Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Horácio Costa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 22.01.2020
14.12.1954 Brasil / São Paulo / São Paulo
José Horácio de Almeida do Nascimento Costa (São Paulo, São Paulo, 1954). Poeta, ensaísta, tradutor e professor. Forma-se em arquitetura e urbanismo pela Universidade de São Paulo (FAUUSP) em 1978. Estreia na literatura, em 1981, com o livro 28 Poemas 6 Contos, em edição de autor. Defende mestrado em artes pela New York University (Universidade ...

Texto

Abrir módulo

José Horácio de Almeida do Nascimento Costa (São Paulo, São Paulo, 1954). Poeta, ensaísta, tradutor e professor. Forma-se em arquitetura e urbanismo pela Universidade de São Paulo (FAUUSP) em 1978. Estreia na literatura, em 1981, com o livro 28 Poemas 6 Contos, em edição de autor. Defende mestrado em artes pela New York University (Universidade de Nova York), em 1986. Entre 1987 e 2001, ensina na Universidade Nacional Autônoma do México (Unam).  Organiza, em 1992, o encontro A Palavra Poética na América Latina: Avaliação de uma Geração, resultando o diálogo com os poetas mais notáveis de sua geração, que começam a publicar nos anos 1980. Doutora-se em filosofia pela Yale University [Universidade de Yale] em 1994, com a tese José Saramago – O Período Formativo. 

Em 2001, após 20 anos no exterior, retorna ao Brasil e passa a lecionar na Universidade de São Paulo (USP). Edita em 2004 a coletânea de poemas Fracta, um destaque no conjunto de sua produção. Em continuidade ao diálogo entre poetas, organiza em  2007 o encontro de poesia ibero-americana Em Mar Aberto, dedicado à integração entre as poéticas de língua portuguesa e espanhola. Como presidente da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura (Abeh), entre 2006 e 2008, organiza o livro Retratos do Brasil Homossexual – Fronteiras, Subjetividades e Desejos (2010), esforço de sua militância na luta pelos direitos do homossexual. 

Entre suas contribuições como tradutor, destacam-se versões de poetas modernos relevantes como os mexicanos José Gorostiza (1901 - 1973), Octavio Paz (1914 - 1998) e a norte-americana Elizabeth Bishop (1911 - 1979).

Análise

A poesia de Horácio Costa contempla interesses diversos, sendo essa variedade um dos pontos importantes de sua obra. A longa estada fora do Brasil – de 1981 até 2001, entre Estados Unidos, Espanha, Portugal e México – alimenta a interação com imaginários e contextos múltiplos, instaurando uma apreensão nômade em sua poesia. Tais aspectos podem ser observados nos versos do poema Vinte Anos Depois: “[...] a então chamada ponte do futuro já não serve mais / agora quando estás nela também estás aqui / tinhas o cabelo solto tinhas a rédea solta / soltas tinhas as palavras / há vinte anos / entre aqui e ali”.1 

Em sua poesia há também o interesse pela variedade de formas: em O Menino e o Travesseiro (2003), por exemplo, explora o poema longo, de cunho narrativo, que rememora a infância. Em O Livro dos Fracta (1990), emprega uma forma mais concisa e fragmentária, três versos para cada poema, imposição construtiva para todo o livro, criando uma “forma fixa” pessoal: “Qual a área que esconde a liberdade de uma linha? / relacionam-se universos do plano ao monte, arfam pulsares pelos interstícios / Se te aprouver, inscreve tua fractalidade na pele do papel”.2 

Os poemas mais recentes expressam o amor homossexual, temática relevante em sua militância, de acordo com a declaração para a revista Zunái:  “(...) como é que os poetas homossexuais mexicanos desde os anos vinte fizeram da afirmação da sua condição sexual uma de suas bandeiras, e que aqui nunca houve nada disso, até bem recentemente?”3, questão abordada em Homoeróticas (2007): “[...] sentia como o tesão doía / porque eram os apertados traseiros dos primos / e não os das lollobrígidas em turno [...]”,4 poemas dedicados à formação de uma memória homossexual na poesia brasileira, daí decorre seu viés civil, político.

Notas

1. COSTA, Horácio (Org.). Fracta. 1. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2004. p.16.

2. COSTA, Horácio. O livro dos Fracta. 1. ed. São Paulo: Editora Iluminuras, 1990. p.35.

3. REVISTA ZUNÁI. EntreVista: Et mutabile. Uma conversa com Horácio Costa. Disponível em: http://www.revistazunai.com/entrevistas/horacio_costa.htm. Acesso em: 5 set. 2014.

4. COSTA, Horácio. Homoeróticas. 1. ed. São Paulo: Lumme Editor, 2007. p.51.

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • COSTA, Horácio (Org.). Fracta. 1. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2004.
  • COSTA, Horácio. (Org.). A palavra poética na América Latina. 1. ed. São Paulo: Editora Memorial da América Latina, 1992.
  • COSTA, Horácio. (Org.). Em mar aberto. 1. ed. São Paulo: Centro Cultural da Espanha em São Paulo, 2007.
  • HORÁCIO COSTA. Site do CNPq - Plataforma Lattes. Brasília, 2012. Disponível em: http://lattes.cnpq.br/4062132587656429. Acesso em: 15 out. 2012

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: