Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Patrícia Moran

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 22.10.2019
09.02.1961 Brasil / Minas Gerais / Belo Horizonte
Patrícia Moran Fernandes (Belo Horizonte, Minas Gerais, 1961). Cineasta, videoartista, ensaísta. Dedica-se a poéticas tecnológicas audiovisuais em película e em vídeo. Também é curadora, pesquisadora e professora. Em meados dos anos 1980, inicia sua trajetória. Com VHS, realiza ensaios poéticos em vídeo, videoclipes de bandas de garagem em Minas...

Texto

Abrir módulo

Patrícia Moran Fernandes (Belo Horizonte, Minas Gerais, 1961). Cineasta, videoartista, ensaísta. Dedica-se a poéticas tecnológicas audiovisuais em película e em vídeo. Também é curadora, pesquisadora e professora. Em meados dos anos 1980, inicia sua trajetória. Com VHS, realiza ensaios poéticos em vídeo, videoclipes de bandas de garagem em Minas Gerais e produz filmes de curta-metragem. Gradua-se em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em 1985. Cursa mestrado em comunicação social na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), titulando-se em 1991.Em 2003, recebe título de doutora em comunicação e semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

É professora da UFMG do curso de comunicação social de 1995 a 2008. Leciona no curso superior do audiovisual da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e no curso de design da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), ambos na Universidade de São Paulo (USP).

Sua produção é marcada pelas linguagens eletrônica e digital, incorporando recursos dos meios tecnológicos audiovisuais.

Em 1989, no Rio Cine Festival, recebe os prêmios de direção e roteiro com o filme Ócio, além dos de melhor ator para Paulo Moska (1967) e André Barros (1965). Em 2002, recebe dois prêmios internacionais, por Clandestinos, selecionado para a mostra Panorama do Festival Internacional de Cinema de Berlim, e Melhor Documentário no Festival Internacional de Caracas, Venezuela.

Em 2011, apresenta Da Imagem como Jogo: Performance Audiovisual entre a Ciência e a Arte no Encontro da Socine, Rio de Janeiro.

Em 2012, realiza seu primeiro longa-metragem Ponto Org vencedor da Melhor Trilha Sonora juntamente com Bróder, do diretor Jeferson De (1969), no Festival de Gramado. Produz Audiovisão em Tempo Real: uma Poética entre Jogos Óticos e de Sentido, performance audiovisual em meio digital, como integrante do Laboratório de Investigação e Crítica Audiovisual (Laica) da ECA/USP. Faz a curadoria de Imagem-Performance: entre a Figuração e a Sugestão, no espaço para vídeos Paço para Ver, da Temporada de Projetos do Paço das Artes, São Paulo, e participa dos encontros Diálogos Estéticos falando sobre recursos audiovisuais para vídeo e performance, comparados a narrativas audiovisuais clássicas.

Em junho de 2013, o projeto Imagem Pensamento promove a mostra Olhares Inesperados, no Palácio das Artes – Fundação Clóvis Salgado, Belo Horizonte, sobre sua obra cinematográfica.

 

Análise

Patrícia Moran desponta nos anos 1980 numa geração de jovens realizadores de vídeo de Belo Horizonte e destaca-se pelo estilo anárquico, pela inventividade e preocupação social. Em sua trajetória observa-se a linguagem experimental que trabalha em conjunto o documentário, a ficção e o ensaio. Ao rigor crítico do documentarista de perfil, acrescenta estratégias da linguagem ficcional, invenção, ironia, irreverência, humor e metalinguagem. Também incorpora referências documentais em seu trabalho de ficção. Os filmes iconográficos, Maldito Popular Brasileiro: Arnaldo Baptista (1990) e Detonacci (2004), reveem dois fenômenos da virada dos anos 1960 para os 1970: o rock tropicalista dos Mutantes e o filme Bang Bang (1971) de Andrea Tonacci (1944).

Seu Maldito Popular Brasileiro, sobre o ex-integrante do grupo Os Mutantes é obra de impacto que resulta num ensaio sobre o Brasil da ditadura militar. Adeus, América (1996) retoma a liberdade estética dos primeiros anos do vídeo brasileiro. Clandestinos (2001), seu filme mais conhecido, é um documentário poético sobre os militantes políticos brasileiros que tiveram de viver na clandestinidade durante a ditadura militar.

Na opinião de Nísio Teixeira 1, jornalista e crítico de comunicação, na obra de Patrícia Moran, destaca-se o tratamento dos perfis, sejam eles de personagens reais, como em A Loura da Metralhadora (1996) e Maldito Popular Brasileiro, ou “quase” reais, como em Plano-Sequência (2002). Traz, também, trajetórias coletivas – como as das pessoas que moram e trabalham próximas ao “minhocão”, em São Paulo, em A Plenos Pulmões (2006). Ou as dos envolvidos, inclusive o diretor, na produção do filme Bang Bang, em Belo Horizonte. É significativa a utilização de metalinguagem, humor e estranhamento. Em Plano-Sequência, por exemplo, não há um plano-sequência, isto é, a ação continuada sem cortes. Ao contrário, constrói-se um auto-atropelamento, possível somente com os recursos do cinema, a partir de recortes e montagens. Não é um documentário, mas uma ficção “que aproxima o personagem Rubs, que se auto-atropela, do ator Pereio [Paulo César Pereio (1940)] – que, literalmente e de fato também se auto-interpreta o tempo todo no filme e dá mesmo vida ao “morto”.  Além disso, coloca, Eder Santos e Arlindo Machado (1949), pessoas reais, comentando a obra, a ausência, a canalhice e o amor de Rubs – a obra dentro da obra. Destaca, ainda, que a apresentação do filme na mostra competitiva do festival de Berlim em 2003, “causou também reações cômicas no público daquele festival – para espanto da diretora, que acreditava que algumas piadas produzissem sentido somente para os brasileiros”.

Em 2012, estreia seu primeiro longa-metragem Ponto Org, produção independente com o apoio de uma bolsa de arte da Fundação Vitae. Nele, persiste a linguagem experimental para mostrar a relação entre pessoas de classes sociais diferentes na metrópole, com olhar crítico sobre a exclusão social. Diretora e roteirista do filme, coloca a linguagem à frente da história. Movimentações de câmera diferenciadas e cortes rápidos são recursos utilizados para contar uma trama metalinguística: uma roteirista e um programador de games ajudam três meninos de rua a filmar um documentário sobre a vida de pessoas marginalizadas no centro de São Paulo. A ocupação do espaço público das metrópoles por cidadãos utópicos é um dos eixos temáticos e narrativos. “Um filme livre sobre o desejo romântico de liberdade”. 

 

 

Nota

1. TEIXEIRA, Nísio. Patricia Moran seus olhares inesperados e bem humorados. Filmes Polvo, revista de cinema. Disponível em: http://www.filmespolvo.com.br/site/artigos/fora_de_quadro/93 .  Acesso em: 2 out. 2014.

Exposições 3

Abrir módulo

Festivais 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 4

Abrir módulo

Palestras 2

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: