Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Norberto Nicola

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
1930 Brasil / São Paulo / São Paulo
23.05.2007 Brasil / São Paulo / São Paulo
Norberto Nicola (São Paulo SP 1931 - idem 2007). Tapeceiro, pintor, desenhista, escultor e gravador. Em 1954, começa sua formação no curso para professores de desenho da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap) e no Atelier-Abstração, de Samson Flexor (1907-1971), em São Paulo. Ali conhece Jacques Douchez (1921), com quem cria, em 1957, o Ateliê...

Texto

Abrir módulo

Biografia
Norberto Nicola (São Paulo SP 1931 - idem 2007). Tapeceiro, pintor, desenhista, escultor e gravador. Em 1954, começa sua formação no curso para professores de desenho da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap) e no Atelier-Abstração, de Samson Flexor (1907-1971), em São Paulo. Ali conhece Jacques Douchez (1921), com quem cria, em 1957, o Ateliê Douchez-Nicola de tapeçaria, que dura até 1980. Passa a produzir tapeçarias, primeiro planas e depois tridimensionais. Faz estágios na manufatura de Aubusson, França, entre outras na Europa. Apresenta mostra individual no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), em 1961. Participa da 7ª Bienal de São Paulo, em 1963, e da 8ª, 9ª, 11ª e 13ª edições do evento. Expõe suas obras em lugares como a Galeria da O.E.A., em 1973, em Washington, e o Museu Nacional de Belas Artes do México. No mesmo ano, recebe o prêmio da categoria tapeçaria da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Cria a Trienal de Tapeçaria, que teve três edições em São Paulo, a primeira em 1976. Por volta de 1970, Nicola torna-se colecionador e estudioso da arte plumária brasileira. Produz mostras importantes, como a Arte Plumária no Brasil, em 1980, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP). No final dos anos 1990, começa a fazer gravuras por meio do computador. Expõe algumas destas no Club Athletico Paulistano, em São Paulo, em 2000.

Comentário crítico
As tapeçarias de Nicola utilizam-se de raízes, folhas, terra, penas, árvores e cipós em tons quentes e envolventes, em entrelaçamentos que nos põem diretamente no meio de uma selva, como se fossem recortes desta. Os materiais tradicionais da tapeçaria são variados: lã, linho, estopa, sisal, vime, cânhamo e outros. Podem estar trançados e tecidos, mas também soltos, como se fossem plumagem, pelagem ou capim. O resultado é fortemente tátil, sensual e vivo.

Além desse aspecto sensorial, ele consegue investir suas peças de uma dimensão ritualística. Como afirma o crítico Jacob Klintowitz no texto de apresentação de uma exposição, o artista brasileiro em geral acredita que está mais em contato com a natureza do que os outros e que sua missão é resgatar a herança mística, cultural e formal do país. Aqui, essa missão parece ter sido cumprida.1

Crisálida, por exemplo, de 1980, é uma espécie de manto xamanístico em cores fortes, como vermelhos, amarelos e azuis, em forma de grandes asas abertas, de cujas bordas pendem tipos de cipós e fios soltos. Remete-nos diretamente à arte plumária brasileira.

Para esta, a partir dos anos 1970, Nicola busca a legitimação, organizando mostras e estudos. Na apresentação de um dos catálogos de exposição, afirma querer divulgar essa arte, mas também guardá-la e preservá-la, despertando o interesse do público e fazendo registro dela.2 Essa consciência pública da arte se manifesta igualmente na sua atividade em comissões, por exemplo no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP), e na coordenação de eventos, como a Trienal de Tapeçaria.

 

Notas
1 OS RITMOS E AS FORMAS: arte brasileira contemporânea. Apresentação Abram Szajman. Texto Jacob Klintowitz. São Paulo: Serviço Social do Comércio - SESC/SP, 1988. 77 p., il. color.
2 DORTA, Sonia Ferraro e NICOLA, Norberto. Aroméri: arte plumária indígena. São Bernardo do Campo, São Paulo: Mercedez-Benz do Brasil S.A., 1986.

Exposições 49

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 22

Abrir módulo
  • ANDRADE, Geraldo Edson de. Aspectos da tapeçaria brasileira. Apresentação de Clarival do Prado Valladares. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1978.
  • ARTISTAS da Tapeçaria Brasileira. SP: Volkswagen do Brasil S.A., 1987. 217 p., il. color.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DORTA, Sonia Ferraro e NICOLA, Norberto. Aroméri: arte plumária indígena. São Bernardo do Campo, São Paulo: Mercedez-Benz do Brasil S.A., 1986.
  • EXPOSIÇÃO ARTE PLUMÁRIA DO BRASIL, 17ª Bienal de São Paulo, 1983. Arte Plumária do Brasil. Curadoria Norberto Nicola e Sonia Ferraro Dorta. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1983.
  • FORMAS TECIDAS DE NICOLA/FORMAS TECIDAS DE DOUCHEZ. São Paulo: Museus de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, 1973.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LOUZADA, Júlio. Artes plásticas Brasil 1985: seu mercado, seus leilões. São Paulo: J. Louzada, 1984. v. 1.
  • MOLINA, Camila. Brasil perde importante nome da tapeçaria. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 5 de jun. 2007. Caderno 2, D7.
  • Morre o pintor e tapeceiro Norberto Nicola. O Estado de S. Paulo, 24 de maio de 2007. Caderno 2, p. D2. Não catalogado
  • NICOLA, Norberto. Norberto Nicola. Campinas: Aremar, 1960.
  • NICOLA, Norberto. Norberto Nicola. São Paulo: Club Athlético Paulistano, 2000. 8 p.
  • NICOLA, Norberto. Norberto Nicola. Texto Jacob Klintowitz e Pietro Maria Bardi. São Paulo: Saldiva & Associados Propaganda, s.d. 1 fl. dobrada, il. color.
  • NICOLA, Norberto. Tapeçarias. Texto Jacob Klintowitz. São Paulo: Galeria São Paulo, 1983. 8 p., il. color.
  • O MÚLTIPLO NA VISÃO DE BAVARELLI, MARCELLO NITSCHE, MARIA BONOMI, NORBERTO NICOLA, PETICOV, VLAVIANOS. São Paulo: Multipla de Arte, 1990.
  • OS RITMOS E AS FORMAS: arte brasileira contemporânea. Apresentação Abram Szajman. Texto Jacob Klintowitz. São Paulo: Serviço Social do Comércio - SESC/SP, 1988. 77 p., il. color.
  • PONTUAL, Roberto. Arte/ Brasil/ hoje: 50 anos depois. São Paulo: Collectio, 1973.
  • QUATRO artistas brasileiros = Vier brasilianische Kunstler: Douchez, Ianelli, Martins, Nicola. Apresentação de Jorge de Carvalho e Oscar Landmann. Texto de Wolfgang Pfeiffer. São Paulo: MAM, 1980.
  • SALÃO GLOBAL DE INVERNO, 5. , São Paulo, 1978. O gesto criador. Apresentação de Roberto Marinho. Belo Horizonte: Palácio das Artes, 1978.
  • THE ORIGINAL and its reproduction: a "Melhoramentos" project. Texto de José Neistein. Washington: Art Gallery of the Brazilian - American Cultural Institute, 1977.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: