕES: Ascânio MMM, Eduardo Frota e Walter Guerra. comentário Fernando Cocchiarale, Eduardo Passos, Vitória Daniela Bousso. Rio de Janeiro, RJ: Funarte, 1996. 1 folha dobrada.
  • Arte construtiva no Ceará. Fortaleza: Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, 1999. Exposição realizada no periodo de 08 jan. a 04 abr.1999.
  • CEARÁ e Pernambuco: dragões e leões. Fortaleza: Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura/Secretaria de Cultura e Desporto do Estado do Ceará, 1998.
  • FROTA, Eduardo. Eduardo Frota. Texto Adolfo Montejo Navas. São Paulo: Galeria Virgilio, 2007. Fol. dobr., color.
  • FROTA, Eduardo. Eduardo Frota. Texto Paulo Herkenhoff. Vila Velha: Museu Vale do Rio Doce, 2005. [Intervenções extensivas X] 38 p., il. color.
  • FROTA, Eduardo. Paisagens no espaço. Texto Denise Mattar e Agnaldo Farias. São Paulo: Centro Cultural Banco do Brasil, 2003.
  • FROTA, Eduardo; Bento, José. Eduardo Frota, José Bento. Niterói: Galeria de arte UFF, 1997. Não paginado, il. p&b.
  • FROTA, Eduardo; Santiago, Daniel. Eduardo Frota, Daniel Santiago. Texto Sílvia Paes Barreto, Monika Jun Honma, José Jacinto dos Santos Filho. Recife: Museu de Arte Moderna Aluísio Magalhães, [2007]. Não paginado, il. color.
  • IV Salão MAM-Bahia, 1997-1998. Salvador: Museu de Arte Moderna da Bahia. Não paginado, il. color.
  • LIMA, Manoel Ricardo de. 55 começos. Florianópolis: Editora da casa, 2008.232 p.
  • MAPEAMENTO nacional da produção emergente [2001/2003]: Rumos Itaú Cultural Artes Visuais. São Paulo: Itaú Cultural, 2002. (Rumos Itaú Cultural Artes Visuais).
  • MUSEU Oscar Niemeyer: 2003 a 2007. Texto Paulo Herkenhoff, Lauro Cavalcanti, Maria José Justino. Curitiba: Museu Oscar Niemeyer, 2008. 372 p., il. color.
  • NOVOS Novos. Rio de Janeiro: Galeria de Arte Centro Empresarial Rio, 1988.
  • O DESCONFORTO da forma. Curadoria e texto Eduardo Frota. São Paulo: Itaú Cultural Campinas, 2002. [Exposição com Felipe Barbosa, João Loureiro, Luiz Carlos Brugnera, Raquel Garbelotti, Rodrigo Godá].
  • O LUAR do sertão. São Paulo: Galeria Nara Roesler, 1999. [16 p.]. Exposição realizada no periodo de 5 a 21 maio 1999.
  • PROGRAMA de exposições 91 Centro Cultural São Paulo. São Paulo: Centro Cultural São Paulo CCSP, 1992.
  • SALÃO ARTE PARÁ, 16., 1997, Belém. Arte Pará: Fronteiras. Curadoria Cláudio de La Rocque Leal, Paulo Herkenhoff. Belém: Fundação Romulo Maiorana, 1997.
  • SALÃO NACIONAL DE ARTES PLÁSTICAS, 11. , 1989, Rio de Janeiro, RJ. 11º Salão Nacional de Artes Plásticas. Rio de Janeiro: Funarte, 1989.
  • SEIS artistas na 25ª Bienal de São Paulo. São Paulo: Galeria Nara Roesler, 2002.
  • TRAÇOS e transições da arte contemporânea brasileira. Belém: Secretaria de Cultura do Estado do Pará - Secult, 2006. 167 p., il. color. [Exposição no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas].

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: