Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Alvarus

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.12.2017
27.01.1904 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
1985 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

[Caricatura de J. Carlos], 1950
Alvarus

Álvaro Cotrim (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1904 - idem 1985). Caricaturista, jornalista, historiador da arte, escritor e professor. Publica seu primeiro desenho no jornal A Bola, em 1923, porém seu trabalho ganha reconhecimento apenas dois anos depois, quando passa a ilustrar as páginas do jornal A Pátria. Ainda em 1925 publica desenhos nas ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Álvaro Cotrim (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1904 - idem 1985). Caricaturista, jornalista, historiador da arte, escritor e professor. Publica seu primeiro desenho no jornal A Bola, em 1923, porém seu trabalho ganha reconhecimento apenas dois anos depois, quando passa a ilustrar as páginas do jornal A Pátria. Ainda em 1925 publica desenhos nas revistas Shimmy, A Maçã e Vida Moderna. Em 1927 ilustra, com J. Carlos (1884-1950). , as páginas da revista Para Todos e, no ano seguinte, começa a trabalhar no jornal A Manhã, além de colaborar ilustrando o recém-inaugurado jornal A Crítica, ambos pertencentes a Mário Rodrigues. Em 1928, na empresa A Noite, ilustra as revistas Vamos Ler, Carioca e Noite Ilustrada, sendo esta última dirigida por ele. No ano de 1941 lança seu primeiro livro, Hoje Tem Espetáculo. Como correspondente da empresa A Noite, viaja a Paris para cobrir a Conferência de Paz, em 1946, e lá permanece por seis meses enviando desenhos e notícias. Em 1952 publica Alvarus e Seus Bonecos e, posteriormente, passa a se dedicar ao estudo da caricatura, lança o livro Daumier e Pedro I (1961) e escreve diversos artigos abordando essa temática, entre eles, Santos Dumont e a Caricatura, Caricatura também É História, Artur de Azevedo e a Caricatura e J. Carlos. Em 1973 ocupa o cargo de diretor executivo do Museu da Imagem e do Som - MIS do Rio de Janeiro. A partir de 1979 trabalha no jornal da Associação Brasileira de Imprensa - ABI, onde permanece até 1985. Como professor, ministra por muitos anos o curso de bibliografia da imprensa ilustrada na Escola de Biblioteconomia da Federação das Escolas Federais Isoladas do Estado da Guanabara.

Análise

O caricaturista, historiador da arte e escritor Álvaro Cotrim, conhecido como Alvarus, é formado em ciências jurídicas pela Faculdade de Direito da Universidade do Brasil. No começo da década de 1920, desenha para a Revista de Petrópolis e diversas revistas estudantis. A partir de 1925, colabora no jornal A Pátria. Realiza também caricaturas políticas para a revista Granada.

Em 1927, passa a colaborar com a publicação Para Todos, sob a direção de Alvaro Moreyra (1888-1964) e J. Carlos. Para o estudioso Herman Lima, a partir dessa ocasião o artista alcança expressão pessoal na caricatura, e logo se distingue pela vigorosa apreensão do caráter do retratado, executada com traço ágil. Em sua produção enfoca principalmente as personalidades da época, como a dançarina Josephine Baker (1906-1975), o político Getúlio Vargas (1883-1954) ou os escritores Rachel de Queiroz (1910-2003), Cecília Meirelles (1901-1964) e Augusto Frederico Schmidt (1906-1965), entre outros. Inspirado especialmente no trabalhos dos caricaturistas Guevara (1904-1964) e Figuerôa (1900-1930), Alvarus gradualmente afirma seu estilo. Enfatiza o contorno e introduz mais volume na representação das figuras, que passa a tratar também em formas arredondadas. Acentua, por vezes até a deformação, certos traços, tiques ou idiossincrasias do retratado, mas sempre de maneira afetuosa.

Em 1929, ingressa na empresa jornalística A Noite, em que trabalha 28 anos, realizando charges para as revistas Carioca e Vamos Ler, e outras. Em entrevista ao repórter de Vamos Ler, em 1941, Alvarus afirma que "o caricaturista deve observar pacientemente, como traço fundamental, o caráter mental de seus caricaturados".1 Nesse mesmo ano, é publicado o álbum Hoje Tem Espetáculo, que reúne parte significativa de sua produção. Em 1954, o Ministério da Educação e Cultura publica o álbum (em grande formato) Alvarus e Seus Bonecos.

Alvarus realiza capas de livro para as editoras Pongetti, Calvino Filho e Freitas Bastos. Faz também cenários para teatro. O artista é um dos mais importantes estudiosos da história da caricatura, sobre a qual deixa vários escritos, com destaque para os livros Daumier e Pedro I, Pedro Américo e a Caricatura, e J. Carlos - Época, Vida, Obra.

Nota

1 Citado em LIMA, Herman. Alvarus e os seus bonecos. Rio de Janeiro: MEC, 1954. s.p.

Obras 1

Abrir módulo

Exposições 9

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • COTRIM, Álvaro. Pedro Américo e a caricatura. Prefácio João Carlos Cavalcanti; introdução Angelo Agostini. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983. 82 p., il. p&b. (História da pintura brasileira, 7).
  • FONSECA, Joaquim da. Caricatura: a imagem gráfica do humor. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1999.
  • LAGO, Pedro Corrêa do. Caricaturistas brasileiros: 1836-1999. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 1999. p. 128-133.
  • LIMA, Herman. Alvarus e os seus bonecos. Rio de Janeiro: MEC, 1954.
  • LIMA, Herman. História da caricatura no Brasil IV. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1963.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: